sábado, 18 de março de 2017

18/3 - Famosos Que Partiram

Famosos Que Partiram


Posted: 17 Mar 2017 02:32 PM PDT
FAUSTO DOS SANTOS
(34 anos)
Jogador de Futebol

☼ Codó, MA (28/01/1905)
┼ Santos Dumont, MG (28/03/1939)

Fausto dos Santos, conhecido por Maravilha Negra, foi um jogador de futebol nascido em Codó, MA, no dia 28/01/1905. Fausto dos Santos era um volante de muita disposição, grande técnica, habilidade e chute razoavelmente forte, que liderava o meio de campo de sua equipe com muita elegância e tinha precisão no toque de bola.

Fausto dos Santos teve uma infância difícil, por força da miséria no Nordeste brasileiro. Sua mãe, Dona Rosa, queria um futuro melhor para o filho, coisa que dificilmente teria no interior maranhense. Por isso foi com a família tentar a sorte no Rio de Janeiro, então a capital e maior cidade do Brasil.

Naqueles áureos tempos em que os campos de futebol se espalhavam por todos os cantos da cidade, Fausto dos Santos encontrou sua vocação, ao manter uma relação íntima com a bola. Ele a chamava de tu e ela o obedecia em todos os malabarismos que fazia, caindo sempre aos seus pés, como se uma escrava fosse. Era aquilo que hoje chamamos de domínio da bola.

Em 1926, aos 21 anos, Fausto dos Santos, alto e magro, aparecia jogando como titular da equipe do Bangu Atlético Clube, atuando de meia atacante e mostrando sinais evidentes de que se tratava de um verdadeiro craque. Era bonito vê-lo tocar na bola, dar a matada no peito, driblar, fazer ginga, no desarme e na preparação do gol. Todas essas qualidades encantaram a Henry Welfare, um inglês radicado no Brasil e técnico do Clube de Regatas Vasco da Gama.

Nos campeonatos cariocas de 1926 e 1927, Fausto dos Santos mostrava que era bom de bola, porém era mais conhecido pela sua vida boêmia.

Tinoco, um de seus muitos amigos de jornadas noturnas, jogava no Vasco da Gama e sempre insistia para Fausto dos Santos vestir a camisa do Vasco. Os principais argumentos eram que no Vasco ele ganharia fama e que Bangu era muito distante. 

Em 1928, Fausto dos Santos cedeu aos apelos dos companheiros e se transferiu para o Vasco. Era o destino natural. O Vasco era um clube que procurava ascender, ao mesmo tempo combatendo uma odiosa, porém disfarçada, discriminação racial. Construíra, em 1927, o maior estádio do Brasil, o fantástico São Januário. Contratara para treinador o britânico Harry Welfare. O Vasco crescia e Fausto dos Santos crescia também, à sua maneira.

Em 1929, a equipe do Vasco, formada por jogadores do naipe de Brilhante, ItáliaFausto dos Santos, Santana e Russinho, foi uma das melhores de sua história. Com apenas uma derrota, o esquadrão de São Januário terminou o campeonato empatado com o América, que, tendo conservado a base de 1928, foi um adversário difícil. Pela primeira vez o título de campeão carioca teria que ser decidido numa melhor de três.

A primeira partida, disputada nas Laranjeiras, foi equilibrada e terminou com um empate em branco. Mas o América levou azar, já que Osvaldinho chutou um pênalti na trave. No segundo jogo, ainda nas Laranjeiras, deu outro empate, 1x1, com gols de Russinho para o Vasco, e do inevitável Osvaldinho para o América. A finalíssima, ainda no campo do Fluminense, foi sensacional. Mexendo com os nervos da torcida, o jogo bateu todos os recordes de público da época, proporcionando a assombrosa renda de 130 contos de réis. Com 3 gols do centroavante Russinho, um de Mário Mattos e outro de Santana, o Vasco aplicou um memorável 5x0 no time rubro, sagrando-se campeão.

