quarta-feira, 1 de março de 2017

1/3 - Tranquem a Inglaterra na cadeia ou....

FONTE:Castor Filho <castorphoto@gmail.com>



24 DEFEVEREIRO DE 2017
Tranquem a Inglaterra na cadeia ou num asilo de loucos!

Here it goes again! The same old tired and predictable tune, the same recognizable chorus. Once again the world is told what to think and what to believe. The world is also given both rhythm and leitmotif, so the grotesque and crooked dance could begin.
Olha a coisa aí de novo! A mesma velha, cansativa e previsível melodia, o mesmo tão conhecido coral. Uma vez mais, dizem ao mundo o que pensar e no que acreditar. Dão também ao mundo ritmo e refrão, para que a grotesca e inescrupulosa dança possa começar.
Who could resist, really? The lyrics of the tune are recited in perfect English, and with that air of moral and cultural superiority, which is supposed to disperse all doubts.
Quem poderia realmente resistir? A letra da música é recitada num inglês perfeito, e com aquele ar de superioridade moral e cultural, que supostamente dissipa quaisquer dúvidas.
On February 19, 2017, RT published the following:
No dia 19 de fevereiro de 2017, Russia Today publicou o seguinte:
“The Telegraph, as a favored mouthpiece for British intelligence service disinformation, is a part of psychological warfare operation against Russia, said independent journalist Martin Summers. Another accusation is being thrown at Russia as a British newspaper published a story about Moscow being allegedly behind a plot to kill Montenegro’s Prime Minister last October… According to the article, Russia wanted to overthrow the country’s government to stop them joining NATO.”
“O jornal The Telegraph, como bom porta-voz do serviço de desinformação da inteligência britânica, faz parte da operação de guerra psicológica contra a Rússia, afirmou o jornalista independente Martin Summers. Outra acusação está sendo lançada contra a Rússia: um jornal britânico publicou um relato acusando Moscou de estar por trás de um complô para assassinar o primeiro-ministro de Montenegro em outubro passado... Segundo o artigo, a Rússia queria derrubar o governo daquele país para impedi-lo se juntar-se à OTAN.”
So now it is Montenegro. Yesterday it was Crimea, Donbas, and the US elections. Evil Russia again! Evil China, evil socialist Latin American countries, evil Syria, Eritrea, Zimbabwe, South Africa, North Korea, Philippines, evil all those who are laughing at the notion of Anglo-Saxon superiority.
Quer dizer, agora é Montenegro. Ontem foi a Crimeia, Donbas e as eleições nos Estados Unidos. De novo a malvada Rússia! E a malvada China, os malvados países socialistas latino-americanos, os malvados Síria, Eritreia, Zimbabwe, África do Sul, Coreia do Norte, Filipinas, malvados todos os que desdenham a noção de superioridade anglo-saxônica.
***
This time I’m actually not intending to write some long, philosophical essay on the subject of “shamelessness of British propaganda”. I’m just taking a short break from my 10 thousand-word ‘paper’ for the China Academy of Social Sciences (CASS); a paper analyzing the impact of the 1917 Soviet Revolution on the world.
Dessa vez, não busco escrever nenhum longo ensaio filosófico sobre o tema da “sem-vergonhice da propaganda britânica”. Estou só fazendo uma pausa no escrito que venho parindo há 10 anos para a Academia de Ciências Sociais da China; um documento em que analiso o impacto da Revolução Soviética de 1917 no mundo.
I just want to state what I believe should be so obvious, but somehow isn’t, at least to billions of people all over the world: “Those British blokes running the mainstream media outlets and global propaganda network really cannot be trusted. For centuries, no other country brought more grief to the planet, destroyed more lives, ruined more nations and cultures, and stole more natural resources from the ‘natives’, than the United Kingdom.” All this was done with a straight face, all explained and justified by the most advanced propaganda apparatus on earth, all ‘morally defended’. The entire twisted concept of British-style ‘justice’ was first introduced at home, and then exported to many corners of the globe.
