sexta-feira, 24 de março de 2017

24/3 - PT e democracia brasileira estão devendo

FONTE:Castor Filho <castorphoto@gmail.com>
PT e democracia brasileira estão devendo
[orig. Russiagate and the Democratic Party are for Chumps]
22/3/2017, Paul Street,
Counterpunch (traduzido e anotado)

Entreouvido na Vila Vudu:

Ninguém precisa concordar com tudo q aí se lê, nem sobre o Rússia-gate (noticiário falso e escândalo contra Trump), nem sobre o PT-gate (noticiário falso e escândalo contra os governos Lula-Dilma).

Mas a reflexão aí proposta, difícil que seja, é indispensável: POR QUE, diabos, os governos do PT tanto insistem nas questões liberais e tanto fogem espavoridos das grandes questões que foram desde sempre e ainda são a vida e o sangue da esquerda em todo o mundo? Por que não fizemos a reforma agrária? Porque teríamos sido derrubados? Ora bolas! Fomos derrubados agora, provavelmente também PORQUE NÃO FIZEMOS (a reforma agrária). Por que não demos uns trancos bem dados nos monopólios de mídia? Por que o PT vive e pensa como se a luta de classes fosse assunto tabu?!

Se não pensarmos nisso nessa hora macabra em que pela segunda vez na vida de uma geração os brasileiros perdemos tudo... Pensaremos quando?!

Também a considerar muito seriamente: se uma gangue parlamentar corrupta até a medula mas eleita (pela 'mídia'-empresa, mas mesmo assim formalmente eleita), derrubou em meia hora décadas de uma poucas e reles conquistas dos governos populares no Brasil, de Vargas a Lula-Dilma [1930-2017]... está provado que nossas conquistas AINDA NÃO ESTAVAM devidamente protegidas nem depois de quase 90 anos de luta. Não há como fugir disso. E basta isso para demonstrar que as vias liberais supostas progressistas à moda PT [1986-2017] são fracas demais e não protegem efetivamente o povo trabalhador (não que seja novidade... Mas PT e petistas, Rede, PSOL, PSTU não sabem nem disso?!).
_________________________________________________

O showman dos horrores de cabelo cor-de-laranja que é Donald Trump [ou de cabelos grisalhos grudados ou inexistentes que são Temer e/ou Renan e/ou AdeMô] tem de ser varrido da Casa Branca [ou de Brasília] e mandado apodrecer em calabouço imundo infestado de ratos com pena de Prisão Perpétua Sem Twitter. E o mesmo vale para o resto do governo-gangue racista, ecocida, arquiplutocrático e chocantemente evangélico-fascista deles todos. Devem ser forçados a trabalhar de sol a sol num campo de produção de painéis solares no deserto do Arizona [ou na caatinga de Glauber Rocha].

Mas Trump e sua equipe [Temer & gangue] devem ser defenestrados por quais crimes e para qual alto propósito? Para pôr no poder outro subdemocrata tipo Bill Clinton, Hillary Clinton ou Barack Obama [ou Dilma-Lula-FHC]? Deus nos livre! Claro que não! Chegamos a esse horrendo momento Trump [e Temer & gangue] por causa da ideologia neoliberal do 'livre mercado', que os Democratas (e Petistas) sempre exatamente igual ao que dizem (e com muito mais sucesso que) os Democratas (à moda Fernando Henrique Cardoso e Meirelles Parentes), ao longo de toda a última geração e mais.

