30/5 - “BRICS é uma união de diferentes”

From: Vila Vudu
Sent: Thursday, May 30, 2013 12:22 PM
Subject: “BRICS é uma união de diferentes” [25/3/2013, The BRICS Post (traduzido)
 
 
“BRICS é uma união de diferentes”
25/3/2013, The BRICS Post (TBP) – http://thebricspost.com/brics-is-a-union-of-equals/

Entreouvido na Vila Vudu:
 
O jornalismozinho das empresas-imprensa brasileiras PROMOVE A IGNORÂNCIA. "Liberdade de expressão", pra essas empresas, empresários e empregados,
é liberdade para que continuem a promover a ignorância. Quem precisa disso?!
______________________________________


Georgy Toloraya, diretor executivo da Comissão Nacional Russa de Pesquisa dos BRICS, conversa com The BRICS Post sobre o Banco dos BRICS e sobre por que “os BRICS não devem ser uma aliança de estilo ocidental”. Toloraya é também presidente do Departamento de Projetos Regionais para Ásia e África da Fundação “Russkiy Mir”.

TBP:  O Banco dos BRICS deve ser uma alternativa às instituições financeiras ocidentais como o FMI e o Banco Mundial, agora que os clamores por reformas nessas instituições internacionais deram em nada?

Toloraya: Não posso dizer que o Banco dos BRICS, quando for constituído, será uma alternativa, mas será um concorrente das instituições à moda ocidental. O Banco dos BRICS deve começar como centro político para coordenar políticas macroeconômicas e estratégias de investimento. Assim sendo, não acho que o projeto possa receber financiamento do Banco Mundial ou de bancos regionais de desenvolvimento, nem que essa possibilidade seja cogitada, pelo menos no primeiro estágio. Mas o banco proposto terá, é claro, de manter cooperação próxima com instituições financeiras internacionais.

TBP: Onde será a sede do Banco dos BRICS?

Toloraya: Esse é problema filosófico. Pode-se dizer que deve ter sede num dos países BRICS. Minha opinião é que Moscou é a localização ideal. Como você sabe, estamos tentando construir aqui um centro financeiro internacional. Embora Moscou não esteja exatamente no centro das rotas financeiras internacionais, é a capital mais próxima de todas as demais capitais dos BRICS, mais próxima de todas, que qualquer outra. Outra possibilidade é localizar a sede em algum dos tradicionais centros financeiros mundiais, como Londres ou Genebra.

TBP: O senhor acha que o tema do Banco dos BRICS será item prioritário na agenda da reunião de Durban?

Toloraya: É uma das importantes questões que os BRICS definiram para a pauta, ano passado, num parágrafo relevante da Declaração de Delhi. Esse ano, a reunião tomará conhecimento do que foi feito. Entendo que esse processo de criar o Banco de Desenvolvimento dos BRICS prosseguirá, porque todos os países precisam desse banco. Mais importante que isso, ele é também um centro de análise e pesquisa, muito necessário e urgente para aproximar as economias dos cinco países membros.

TBP: Os EUA ou a União Europeia terão ações do Banco dos BRICS?

Toloraya: Houve boatos sobre isso. Mas não me parece que, pelo menos inicialmente, os EUA ou qualquer outro país fora do grupo dos BRICS terá ações do Banco de Desenvolvimento dos BRICS.

Não vejo nada de mal em o Banco de Desenvolvimento dos BRICS tomar empréstimos ou financiamento, ou que negocie com o sistema financeiro internacional, o qual, como se sabe, é dominado pelos tradicionais centros financeiros mundiais na Europa e nos EUA.

TBP: Como o senhor vê a Rússia fortalecendo os BRICS, agora que estará na presidência do G20, como anunciaram o presidente Putin e o ministro Lavrov (das Relações Exteriores)?

Toloraya: Bem, você sabe que o G20 é o mais próximo que temos hoje de uma governança global. E a estratégica dos BRICS é melhorar, ou modernizar, a governança global. Assim sendo, há, sim, uma sinergia. Acho que os BRICS estão-se entendendo bem dentro do G20.

TBP: O ministro de Relações Exteriores da África do Sul disse recentemente que: “A emergência dos BRICS não está sendo bem recebida por nós todos. Há os que não veem com bons olhos os BRICS, porque entendem que a existência do grupo ameaça o status quo e altera o atual equilíbrio internacional de forças.” O que lhe parece?

Toloraya: Para começar, o equilíbrio internacional de forças não é estável nem eterno, está sempre mudando. Vimos, em anos recentes, que esse processo de mudança foi acelerado. Já não é possível falar em mundo unipolar. E a mais recente crise financeira expôs, bem claramente, a impotência de um antigo status de poder, para resolver os problemas.

Assim sendo, e agora que o mundo já é policêntrico, precisamos de novos mecanismos de coordenação. O mundo precisa de algum tipo de novo sistema para fixar as novas regras, as quais, se supõe que serão mais justas que as atuais, que sempre foram baseadas, até agora, em ações unilaterais. Os BRICS, portanto, são instrumento muito útil no processo de construir um sistema novo ou de modernizar o sistema existente. Esse novo sistema não será violento e não levará a conflitos.

Os países BRICS, pelo empenho em pautar-se pela lei internacional, considerar o mecanismo da ONU, os métodos políticos e diplomáticos para resolver problemas – são a base sobre a qual se deve basear esse sistema novo, ou modernizado. Não me parece que os BRICS ameacem o atual sistema ou agravem tensões. Ao contrário: os BRICS possibilitam a transição lisa, pacífica e suave, para um novo estado de coisas.

TBP: Um especialista russo em governança global e análise de problemas disse recentemente que o principal problema dos BRICS é que não há nação líder. Será que os BRICS precisam disso? E quem pode liderá-los?

Toloraya: Essa é a principal diferença entre o velho sistema unipolar e o que estamos fazendo: não estamos tentando criar um novo sistema unipolar de relações internacionais. Os BRICS por definição não têm nem devem ter nação líder. A força do grupo está na unidade entre diferentes. A unidade brota, precisamente, do fato de que os países do grupo são muito diferentes uns dos outros e assim devem continuar. Por isso, os BRICS jamais se converterão em alguma espécie de aliança à antiga moda ocidental, na qual um único líder governa o mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

15/10 - STF faz julgamento de norma constitucional que vem descumprindo

FONTE: https://www.causaoperaria.org.br/lula-stf-segunda-instancia-3/ Fora da Lei STF faz julgamento de norma constitucional q...