Só quero reiterar que aquilo em que creio deveria ser mui óbvio, mas de alguma forma não o é, pelo menos para bilhões de pessoas em todo o mundo: “Aqueles caras britânicos que dirigem a mídia-empresa e as redes de propaganda global não merecem nenhuma confiança. Durante séculos, nenhum outro país trouxe tanto sofrimento ao planeta, destruiu tantas vidas, arruinou tantas nações e culturas, roubou tantos recursos naturais dos ‘nativos’ quanto o Reino Unido.” Tudo isso foi feito na cara de pau, tudo explicado e justificado pelo mais avançado aparelho de propaganda do planeta, tudo ‘moralmente defendido’. Todo o emaranhado conceito de ‘justiça’ à britânica foi primeiramente introduzido domesticamente e depois exportado para diversos cantos do globo.
It went on for several long centuries, and it goes on until now: the rapists are introducing globally accepted moral codes. Mass murderers are running international courts of justice. Notorious liars and thieves are teaching the world about ‘objectivity’. Gurus of disinformation are even ‘educating’ their own children, as well as the children of elites from all parts of the world, in their ‘prestigious’ factories of indoctrination – schools and universities.
Isso se desenrolou por muitos longos séculos e continua ainda: os estupradores estão implementando códigos morais mundialmente aceitos. Assassinos em massa estão dirigindo Cortes Internacionais de Justiça. Notórios mentirosos e ladrões estão ensinando ‘objetividade’ ao mundo. Gurus da desinformação estão até mesmo ‘educando’ nossas crianças, bem como as crianças das elites de todas as partes do mundo, em suas ‘prestigiosas’ fábricas de doutrinação – escolas e universidades.
Of course there are some countries that have tried very hard to outdo the UK in terms of brutality, greed and tactics of deception. It is worth mentioning such candidates for genocidal world leadership like France, Germany, Spain and lately the United States. They really have been competing determinately and zealously, but despite all their efforts, they never truly managed to come close to the forerunner.
Claro, alguns países vêm tentando duramente ultrapassar o Reino Unido em matéria de brutalidade, cobiça e táticas de ludíbrio. Vale a pena mencionar tais candidatos à liderança mundial em genocídio como França, Alemanha, Espanha e nos últimos tempos os Estados Unidos. Estes países têm de fato participado dessa competição com determinação e zelo, mas apesar de seus esforços, eles nunca conseguiram de fato chegar aos pés do pioneiro.
Please, just think about all this, if you haven’t already done it for years. Then wash your eyes thoroughly, and look anew at those tabloids and ‘serious publications’ that are printed in the UK. Look at the indoctrination television channels. If you are still able to retain at least some detachment and common sense, please compare what they are saying and writing and showing, with the reality outside your own window, wherever on this Planet you may be.
Por favor, pense um pouco nisso, se já não o fez durante anos. Depois, lave profundamente os olhos, e depois olhe novamente essas ‘publicações sérias’ e esses tabloides que são impressos no Reino Unido. Olhe a doutrinação dos canais de televisão. Se você ainda for capaz de preservar pelo menos algum distanciamento e algum senso comum, por favor, compare o que eles estão dizendo, escrevendo e mostrando com a realidade além de sua janela, onde quer que você esteja nesse planeta.
***
For many years I worked all over the world, on all continents, in some 160 countries. For many years, I was told stories, shown evidence, about the most monstrous and barbaric crimes that the Brits have been committing almost everywhere on this Planet.
Durante muitos anos, trabalhei por todo o mundo, em todos os continentes, em cerca de 160 países. Durante muitos anos, relataram-me histórias, mostraram-me evidências sobre os mais monstruosos e bárbaros crimes que os Britânicos vêm cometendo em quase todas as partes deste planeta.
To compile even some semi-complete list, one would need to compose at least a sizable brochure, if not an entire book. Let’s just mention a few of the most obvious horrors that ‘Great’ Britain is responsible for: Slave trade and destruction of entire huge parts of Africa with tens of millions people directly or indirectly killed. Monstrous occupation of the ‘Sub-continent’, with tens of millions of lives lost (including those in several artificially triggered famines).