O poder econômico há muito tempo converteu o Partido Democrata (e o PT) em poodle sem serventia democrática das grandes instituições financeiras, grandes multinacionais e do vasto império militar [e de espionagem] que são os EUA [
Moro não existiria, se não fosse instrumento acéfalo da CIA]. Tudo isso deprime e desmobiliza grande parte dos pobres e da cidadania (ou ex-cidadania, ou já subcidadania, ou já des-cidadania) trabalhadora/classe trabalhadora, convertendo milhões em não eleitores [nos EUA; ou em eleitores tangidos como gado pela Rede Globo & 'mídia' canalha adjunta, no Brasil desde a 'redemocratização' à moda Sarney (só rindo)], ou em eleitores do Partido Republicano mais direitista, branco-nacionalista que a história jamais vira [ou em eleitores da mais sórdida gangue de 'pastores' evangélicos multimilionários que desgraçam o Brasil e tomaram de assalto o Congresso Nacional e, pela via indireta, também tomaram o STF, evento infelizmente tradicional, no Brasil].

Simultaneamente, a doutrina neoliberal reinante partilhada por Democratas e Republicanos [e, no Brasil, por tucanos e petistas] – "duas asas do mesmo abutre" (Upton Sinclair, 1904) – roubou do governo norte-americano [e brasileiro e até russo, mas não do governo chinês] sua capacidade e vontade política para executar bem qualquer função social e democrática positiva.

O neoliberalismo mata por fome e desnutrição o que o sociólogo francês
Pierre Bourdieu chamou de "a mão esquerda do Estado" –, as partes do setor público que atendem às necessidades sociais e democráticas da maioria não afluente. Ao mesmo tempo, alimenta a "mão direita do Estado", regressiva e repressiva, as partes do governo que distribuem poder e riqueza sempre para cima da pirâmide, ao mesmo tempo em que castigam as classes trabalhadoras e todos que resistam contra as ditaduras não eleitas e interconectadas do dinheiro e do império.

É processo mortal de numerosos níveis. Quanto menos a classe governante confia na luva de veludo do bem-estar estatista de cooptação para manter a hierarquia, mais ela confia na mão de ferro e repressão bruta da polícia do Estado. Com governo-Estado famigerado, quando se trata de só atender às necessidades dos poucos mais ricos sobretudo, o caminho está escancarado para que qualquer demagogo se aproprie dos ressentimentos populares e entre em cena, a clamar que ele, e só ele, pode corrigir todos os problemas do país e torná-lo "grande outra vez" [ou "mais justo", como prometeram – mas não cumpriram – os petistas no Brasil]."

Quando as instituições burguesas e as elites liberais "normais" são vistas (muitas vezes muito acertadamente) como igualmente patéticas e nefandas, o vácuo aspira para dentro da cena política qualquer manipulador populista carismático [seja um FHC, pelo lado das
'elites' subalternas e "de segunda mão"; seja um Lula, pelo lado dos sindicatos, ontem oficialmente assassinados no Brasil; seja um Alexandre de Moraes, pelo lado dos 'professores de Direito' da USP cum plágio]. Ali, o nefando encontra seu nicho para prometer qualquer restauração de perdidas grandezas nacionais ou de 'melhores tempos'.

Foi o gambito de Hitler na Alemanha nos anos 1930s. É uma das grandes cartas-trunfos [ing. trump] com que contou Herr Donald ano passado. [No Brasil, sempre de segunda mão, os 'atores' são insignificantes, pateticamente ocos e risíveis demais – Maias, Têmeres, AdeMôs, GilmarMendes, RosasWebers, CarmensLúcias, Renans, Cerras, Aluísios... –, para serem comparados a Hitler; no máximo, são alguma espécie de
besouro rola-bosta com dentadura de titânio, que até Hitler descartaria, não por 'bons', mas por só prestáveis para protegerem, cada um, o próprio patrimônio mal havido].

Agora, Trump e os 34 governadores Republicanos nos EUA puseram-se a aplicar os sempre crescentes poderes do estado-polícia, contra uma nação cuja população perdeu a fé em praticamente todas as grandes instituições dos EUA, exceto duas: o exército e a polícia. [No Brasil, a população só tem fé em 'pastor' de igreja&talão de cheque e na Leilane Neubarth lendo 'sentenças' de RWebers nos noticiosos do meio-dia]. EUA são hoje estado policial militarizado que os Democratas ajudaram a criar. [O Brasil é hoje estado jornalisticamente imbecilizado, que o PT ajudou a criar – na medida que não impediu que prosperasse].

