quarta-feira, 15 de março de 2017

15/3 - Os Amigos do Presidente Lula DE 14/3

Os Amigos do Presidente Lula


Posted: 14 Mar 2017 06:59 PM PDT



Ônibus municipais e intermunicipais da região metropolitana, metrô, escolas municipais e estaduais, unidades de saúde, bancos e correios vão paralisar atividades pela mobilização. Veja aqui a lista dos locais em São Paulo
Posted: 14 Mar 2017 06:48 PM PDT

A Globo ja teve acesso a lista do Janot. Descobriu que Janot pede para investigar Lula, Dilma, Aécio, Serra, Rodrigo Maia e Eunício. . Na agenda de Temer para amanhã, quarta feira (15), o  primeiro compromisso  um dia após a entrega da lista de Janot ao Supremo., é com...Gilmar Mendes, Rodrigo Maia e Eunicio. Coincidências?!

Posted: 14 Mar 2017 12:19 PM PDT

Até a Folha dos tucanos resolveu publicar; As frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo farão manifestações contra a reforma da Previdência, a reforma trabalhista e o governo do presidente Michel Temer (PMDB) nesta quarta-feira (15), em várias cidades do país.

Em São Paulo, o ato será na avenida Paulista, às 16h. Ao contrário de outras passeatas organizadas pelas frentes após o impeachment de Dilma Rousseff, a manifestação ficará parada na avenida.

Também haverá protestos em outras capitais. No Rio de Janeiro, o ato começará às 16h, na Candelária. Já em Brasília, a manifestação será na parte da manhã, às 8h, na Catedral Metropolitana.

"A expectativa é de que venham 100 mil pessoas em São Paulo", afirma Raimundo Bonfim, coordenador da Frente Brasil Popular, que reúne 63 entidades de movimentos sociais e sindicais.

Segundo ele, o número se deve ao fato de que devem se juntar à passeata parte das categorias que devem paralisar suas atividades nesta quarta, como os professores e bancários.

As manifestações tem como principal reivindicação a retirada da proposta de reforma da Previdência no Congresso, além de pedir a saída de Michel Temer e a realização de eleições diretas. "Essa reforma praticamente inviabiliza a aposentadoria do trabalhador", afirma Douglas Izzo, presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores).

"Essa reforma é péssima, e mudanças só a deixariam ruim. A gente não quer modificação, quer a retirada da proposta", afirma Izzo.

Será o primeiro conjunto de manifestações pelo Brasil organizado pelas duas frentes




Posted: 14 Mar 2017 12:22 PM PDT


Os dois ex-presidentes e o pré-candidato do PDT ao Palácio do Planalto vão à Paraíba contestar a “paternidade” de Temer em relação ao trecho leste da transposição do Rio São Francisco, inaugurado por ele na sexta-feira

O trecho leste da transposição do Rio São Francisco será inaugurado pela segunda vez em dez dias. Os ex-presidentes Lula e Dilma vão ao município de Monteiro (PB), no próximo domingo (19), para repetir o ato oficial protagonizado pelo presidente Michel Temer na última sexta-feira (10). O objetivo dos petistas é rebater o discurso do atual governo sobre a “paternidade” da obra. O palanque terá ainda o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT), que, assim como Lula, é pré-candidato à Presidência em 2018.

O ato será organizado pelo governador Ricardo Coutinho (PSB), que na semana passada, mesmo na presença de Temer, agradeceu aos dois ex-presidentes e a Ciro Gomes pela realização das obras. “Não poderia deixar de me reportar ao governo que Vossa Excelência (Michel Temer) fez parte, o governo da presidenta Dilma Rousseff. A presidenta foi responsável pelo pagamento de 70% dessa obra. [...] É preciso relembrar as coisas a quem deixar de lembrar do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, presidente que iniciou essa obra”, disse em seu discurso.

A inauguração foi marcada por protestos contra Temer. Também presente ao evento, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) saiu em defesa do peemedebista. O senador disse que Lula deu início às obras, mas que sua conclusão dependeu da “determinação” do atual presidente. O tucano afirmou, ainda, que aqueles que contestavam a ida de Temer à Paraíba “são os mesmos que, cumprindo o papel de inocentes úteis, se colocam contra a obra, contra a conquista do povo do Nordeste”.

De acordo com informações de bastidores obtidas pelo Congresso em Foco, Cássio Cunha Lima tentou falar três vezes por telefone com Lula para tentar amenizar o tom de seu discurso. Mas o ex-presidente não atendeu nem retornou as ligações. A assessoria do petista não confirma a informação.

A nova inauguração do trecho leste contará com a presença do militantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), de sindicatos e pastorais. O ato será realizado em data especial para os moradores da região: Dia de São José. Na crença dos sertanejos, quando chove nessa data, renovam-se as esperanças por dias mais chuvosos na região do semiárido nordestino.

