quarta-feira, 15 de março de 2017

16/3 - Altamiro Borges DE 13/3

Altamiro Borges


Posted: 13 Mar 2017 07:14 PM PDT
Por Altamiro Borges

O sinistro Movimento Brasil Livre (MBL), que até hoje não prestou contas de suas fontes de recurso, mobilizou muitos "coxinhas" com o discurso do combate à corrupção. Este falso moralismo serviu para golpear a democracia, retirando do governo uma presidenta eleita democraticamente pelo povo brasileiro e alçando ao poder a quadrilha de corruptos chefiada por Michel Temer. Ele também ajudou a eleger sete vereadores e um prefeito ligados à seita nas eleições do ano passado. Um dos principais líderes das marchas pelo "Fora Dilma", o exótico Fernando Holiday, obteve expressiva votação para a Câmara Municipal de São Paulo. Como vereador, ele segue atraindo os holofotes da mídia com suas propostas racistas e retrógradas. Mas a farsa não dura para sempre. Nesta segunda-feira (13), o portal BuzzFeed postou uma longa reportagem sobre o uso da caixa-2 na campanha do jovem líder do velho DEM. Diante da grave denúncia, fica a pergunta: o "ético" MBL vai expulsar Fernando Holiday?

Segundo a matéria, assinada por Tatiana Farah e Severino Motta, "a campanha do vereador Fernando Holiday (DEM) pagou em dinheiro vivo e não declarou gastos com um grupo de cabos eleitorais na reta final da eleição do ano passado. Holiday é um dos líderes do MBL (Movimento Brasil Livre). O BuzzFeed Brasil obteve as planilhas de pagamento com os nomes e números de documentos das 26 pessoas recrutadas para realizar panfletagem para o então candidato na região da avenida Paulista e da avenida Faria Lima (zona oeste de São Paulo). Ao lado dos nomes, estavam as assinaturas dos cabos eleitorais. Procurado, Fernando Holiday negou irregularidades e disse que todas as despesas de sua campanha à Câmara dos Vereadores de São Paulo foram declaradas à Justiça Eleitoral".

"A reportagem checou a veracidade das planilhas com quatro pessoas cujos nomes e assinaturas estavam nos papéis. Eles confirmaram terem prestado serviço para o candidato e relataram que o pagamento era feito, após cada dia de trabalho, em dinheiro, na praça de alimentação de um shopping na Paulista. Os cabos eleitorais recebiam R$ 60 dentro de um envelope com seus nomes ao final de cada dia de trabalho. Depois, assinavam a lista de presença no papel. Os panfleteiros são jovens que, à época, estavam desempregados. Todos os ouvidos pelo BuzzFeed Brasil relataram a mesma história e disseram ter sido coordenados por uma mulher chamada Tatiane".

"Ela é Tatiane Carvalho, estudante que aparece em fotos ao lado de Holiday e de outro líder do MBL, Kim Kataguiri. Ela era uma das administradoras da página de Holiday no Facebook. A reportagem teve acesso a dois áudios de WhatsApp em que Tatiane relata como está sendo feito o trabalho de panfletagem de sua equipe à coordenação de campanha. Em um dos áudios, a jovem ativista ligada ao MBL relata que sobrou dinheiro porque dois cabos eleitorais não apareceram para trabalhar e que vai pagar um extra aos demais para estenderem o trabalho por uma hora. Em outro, Tatiane afirma que o trabalho de sua equipe é mais sofisticado do que o fornecido pela Classe A – empresa que aparece na prestação de contas do candidato à Justiça Eleitoral como responsável pela distribuição de panfletos".

Questionado pelo BuzzFeed, Fernando Holiday negou qualquer irregularidade eleitoral. A assessoria de imprensa do vereador enviou a seguinte nota ao portal: "Conforme exige a legislação vigente, a prestação de contas da campanha foi entregue e aprovada pela Justiça Eleitoral e pode ser consultada publicamente. O mandato do vereador Fernando Holiday não é pautado por boataria, rumores ou inúmeros ataques que sofremos todos os dias. Portanto, não havendo qualquer acusação formal, tendo em vista a aprovação das contas; especulações desta natureza são apenas mais uma tentativa de atrapalhar o mandato combativo que o jovem vereador vem realizando". 