Para compilar alguma lista incompleta destes, seria preciso elaborar pelo menos uma considerável brochura, senão um livro inteiro. Mencionemos apenas uns poucos dentre os óbvios horrores dos quais a Grã-Bretanha é responsável: comércio escravista e destruição de zonas inteiras da África, com dezenas de milhões de pessoas mortas direta ou indiretamente; monstruosa ocupação do ‘subcontinente’, ao custo de dezenas de milhões de vidas, incluindo aquelas vítimas de várias calamidades de fome artificialmente provocadas.
Ransacking of large parts of China, murdering and participating in breaking the most populous nation on earth. Brutal attacks against the young Soviet state. Horrid treatment of colonized peoples of the island nations, from Oceania (South Pacific) to the Caribbean. Gassing, bombing, literally exterminating people of the Middle East, from what is now Iraq and Kuwait, to Palestine. There were invasions of Afghanistan and the ‘reign of terror in Kabul’ in 1879. There were many other things, many nightmarish crimes, of course, but today I’m being brief…
Saqueio de grande parte da China, matando e participando da destruição da mais populosa nação da terra. Ataques brutais contra o jovem Estado Soviético. Hórrido tratamento de povos colonizados de nações-ilha, da Oceania (Pacífico Sul) até o Caribe. Gaseificação, bombardeio, extermínio literal de povos do Oriente Médio, do que é hoje o Iraque e o Kuwait até a Palestina. Houve as invasões do Afeganistão e o ‘reino do terror em Cabul’ em 1879. Houve muitas coisas mais, crimes horripilantes, é claro, mas aqui eu estou sendo sucinto...
In the “New World”, consisting of countries like the US, Canada and Australia, the most terrible massacres of the native people were committed by the first and second generation of Europeans, mainly the Brits.
No “Novo Mundo”, países como os Estados Unidos, o Canadá e a Austrália, os mais terríveis massacres de povos nativos foram cometidos pela primeira e pela segunda geração de europeus, principalmente britânicos.
Britain actually never ceased to commit crimes against humanity.
Na verdade, a Grã-Bretanha nunca cessou de cometer crimes contra a humanidade.
Since WWII it has been tutoring the United States, strategically and ideologically, in the art of how to run the Empire and how to manufacture unanimity inside the West itself, and even among the population of the colonized nations (in the neo-colonialist context).
Desde a Segunda Grande Guerra, eles orientaram os Estados Unidos, estrategicamente e ideologicamente, na arte de como dirigir o Império e como manufaturar a unanimidade dentro do próprio Ocidente, e até entre as populações das nações colonizadas (no contexto neocolonial).
It has also been involved in some of the vilest acts in modern history, related to countries like Egypt, Iran, Iraq, Afghanistan, Congo as well as entire areas of Asia Pacific and the African Great Lakes.
A Grã-Bretanha também esteve envolvida nos mais vis atos da história moderna, relacionados a países como Egito, Irã, Iraque, Afeganistão, Congo, bem como áreas inteiras do Pacífico Asiático e dos Grandes Lagos Africanos.
Again, that’s only a brief and incomplete summary.
Volto a repetir, isso é apenas um resumo breve e incompleto.
***
Having experience with occupying huge parts of the world for centuries, knowing first-hand how to ‘pacify’ the natives, the Brits gradually developed and then passed on to the rest of the Western world their highly effective and successful indoctrination methods.
Tendo experiência na ocupação de vastas partes do mundo durante séculos, sabendo em primeira mão como ‘pacificar’ os nativos, os britânicos gradualmente desenvolveram e em seguida passaram para o resto do Ocidente seus altamente eficazes e exitosos métodos de doutrinação.
These were eventually spread further – mainly among the elites of the colonized nations. As a result, fully standardized global perceptions evolved, and were implemented and upheld until this very moment. They included the general worldview, ‘principles’ and ‘moral standards’, law and justice (including such concepts as ‘human rights’), and even the set of overall values.
Estes foram finalmente generalizados – principalmente entre as elites das nações colonizadas. Como resultado, percepções globais plenamente padronizadas evoluíram e foram implementadas e sustentadas até o presente momento. Estas incluem uma visão geral do mundo, ‘princípios’ e ‘moral padrão’, lei e justiça (incluindo conceitos tais como ‘direitos humanos’) e até o conjunto de valores gerais.