No seu ótimo livro "O Negro No Futebol Brasileiro", o jornalista Mário Filho revela o temperamento e a importância do Maravilha Negra em São Januário:

"Fausto falava pouco, ia guardando o que tinha de dizer, de repente explodia, lá vinha tudo. Vingava-se dando gritos no vestiário, dando pontapés no campo.
Pouco antes do time entrar em campo, Harry Welfare reunia os jogadores. Era o momento das instruções… Welfare nem se atrevia a dizer 'faça isso ou aquilo'. Se Fausto brigasse com ele, com quem quer que fosse no Vasco, o Vasco ficaria com Fausto. Quanto mais jogava, mais força tinha dentro do Vasco. Entreva em São Januário de chapéu no alto da cabeça, o paletó desabotoado, a camisa sem um botão, deixando aparecer um pedaço da barriga preta. E olhava para todo mundo de cara amarrada, para ver se alguém não gostava…
Fausto, se estava doente, nem se queixava, bom ou doente tinha de entrar em campo. Também o jogador que estivesse na frente tratasse de tirar o corpo fora. Fausto não conversava, metia logo o pé. Vinha uma bola alta, ele levantava a perna como uma bailarina, as travas da chuteira dele passavam raspando pela cara do jogador do outro time. A bola era de Fausto, não era de mais ninguém.
Pena que Fausto fosse assim, um revoltado. Se não seria o maior center-half brasileiro de todos os tempos.
Welfare não se lembrava de nenhum center-half que tomasse conta de um campo como Fausto. Fausto ficava no grande círculo, as bolas vinham direitinho para onde ele estava. Parecia que ele atraía a bola. Não precisava entrar de sola, tomar a bola à valentona, ameaçando todo mundo…"
("O Negro No Futebol Brasileiro", Mario Filho - trechos das páginas 171 e 173)


"O ano de 1930 vai encontrar Fausto dos Santos como um jogador muito popular, ídolo entre os vascaínos, adorado pelas mulheres que frequentavam os cabarés. Já havia sido selecionado para alguns jogos das Seleções Carioca e Brasileira.
Era ano de Copa do Mundo - a primeira - e os cartolas, para variar, não chegavam a um acordo, perdidos no bairrismo que opunha cariocas e paulistas. Resultado: saiu do Brasil uma Seleção formada por jogadores vinculados ao futebol do Rio de Janeiro, exceção de Araken Patusca, que pegou o navio em Santos, pois estava brigado com seu clube, o Santos."
(Revista Placar Especial Vasco -  Abril, 1979)

Fausto dos Santos seguiu com a delegação brasileira e, na capital uruguaia, atuou contra a Iugoslávia e a Bolívia. Suas duas notáveis exibições extasiaram a crônica esportiva e o público uruguaios. Os jornais estampavam manchetes, referindo-se a Fausto dos Santos como a "Maravilha Negra".

Na estréia na Copa do Uruguai, o Brasil perdeu para a Iugoslávia por 2x1 e venceu a Bolívia por 4x0. Porém, a vitória iugoslava diante dos bolivianos por 4x0 tirou o Brasil do mundial. Apesar da eliminação brasileira, o futebol de Fausto dos Santos estava consagrado.

A Copa transformou Fausto dos Santos numa espécie de deus para os vascaínos. A partir daí, era figura obrigatória nos noticiários dos jornais, nos bares da Lapa, nas rodas de boemia da cidade.

Em 05/09/1931, na véspera de uma partida contra o Uruguai, no campo do Fluminense, pela Copa Rio Branco, Fausto dos Santos recebeu do próprio médico da Confederação Brasileira de Desportos (CBD) a notícia de que não jogaria. Uma forte gripe o deixara de cama por vários dias no dormitório de São Januário. Eram os primeiros sintomas da tuberculose. A vida boêmia deixava suas marcas.

"Sofria a discriminação, revoltava-se, explodia, dentro e fora de campo. Faltava a jogos - ou estava gripado ou expulso, punido pela Liga.
Em 1931, o Vasco foi o primeiro clube carioca a excursionar pela Europa. No primeiro jogo, o Vasco perdeu para o Barcelona por 3x2, mas Fausto dos Santos ganhou imensa popularidade. E o prestígio subiu, no dia seguinte, na revanche, quando o Vasco venceu por 2x1.
Pronto, Fausto dos Santos tinha conquistado a Espanha. La Maravilha Negra passava a ser também uma definição espanhola.
Da Espanha, o Vasco foi para Portugal. Oito jogos, seis vitórias, um empate e uma derrota."
(Revista Placar Especial Vasco - Abril, 1979)

O Vasco encantou plateias europeias, deu show de bola e voltou sem dois de seus principais jogadores: O goleiro Jaguaré e Fausto dos Santos. Eles não resistiram ao encanto das pesetas espanholas e assinaram contrato com o Barcelona.