Além dos políticos, o evento terá um ato religioso com o padre Djacy Brasileiro – defensor do projeto e organizador de diversos protestos pela transposição ao longo dos últimos anos. A última visita de Lula no estado foi em 2012. Na ocasião, o petista foi pedir votos para o atual prefeito, Luciano Cartaxo (PSD), que na época era do PT, mas atualmente se opõe ao partido.

Na sexta, em sua passagem por Campina Grande, Temer afirmou que ninguém poderia requerer o papel de “pai” da transposição. “Eu não quero a paternidade desta obra. Ninguém pode tê-la. A paternidade é do povo brasileiro e do povo nordestino. Vocês é que pagaram impostos ao longo do tempo, vocês é que permitiram que pudéssemos fazer grandes investimentos nessa obra, que cada vez mais está sendo festejada”, afirmou.

O trecho inaugurado tem 217 quilômetros de tubulações e seis estações de bombeamento e também beneficia o estado de Pernambuco. As obras do Eixo Leste prometem levar água a 168 municípios dos dois estados, beneficiando 4,5 milhões de pessoas. Após a conclusão do Eixo Norte, que já tem 94,5% das obras concluídas, 12 milhões de nordestinos deverão ser alcançados pela transposição do São Francisco. Matéria do Congresso em Foco
Posted: 14 Mar 2017 12:22 PM PDT

Em depoimento à Justiça Federal de Brasília na manhã desta terça-feira (14), o ex-presidente Lula negou que tenha tentado obstruir as ações da Operação Lava Jato. Lula  afirmou estar sofrendo um “massacre” devido às acusações que lhe são dirigidas e voltou a desafiar quem o acusa: “Quero provas”. Esse foi o primeiro depoimento de Lula como réu na Lava Jato. No mesmo processo, também estão envolvidos o senador cassado Delcídio do Amaral (sem partido-MS), o ex-chefe de gabinete dele Diogo Ferreira, o banqueiro André Esteves, o advogado Edson Ribeiro, o pecuarista José Carlos Bumlai e o filho dele, Maurício Bumlai. Todos acusados de agirem para impedir que Cerveró revelasse à Justiça o que sabe sobre o esquema de corrupção na Petrobras.
“Só tem um brasileiro que pode ter medo de uma delação do Cerveró. Era o Delcídio. Ele sim era próximo dele. Eu nunca fui próximo do Cerveró”, disse Lula. “E sobre o Cerveró: eu não o conhecia. Só agora ele ficou famoso. Eu só vi ele em reuniões. Portanto, não tinha nenhum interesse de indicá-lo”, disse o ex-presidente.

O depoimento de Lula foi transmitido ao vivo para jornalistas presentes no Tribunal Regional do DF e acompanhado por manifestantes favoráveis e contrários ao petista. Em seu relato, Lula aproveitou para citar benfeitorias de seus dois mandatos à frente da Presidência da República e revelou que se ofende profundamente quando dizem que o PT é uma organização criminosa.

Lula disse em seu depoimento,  que “nunca pediu dinheiro a empresários”. “Duvido que um deles tenha coragem de dizer que Lula pediu 5 centavos”, desafiou.

Lula contestou também o Ministério Público nas acusações relacionadas ao partido. “Estou cansado de procurador dizer que tem convicção”, afirmou. Segundo o ex-presidente, setores da mídia também fazem parte do massacre contra ele. “Sabe quantas horas eu tenho negativas contra mim no Jornal Nacional em oito meses? 16h. Eu não sou contra a Lava Jato. Sou contra execrar as pessoas pela imprensa”, disse.

Do lado de fora do tribunal, o ex-presidente recebeu apoio de  militantes, entre eles deputados federais do PT. Segundo Érika Kokay (PT-DF), Lula prestou seu depoimento “com muita tranquilidade e mostrou o quão ridícula são as questões que querem fazer com que pese contra inocência dele”.
Posted: 14 Mar 2017 10:09 AM PDT


Investigado no TSE, tribunal presidido pelo ministro, presidente recomenda ao Senado a nomeação de Franscival Dias Mendes para a Agência Nacional de Transportes Aquaviários

O presidente Michel Temer indicou um primo do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), para a direção da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). Gilmar é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), corte que julga o pedido de cassação da chapa formada por Dilma e Temer nas eleições de 2014. A indicação de Francisval Dias Mendes para a Antaq foi publicada na edição desta terça-feira (14) do Diário Oficial da União. Caberá ao Senado sabatinar Francisval e confirmar sua nomeação.

O primo de Gilmar é mestrando em Direito Regulatório e Responsabilidade Social pela Universidade Ibirapuera, em São Paulo. É também especialista em Direito Processual Civil e do Trabalho e Direito Previdenciário.

Francisval é diretor-ouvidor da Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Mato Grosso (Ager-MT), cargo para o qual foi nomeado pelo então governador Blairo Maggi, hoje ministro da Agricultura de Temer e amigo de Gilmar.