The English language (especially well articulated; spoken with certain recognizable and ‘acceptable ‘accents) became the main linguistic tool embodying both truth and authority.
A língua inglesa (especialmente bem articulada; falada com certos sotaques reconhecíveis e ‘aceitáveis’) se tornou a principal ferramenta linguística a incorporar a verdade e a autoridade.
News presented in a certain ‘objective’ way and with a certain accent (or acceptable set of accents) became subconsciously, for the great majority of people, much more trustworthy than that which would be delivered by individuals whom a great Polish journalist, anthropologist and philosopher Ryszard Kapuscinski used to define as ‘the others’.
Notícias apresentadas com certa ‘objetividade’ e com certo sotaque (ou certos sotaques aceitáveis) se tornam subconscientemente, para a grande maioria das pessoas, muito mais dignas de confiança que aquelas difundidas por indivíduos que o jornalista, filósofo e antropólogo polonês Ryszard Kapuscinski costuma definir como sendo ‘os outros’.
***
This ‘perfect’, seemingly bulletproof system produces intellectual laziness, submissiveness, even servitude. It is successfully upholding the status quo.
Este sistema ‘perfeito’, aparentemente à prova de balas, produz preguiça intelectual, subserviência e até servidão.  É isso o que vem sustentando o status quo.
Lies are mounting on top of lies, and even the most obvious fabrications lately do not get challenged, except in some marginal and ‘extremist’ (defined by the Western regime) outlets.
As mentiras se acumulam aos montes, e até as mais óbvias fabulações terminam por não serem desafiadas, exceto por alguns canais marginais e ‘extremistas’, segundo a definição dos regimes ocidentais.
The colonialist empire managed to survive. It is now fully in charge. It dominates the psyche of both the colonizers and the colonized. Advances that were made by liberation and independence struggles, by the anti-colonialism fighters during the post-WWII era, have been skillfully annulled. Then, it was officially declared, “colonialism is over”.
O império colonialista conseguiu sobreviver. E está agora a toda carga. Ele domina a psique tanto dos colonizadores quanto dos colonizados. Os progressos feitos pelos esforços de liberação e independência, pelas lutas anticolonialistas no pós-guerra, têm sido habilidosamente anulados. E depois, foi oficialmente declarado que “o colonialismo acabou”.
At some point, the Anglo-Saxon demagogues invented ‘political correctness’, one more highly effective tool designed to neutralize and ‘pacify’ any serious resistance. Political correctness claims that all nations and races are equal; it is even glorifying those ‘little people’ and almost all ‘cultures of the under-developed nations’, at least verbally, while in reality the Empire keeps plundering and manipulating the planet, as it has been doing for ages. In the colonies, the only individuals who are gaining are the elites; those morally corrupt rulers of the deprived and still enslaved world.
Até certo ponto, os demagogos anglo-saxões inventaram o ‘politicamente correto’, mais uma ferramenta altamente eficaz para neutralizar e ‘pacificar’ qualquer resistência séria. O ‘politicamente correto’ afirma que todas as nações e raças são iguais; isso está glorificando aqueles ‘pequenos povos’ e quase todas as ‘culturas das nações subdesenvolvidas’, pelo menos verbalmente, quando na realidade o Império continua espoliando e manipulando o planeta, como vem fazendo desde há eras. Nas colônias, os únicos indivíduos que saem ganhando são das elites; aqueles dirigentes moralmente corruptos do carente e escravizado mundo.
***
As in the past, the regime pragmatically chooses its enemies, and it then applies the most proven and spiteful tactics, launching defamation campaigns, dehumanizing citizens and leaders of adversary states, creating often phantasmagoric but highly effective conspiracy theories.
Como no passado, o regime escolhe pragmaticamente seus inimigos, e depois aplica as táticas mais maldosamente comprovadas, lançando campanhas de difamação, desumanizando cidadãos e líderes dos estados adversários, criando amiúde teorias conspiratórias fantasmagóricas, mas altamente eficazes.