Fausto dos Santos e Jaguaré foram alvos de críticas ofensivas por parte da imprensa. A resposta dos dois eram suas atuações que se transformavam em grandes vitórias para o Barcelona.

Pelo clube espanhol, o negro brasileiro foi a Paris e recebeu do jornal France Football este elogio:

"Ele faz com espantosa facilidade o que outros fariam com um esforço sobre-humano. Fausto, com seu futebol maravilhoso, veio ensinar à Europa como deve jogar um center-half."

Mas já era um homem doente. Seu estado se agravava a cada noitada, a cada esforço que fazia em campo. Com o Barcelona, foi campeão da Cataluña. Mas a derrota ante um clube húngaro apressou sua saída da Espanha. Foi para o Young Fellows, da Suíça. Ficou pouco, apenas dois meses. Em 1934, mais magro, sem vintém, estava de volta ao Vasco. Pagaram 7 contos por seu passe.

Apesar de tudo, Fausto dos Santos ainda era ídolo, e a torcida prestigiou o Vasco, que voltou a ser Campeão Carioca - pela Liga Carioca de Futebol -, com um super time: Rei, Domingos da Guia e Itália, Gringo, Fausto e Mola, Orlando, AlmirLeônidas da Silva, Nena e D’Alessandro.

Por ser profissional e, portanto, não filiado à Confederação Brasileira de Desportos (CBD), que na época defendia o amadorismo, Fausto dos Santos não pôde ir à Copa do Mundo na Itália, em 1934. Mas em 1935, com a mudança de mentalidade, ele estava de volta às seleções Carioca e Brasileira.

Ainda em 1935, o Nacional de Montividéu o contratou. No Uruguai não teve o mesmo brilho de antes, sendo expulso de campo em quase todos os jogos. Com a saúde bastante abalada o craque brasileiro não conseguia mais correr os dois tempos de uma partida e por isso voltou ao Brasil, em 1936, para jogar no Flamengo.

No Flamengo teve o azar de se deparar com o técnico húngaro Dori Kruschner, fã do sistema WM que consistia de 3 beques, 2 médios, 2 meias e 3 atacantes e um rígido treinamento físico, até então inédito no país. Fausto dos Santos já não tinha gás, por isso o técnico o escalou na zaga. Fausto dos Santos não gostou e pediu rescisão do contrato, que lhe foi negada no clube e na Justiça.

Em 1938, porém, vendo-se sem chance e humilhado, Fausto dos Santos se retratou em carta exaltando o trabalho de Dori Kruschner. O Maravilha Negra ainda voltou a jogar com o aparente talento de sempre e foi até cogitado para a Seleção Brasileira que iria à Copa do Mundo, disputada na França, em 1938. Mas a velha e cruel gripe, cheia de tosse, veio abatê-lo novamente.

Morte

Uma tarde, após jogar entre os aspirantes do Flamengo, sentiu-se mal e teve hemoptise. Quando quis retornar aos treinos, em 1939, os médicos o enviaram a um sanatório na cidade de Palmira, hoje Santos Dumont, no Estado de Minas Gerais, sem muita esperança de curá-lo da tuberculose.

Sob os cuidados da Irmã Catarina, abnegada freira que lhe incutiu a fé cristã através de doutrinação oral e de um livro emprestado, Fausto dos Santos que viera do Rio de Janeiro viveu seus últimos momentos.

Ao início da noite do dia 28/03/1939, depois de arder em uma febre de graus elevados, com a respiração sôfrega e os pulmões corroídos, Fausto dos Santos, aos 34 anos de idade deu seu último suspiro, vítima de tuberculose.

E por lá mesmo Fausto dos Santos foi enterrado sem grandes pompas em cova rasa, cravada por uma tosca cruz de madeira, sem nome nem data.

Fausto dos Santos morreu tendo conquistado 2 títulos cariocas para o Vasco, em 1929 e em 1934 e marcando seu nome como um dos maiores jogadores de futebol de todos os tempos. Morreu na miséria, um fim triste para um jogador que, menos de uma década antes, encantou o mundo.

Títulos
  • 1929 - Campeonato Carioca
  • 1931 - Copa Cataluña
  • 1932 - Copa Cataluña
  • 1934 - Campeonato Carioca

Itália e Fausto dos Santos
Premiações
  • 1931 - Jogador do Ano: Melhor jogador do Vasco.
  • 1933 - Jogador do Ano: Melhor jogador do Vasco.


Indicação: Miguel Sampaio

Nenhum comentário:

Postar um comentário