O presidente do TSE se reuniu com Temer, no Palácio do Jaburu, no último domingo (12). O encontro não foi divulgado nas agendas oficiais dos dois. O ministro nega ter conversado sobre o processo que pode cassar o presidente ou sobre a Lava Jato. Segundo ele, a pauta foi exclusivamente a reforma política. Gilmar tem defendido cautela no julgamento do processo de Temer e Dilma, alegando que é preciso analisar as consequências políticas de uma eventual cassação do peemedebista, que chegou ao Planalto após o impeachment da titular da chapa.
Posted: 14 Mar 2017 12:13 PM PDT

O ministro Herman Benjamin, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou que trecho do depoimento do ex-presidente da Construtora Norberto Odebrecht Benedicto Júnior referente à chapa do então candidato tucano à Presidência, senador Aécio Neves (MG), seja "tarjado" nas transcrições que constarão nos autos da ação sobre a chapa de Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB).

Em despacho ao qual o Estado teve acesso, o ministro considerou "lamentável" o vazamento de depoimentos de delatores da Odebrecht no âmbito da ação que apura se a chapa Dilma-Temer cometeu abuso de poder político e econômico para se reeleger em 2014.

A decisão do ministro Herman Benjamin atende ao pedido feito pelo PSDB, que alega que as menções ao partido e à candidatura de Aécio no depoimento de Benedicto Barbosa da Silva Júnior somente se prestaram a "uma indevida exploração política patrocinada junto à imprensa, com a finalidade exclusiva de causar danos à imagem do PSDB, e ao seu presidente, Aécio Neves".
O requerimento do PSDB pedia que também fossem eliminados os trechos do depoimento do ex-presidente da empreiteira Marcelo Odebrecht referentes a Aécio e ao partido, mas a decisão do ministro Herman Benjamin à qual a reportagem teve acesso diz respeito apenas ao teor da oitiva de Benedicto Júnior.

 O Estado publicou que em depoimento prestado ao TSE, Benedicto Júnior afirmou que na campanha de 2014 repassou R$ 9 milhões a políticos do PSDB e do PP e ao marqueteiro tucano a pedido de Aécio Neves - presidente nacional da sigla. Segundo Benedicto, a doação foi feita via caixa 2.

Em seu despacho, o ministro Herman Benjamin escreveu que, "diante da complexidade fática envolvida na presente demanda, é natural que a instrução probatória, até para permitir a compreensão do contexto amplo em que se desenvolveram os eventos ora investigados, resulte na abordagem de questões que não guardem correlação imediata com o objeto desta ação, que é a regularidade da campanha eleitoral de 2014 da chapa Dilma-Temer".

O ministro destacou que as colaborações premiadas de ex-diretores e funcionários da Odebrecht estão sob sigilo, circunstância "peculiar" que justifica "delimitação rigorosa do conteúdo do depoimento ao objeto estrito da demanda". "Ademais, a despeito das reiteradas advertências deste corregedor quanto à necessidade de se preservar o sigilo dos depoimentos em questão, a realidade é que circunstâncias, perguntas e respostas ocorridas durante os atos processuais têm sido divulgadas ipsis litteris, o que, além de lamentável, aumenta a preocupação do juízo em evitar que fatos que extravasem o objeto da demanda sejam transcritos nos autos", ressaltou Benjamin.

"Assim sendo, unicamente em razão de tais excepcionalidades, determino que os trechos do depoimento da testemunha Benedicto Barbosa da Silva Júnior, mencionados no requerimento oral dos representantes, sejam tarjados na transcrição disponibilizada nos autos", concluiu o ministro, em decisão proferida no dia 7 de março.

O TSE já ouviu cerca de 50 testemunhas no âmbito da ação da chapa Dilma/Temer. No caso daqueles depoimentos que não correm sob sigilo, a Corte Eleitoral tem tarjado algumas informações de maneira pontual, como os endereços pessoais das testemunhas.No Estadão

No pedido, o PSDB também solicitou que fossem retiradas as menções a Aécio no depoimento de Marcelo Odebrecht, mas a decisão de Benjamin abrangeu apenas o depoimento de Benedicto.
 Após a repercussão dos depoimentos dos delatores da Odebrecht ao Tribunal Superior Eleitoral que citaram caixa 2 para a chapa Dilma-Temer, em 2014, e também para aliados do presidente do PSDB Aécio Neves, após ele pedir doações, os advogados do PSDB solicitaram ao TSE que retirasse das transcrições dos depoimentos as menções ao tucano e ao seu partido.

Para os advogados do PSDB, responsáveis pela Ação de Investigação Judicial Eleitoral que pede a cassação da chapa Dilma-Temer, os fatos citando o senador mineiro são “impertinentes ao objeto da ação penal” e devem ser “expungidas”. Diante do pedido, o ministro Herman Benjamin, relator da ação na Corte Eleitoral, acatou a solicitação do PSDB e determinou que os trechos do depoimento do ex-executivo da empreiteira Benedicto Junior fossem marcados com uma tarja preta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário