quarta-feira, 22 de março de 2017

22/3 - Liquidar universidade é um crime

Opinião

22 DE MARÇO DE 2017

Bom dia, leitor. Tratamos, no primeiro editorial, de tema tão intrincado quanto importante: acordos de leniência, o mesmo que acordos de delação premiada, mas feito com empresas, acertados por empreiteiras com o Ministério Público. Há empregos em jogo. Já o articulista Elio Gaspari critica a atuação do ministro Blairo Maggi e do setor de frigoríficos na crise da Carne Fraca. 

ALUIZIO MARANHÃO, EDITOR DE OPINIÃO

Preservação das empresas

Embora acertados por empreiteiras com o Ministério Público, os acordos de leniência não têm sido aceitos. O resultado é que as empresas que colaboram na Lava-Jato não podem obter crédito público e voltar ao mercado, afirma editorial. Mas, hoje, sessão do TCU pode afastar o perigo.

Estado do Rio teve tempo

No segundo editorial, abordamos a vacinação em massa contra a febre amarela no Rio, que começa sábado. E alertamos para os desafios que o estado terá para vacinar 12 milhões de pessoas, embora autoridades tenham tido tempo para se preparar.

Blairo Maggi sabe tudo

Para Elio Gaspari, a Operação Carne Fraca, da PF, começou de forma amadorística, mas isso não convida o ministro Blairo Maggi e empresários do agronegócio à arrogância. Mais do que casos pontuais, a investigação revela esquemas.

Alguém disse 'não'

Na mesma linha, Zuenir Ventura afirma que, apesar da espetacularização do caso da carne pela PF, o importante é investigar a relação promíscua entre fiscais e fiscalizados. Ele também elogia a coragem do auditor que denunciou o caso.

Liquidar universidade é um crime

Roberto DaMatta aproveita a homenagem recebida na Uenf para expressar sua preocupação com a ameaça de fechamento da universidade, referência no Norte Fluminense. É um crime contra a juventude, diz. 

Verissimo versus Chicago

O economista Rubem de Freitas Novaes rebate artigo de Verissimo que sugere uma ligação entre a “Escola das Américas”, em que militares americanos assessoravam ditaduras no continente, e a Escola de Economia de Chicago.

Nenhum comentário:

Postar um comentário