Nesse ponto, sempre acontece de um "Democrata progressista" [ou "petista pelos mais pobres"] entrar em cena e 'esclarecer' que não precisa ser sempre assim, porque o Partido Democrata [no Brasil, o PT] pode ser orientado para uma direção eleitoralmente vencedora social-democrática de esquerda. Ouço os democratas [e petistas] a repetir isso desde que nasci para a vida política consciente. É tolice. É fantasia ingênua e desesperadamente frustrante.

Os progressistas com inclinação à esquerda são há muito tempo objeto do mais desdenhoso desprezo que lhes dedicam as elites do Partido Democrata [não poderia ser mais verdadeiro, dito também dos progressistas com inclinação à esquerda e furiosamente detestados pelas elites do PT – haja vista o destino do ministro José Dirceu, sem o qual o PT não existiria, mas que os petistas esqueceram numa cela da neoditadura dos 'éticos', onde o gigante Dirceu está morrendo longe das vistas do próprio PT que o traiu e abandonou].

Escrevo
sobre isso há anos – sobre Democratas [e petistas no Brasil são exatamente a mesma coisa] que compreendem muito bem que seu primeiro serviço, antes e acima de todos os demais, é impedir que surja oposição de esquerda realmente séria e ela chegue a posições no Estado das quais possa controlar o poder da classe governante nos EUA [no Brasil... nem se fala! E aqui ainda piora: não só os petistas locais, mas também os Democratas norte-americanos trabalham na direção de impedir que a 'oposição' brasileira dê um passo além da crítica 'ética']. O principal dever do Partido da Oposição Não Autêntica, POnA [ing. Inauthentic Opposition Party, IOP] (como o falecido cientista social e homem de esquerda Sheldon Wolin chamava os Democratas-EUA) é manter a verdadeira resistência popular, bem distante dos Parlamentos.

Esse desprezo ativado contra a esquerda mantém-se intacto até hoje, e absolutamente não arrefeceu ante o colapso eleitoral dos Democratas neoliberais [deve-se prever portanto que tampouco arrefeça ante a fragorosa derrota que o PT acaba de sofrer no Brasil-2017].

Até o doce progressismo levemente social-democrata do
"socialista" pró-guerra Bernie Sanders [no Brasil, o doce progressismo levemente social-democrata de Lula e Dilma] tem de ser marginalizado a qualquer custo, no que diga respeito às cúpulas dos Democratas [e do PT]. Mas... e se o tipo de progressismo de Sanders for uma via para fazer reviver e novamente levar à vitória um partido [os Democratas, nos EUA; o PT, no Brasil] que se tornou ainda mais impopular que os universalmente execrados Republicanos e Trump? Como Trevor Trimm do Guardian escreveu recentemente:

"Se se consideram os números, Bernie Sanders é o político mais popular nos EUA – com ampla vantagem. Mesmo assim, bizarramente [itálicos meus], o Partido Democrata – expulso do poder em todo o país e cada dia mais irrelevante [não pode ser mais verdadeiro também para o PT] – ainda se recusa a acolhê-lo e a acolher sua mensagem (...) [Em vez disso] a ala establishment do partido continua a resistir contra ele praticamente todos os dias, e não largam mão da ideia de que não precisa(ria)m mudar de atitude para recuperar o apoio de vastas porções do eleitorado em todo o país (...)

Essa semana, Politico publicou matéria sobre reação de Democratas ante o fato de que apoiadores de Sanders podem fazer gorar todos os esforços deles para retomar o governo nos estados do sul; aqueles Democratas sugeriam insistentemente que seus candidatos abraçassem as políticas populistas de Sanders – dado que obviamente Sanders dá-se muito bem também em alguns daqueles estados [itálicos meus]
.