The British media, the British propagandists, in fact the entire British establishment, had reached absolute perfection in the field of mind-control and brainwashing.
A mídia britânica, os propagandistas britânicos, na verdade, toda a ordem política, social, econômica e cultural do Reino Unido tem logrado a mais absoluta perfeição no campo do controle mental e da lavagem de cérebro.
How else, otherwise, would anyone in his or her sane mind trust the words of those who are responsible for tens of millions, perhaps for hundreds of millions of lost human lives in all corners of the world?
Em outras palavras, se não fosse assim, como alguém em sã consciência poderia confiar nas palavras daqueles que são responsáveis por dezenas de milhões, talvez até centenas de milhões de perdas de vidas humanas nos quatro cantos do mundo?
How could the primary architects of our insane global arrangement be taken seriously, unless they managed to fully indoctrinate their ‘subjects’?
Como poderiam os primeiríssimos arquitetos de nossa insana organização global serem levados a sério se não fosse pela exitosa e plena doutrinação de seus ‘súditos’?
Some would suggest that we are living in a world where the ‘normality’ could be found only in an insane asylum; where the only place for a decent man or a woman could be behind some barricade, or behind bars.
Alguns sugeririam que estamos vivendo num mundo em que a ‘normalidade’ só pode ser encontrada num asilo de loucos; em que o único lugar para uma pessoa decente seria atrás de alguma barricada ou atrás das grades.
However, not many would have such thoughts, as even reflections are now almost fully standardized and controlled. So much glorified freedom has been reduced to just a handful of personal, very limited, often self-serving choices that one is still allowed to make while being generally fully locked within the existing system.
Seja como for, poucos são os que têm tais pensamentos, pois mesmo as reflexões estão agora quase completamente padronizadas e controladas. A tão glorificada liberdade tem sido reduzida a um punhado de escolhas pessoais egoístas, deveras limitadas, que uma pessoa ainda está autorizada a fazer, desde que se mantenha bloqueada, em termos gerais, dentro do sistema existente.  
This British, European, in fact Western obsession with controlling, with ruling over everything in this world, has actually fully derailed natural human evolution. Instead of much higher aspirations, instead of optimistic attempts to build an egalitarian, compassionate and joyful society, our humanity is once again stuck in some master-slave morass, in something that appeared to be on its way out even during some periods of the 19th century, and definitely later, in the 20th century.
Esta obsessão britânica, europeia, na verdade ocidental, de controlar tudo no mundo descarrilhou a evolução humana. Ao invés das mais altas aspirações, ao invés das tentativas otimistas de construir uma sociedade igualitária, compassiva e jubilosa, nossa humanidade está outra vez mais encalhada num atoleiro amo-escravo, em algo do qual parecíamos estar saindo, mesmo durante certos períodos do século XIX e, definitivamente, mais tarde, no século XX.
***
How to fight this nightmare?
Como combater este pesadelo?
I wrote it many times before, and I have to repeat it again: To change things, one has to first understand reality. But it is not only about knowing the facts; it is mainly about how to analyze them, how to perceive the world and essential events.
Escrevi isso muitas vezes antes e tenho de repeti-lo de novo: para mudar as coisas, é preciso primeiramente entender a realidade. Mas não se trata apenas de conhecer os fatos; trata-se, sobretudo, de como analisá-los, de como perceber o mundo e os eventos essenciais.
We are being bombarded, in fact flooded with information, data and ‘facts’. What is missing is a totally new approach towards sorting and analyzing the reality within which we live.
Estamos sendo bombardeados, na verdade, inundados com informações, dados e ‘fatos’. O que está faltando é uma abordagem totalmente nova para selecionar e analisar a realidade na qual vivemos.
The Empire is not withholding the facts. It is doing something much more sinister: it is depriving people of learning how to analyze them in the most logical ways.
O Império não está retendo os fatos. Está fazendo algo muito mais sinistro: está privando as pessoas da aprendizagem de como analisá-los da forma mais lógica.
Let us begin with absolute basics: “Mass murderer cannot be a judge”. “Indoctrinator and brainwasher cannot be a teacher”. “Those who are shackling, enslaving billions, should not be allowed to preach about freedom.”