O sinistro Movimento Brasil Livre adora espalhar mentiras pelas redes sociais e destruir reputações - como comprovou recente matéria do insuspeito jornalista Gilberto Dimenstein. Agora, o MBL virou alvo de uma grave acusação de crime eleitoral e tenta se apresentar com vítima. Como diz o ditado, pimenta nos olhos dos outros é refresco!

*****

Leia também:

Vereador do MBL é um capitão do mato

A 'Folha' e a canalhice digital do MBL

A mídia e o vereador anticotista Holiday

Vereador do MBL já é alvo de inquérito

A meritocracia do vereador do MBL

MBL elegeu oito de seus 45 candidatos

Os fascistas mirins se deram bem!

Kim Kataguiri, o traíra mentiroso!

Fascistas do MBL tumultuam Câmara de SP

Fascista do MBL será denunciado por crime

Milícia fascista do MBL ataca nas escolas

O “apartidarismo de direita” do MBL

Quem pagou o congresso micado do MBL?
Posted: 13 Mar 2017 07:12 PM PDT
Por Altamiro Borges

A coluna Radar Online, a mais corrosiva da panfletária revista 'Veja', postou nesta segunda-feira (13) uma nota inflamável intitulada "Aécio foi para as cabeças da lista de enrolados". Segundo a matéria, assinada por Gabriel Mascarenhas, o presidente do PSDB "é alvo de torpedos lançados pela delação da Odebrecht. A análise é de uma figura que teve acesso irrestrito aos depoimentos prestados por Marcelo Odebrecht & Cia: de 0 a 10, Aécio Neves ocupa a escala 9 de enrolados na delação da Odebrecht. Aliás, um personagem ligadíssimo ao senador mineiro, Dimas Toledo, indicou uma conta no exterior para que a companhia fizesse depósitos, de acordo com um delator".

Partindo de uma revista totalmente comprometida com o "golpe dos corruptos", que alçou ao governo Michel Temer e seus aliados - com destaque para o grão-tucano -, a nota é bombástica e emblemática. Ela pode indicar que finalmente a 'Veja' decidiu entregar de bandeja a "cabeça" do cambaleante Aécio Neves - o que ajudaria a precipitar a posição de outros veículos da chamada grande imprensa. Até agora a mídia golpista ainda tentava abafar as denúncias contra o falso moralista do PSDB. Sua única obsessão, quase doentia, era contra o 'lulopetismo', como sempre realçou a revista da famiglia Civita.

Mas todos sabiam, inclusive seus colunistas mais tapados, que Aécio Neves é o recordista de citações nas 'delações premiadas' dos executivos de empreiteiras que assaltaram os cofres públicos em conluio com agentes públicos. No próprio vazamento anterior da Odebrecht, ele já aparecia com o sugestivo apelido de "Mineirinho". Neste período, porém, o seletivo e arbitrário Sergio Moro, chefão da Lava-Jato, nada fez para investigar o senador tucano. Pelo contrário. Ele trocou afagos com o cambaleante, como registrou a patética foto da festança da revista "QuantoÉ". Será que agora, quando a direitista 'Veja' entrega de bandeja a cabeça de Aécio Neves, o "justiceiro" mudará de postura? Duvido!

*****

Leia também:

Aécio Neves finalmente “será comido”?

Aécio Neves anda sumido. Virou pó?

Quem ainda confia em Aécio Neves?

Aécio Neves fugiu do bafômetro na TV?

Aécio Neves nega propina... e bafômetro

Janot, Aécio e a conta em Liechtenstein

Aécio pagará os 124 voos para o RJ?

As viagens de Huck e Civita no AeroAécio

Aécio: "o primeiro a ser comido" no Senado

Cabral e Aécio: por que só um está preso?

Lula, Aécio e a farsa da Lava-Jato

Por que a Lava-Jato não investiga Aécio?

Aécio é uma tremenda fraude da mídia

Nenhum comentário:

Postar um comentário