Comecemos por princípios absolutamente fundamentais: “Assassinos em massa não podem ser juízes”. “Doutrinadores e lavadores de cérebro não podem ser professores”, “Aqueles que estão agrilhoando, escravizando bilhões, não deveriam ser autorizados a pregar sobre a liberdade”.
The reality is: we have a handful of deranged, mentally disturbed nations and cultures that have been subjugating, raping and robbing entire nations and continents, still in charge of our beautiful but already terribly scarred Planet.
A realidade é a seguinte: temos um punhado de nações e culturas perturbadas, mentalmente desequilibradas, que têm subjugado, estuprado e roubado nações e continentes inteiros, e que ainda estão comandando nosso belo e já terrivelmente aterrorizado planeta.
These morally defunct nations have no compassion left, and no real rationality. This fact they have proven again and again. One million victims, tens of millions of victims – it means nothing to them, as long as they can continue to rule. Ruined nature, disappearing islands, poisoned air, it matters nothing to them. People turning into indoctrinated, intellectually and emotionally uniformed cattle; good, who cares?
Estas nações moralmente defuntas não têm nenhuma compaixão e nem tampouco nenhuma racionalidade. Isto é um fato do qual elas mesmas têm dado reiteradas provas. Um milhão de vítimas, dezenas de milhões de vítimas – isso não significa nada para elas, pois o que conta é que elas continuem a comandar. A natureza arruinada, o desaparecimento de ilhas, o ar envenenado, nada disso conta para elas. Os humanos se tornaram gado doutrinado, intelectual e emocionalmente uniformizado; ótimo, quem está ligando para isso?
It is an extremely unsettling reality, but reality it is. The sooner we recognize it for what it is, the better.
Esta é uma realidade extremamente inquietante, mas esta é a realidade. Quanto mais cedo a reconhecermos pelo que ela é, melhor será.
‘Great’ Britain should sit down on its ass and cry in horror, recalling all crimes it has been committing, imagining the concentration camps it built in Africa and elsewhere, recalling the famines it triggered in India and elsewhere, remembering all those innocent people it murdered on each and every continent. It should be howling from shame, because of the nihilism it has been spreading, while ruining enthusiasm, beautiful dreams and hopes of our human kind.
A grande Grã-Bretanha deveria ficar sentadinha e chorar horrorizada, relembrando todos os crimes que ela tem cometido, imaginando os campos de concentração que ela edificou na África e em outros lugares, rememorando todas as pessoas inocentes que ela assassinou em cada um dos continentes. Ela deveria urrar de vergonha, por causa do niilismo que ela tem espalhado, arruinando o entusiasmo, os lindos sonhos e as esperanças de nossa humanidade.
It should stop and weep in horror, picturing instructions it provided to countries like South Africa, the United States or Rwanda – instructions that brought terrible bloodbaths, instead of harmony and progress to our world.
A Grã-Bretanha deveria parar e chorar horrorizada, imaginando as instruções que ela forneceu a países como África do Sul, Estados Unidos ou Ruanda – instruções que acarretaram terríveis banhos de sangue, ao invés de harmonia e evolução para nosso mundo.
Why all this terror? Just so the UK and its cohorts could continue to rule! It is not about greed only, or natural resources, it is about control.
Por que todo esse terror? Só para que o Reino Unido e sua coorte continuassem a comandar! Não se trata apenas de cobiça, de recursos naturais, mas de controle.
***
I don’t want their analyses, anymore. I don’t want their news, their films, their books, and their propaganda materials. Even in the dark solitude of some cave, one could understand the world much better than when reading their disinformation sheets, or when watching their indoctrination channels.
Não quero suas análises, não mais. Não quero suas notícias, seus filmes, seus livros ou seus materiais de propaganda. Mesmo na escura solidão de um porão, uma pessoa pode entender o mundo muito melhor que lendo suas folhas de desinformação ou olhando seus canais de doutrinação.
All this is just designed to confuse people, to make them passive and submissive. Their announcers as well as their writers are like some sad lobotomized robots: there is no life, nothing new, nothing daring or revolutionary in their words. They function, somehow: they move, they eat, shit, repeat what they are expected to say, but they are not alive.
Tudo isso é concebido para confundir as pessoas, para torná-las passivas e submissas. Seus locutores, bem como seus escritores são algo como tristes robôs lobotomizados; não há vida, nada de novo, nada audaz ou revolucionário em suas palavras. Eles funcionam, de certo modo: eles se movem, comem, defecam, repetem o que se espera que eles digam, mas eles não estão vivos.
They only smear, but don’t inspire. If there is any optimism, it is always false, pre-approved, and mass-produced.
Eles só difamam, mas não inspiram. Quando há algum otimismo, é sempre falso, pré-aprovado e produzido em massa.
If you think about it, it all actually makes sense: A torturer cannot be a visionary, or an idealist.
Se você refletir sobre isso, tudo passará a fazer sentido: um torturador não pode ser um visionário ou um idealista.
Compared to China or Iran, the UK is a relatively young culture. But it feels old, tired, spent, and obsolete. Too many crimes and too many lies can exhaust and depress even a young person.
Comparado com a China ou com o Irã, o Reino Unido é uma cultura relativamente jovem. Mas ela se sente velha, cansada, gasta e obsoleta. Demasiados crimes e demasiadas mentiras podem exaurir e deprimir até mesmo uma pessoa jovem.
Were England a person, operating in a normal society, it would be either in prison or in a mental institution. The same could be said about the rest of the West.
Se a Inglaterra fosse uma pessoa, agindo numa sociedade normal, ela deveria estar ou numa prisão ou numa instituição para doentes mentais. O mesmo pode ser dito para o resto do Ocidente.
We have nothing to learn from some murderous maniac, do we? The only concern should be: how to put a straightjacket on such an individual, how to prevent him from killing and harming others, and how to do it as quickly as possible.
Não temos nada a aprender destes maníacos assassinos. Não é mesmo? A única preocupação deve ser: como por uma camisa de força em tais indivíduos, como impedi-los de matar e ferir os demais, e como fazer isso o mais depressa possível.
I also highly doubt that with such a background and monstrous track record, our dangerous maniac should be allowed to interpret the world publicly, to teach people, and to even participate in the discussions touching the most essential issues facing our planet!
Eu também questiono muitíssimo o fato de que, com tais monstruosas folhas corridas, nossos monstruosos maníacos sejam autorizados a interpretar publicamente o mundo, a ensinar pessoas e até a participar de discussões concernentes às principais questões que enfrenta nosso planeta!
Andre Vltchek is a philosopher, novelist, filmmaker and investigative journalist. He has covered wars and conflicts in dozens of countries. Three of his latest books are revolutionary novel “Aurora” and two bestselling works of political non-fiction: “Exposing Lies Of The Empire” and “Fighting Against Western ImperialismView his other books here. Andre is making films for teleSUR and Al-Mayadeen. Watch Rwanda Gambit, his groundbreaking documentary about Rwanda and DR Congo. After having lived in Latin America, Africa and Oceania, Vltchek presently resides in East Asia and the Middle East, and continues to work around the world. He can be reached through his website and his Twitter.
Andre Vltchek é um filósofo, romancista, cineasta e jornalista investigativo. Ele tem coberto guerras e conflitos em dezenas de países. Três de seus últimos livros são o romance revolucionário “Aurora” e dois trabalhos de sucesso de política não ficcional: “Exposing Lies Of The Empire” e “Fighting Against Western Imperialism” (Expondo as Mentiras do Império e Lutando contra o Imperialismo Ocidental).Veja seus outros livros aqui. Andre está fazendo filmes para TeleSur e Al-Mayadeen, Veja Rwanda Gamit, seus documentário de campo sobre Ruanda e República Democrática do Congo. Depois de ter vivido na América Latina, na África e na Oceania, Vltchek reside atualmente no Leste Asiático e no Oriente Médio, e continua trabalhando pelo mundo. Ele pode ser contactado através de seu uebissaite e de seu tuíter.

Nenhum comentário:

Postar um comentário