(...) A ala establishment do partido agressivamente indicou candidato próprio para concorrer contra Keith Ellison, indicado por Sanders para dirigir o Comitê Nacional Democrata, aparentemente com o objetivo básico de manter o partido bem longe da influência de Sanders (...). Recusaram-se firmemente a assumir a causa das grandes corporações nas aparições na esfera pública e aprovarão para esse ano uma regra da era Obama que excluiu dinheiro dos lobbys do financiamento do Comitê Nacional Democrata, rescindida ano passado. E apesar da grande popularidade que o governo alcançou com garantir atenção à saúde para todos, ainda não fizeram qualquer movimento a favor de um plano de Medicare-para-todos, que Sanders cobra há muito tempo, como reação contra o movimento dos Republicanos para desmantelar o Obamacare" (todos os itálicos são meus).

Sim, mas... o que haveria de "bizarro" nisso? A recusa dos Democratas a tomar a trilha de Sanders só parece doida e estúpida se você pensa que o principal trabalho do Partido Democrata fosse vencer eleições e promover avanços sociais e melhor democracia... Nada mais idiota. A tarefa mais urgente Partido da Oposição Não Autêntica, POnA, é servir ao poder financeiro-corporativo, o que significa manter longe do poder até os social-democratas de salão como Sanders, o defensor do Jato F35 Fighter [e Lula e Dilma].

Que ninguém se engane: a liderança do Partido Democrata sempre preferiu que
"a belicista neoliberal e mentirosa" Hillary Clinton derrotasse Sanders (mesmo que pelas vias mais imundas) e depois fosse derrotada por Trump, a qualquer cenário no qual Sanders derrotasse Hillary e depois atropelasse Trump (como todas as pesquisas importantes já indicavam que aconteceria) [Aqui se deve considerar uma diferença importante: é possível que a cúpula do PT ainda prefira Lula, a Dilma (e claro que prefere Lula ou Dilma, a Dirceu). E, dado que dificilmente o PT conseguirá construir melhor pensamento e programa 'puros' (?!), tb é possível que o PT aceite uma chapa Ciro Gomes & Lula. Mas é cedo para previsões).]

Claro que os Democratas reinantes sabem que eles e o sistema que representam têm interesse em que o partido deles conserve alguma importância eleitoral e se distancie do patético status que tem hoje. Sem querer abraçar a "revolução" excessivamente 'esquerdista' (para eles e para o big money que lhes dá suporte) de Sanders, os Democratas reinantes supõem que possam desestabilizar a besta de cabelos cor-de-laranja com, simplesmente, atá-lo ao Kremlin, com acusações enlouquecidas, baseadas em matérias vagas de vago jornalismo, vindas das mais nebulosas fontes "na inteligência". E sonham que essas duvidosas missivas anti-Trump, vindas da inteligência e da mídia-empresa liberal, possam "servir de combustível (...) para um frenesi russo" (...) o qual, nas palavras de Masha Gessen, "crie uma nuvem de suspeitas suficientemente escura em torno de Trump, para que o Congresso consiga mobilizar vontade e 'provas' para derrubá-lo por impeachment" [nada poderia ser mais precisamente idêntico ao que já foi feito, com muito sucesso, no Brasil, pelo e para o 'governo' bandido local dos Têmeres].

Mas é provável que o verdadeiro truque de cartas russas seja aplicado, não contra Trump, mas contra os progressistas e liberais. Não há chance de as acusações russas destronarem Trumpenstein. Como Gessen escreveu recentemente na
New York Review of Books, "Ele sacrificará mais gente sua, como já sacrificou Flynn, se novos vazamentos o desacreditarem. As investigações devem arrastar-se por meses, deslocando outras questões, muito mais urgentes. No fim, os Republicanos do Congresso concluirão que seus eleitores não dão tanta importância aos laços russos de Trump, a ponto de aceitarem que o presidente Republicano seja derrubado por impeachment".[No Brasil, a carta moralista metida a 'ética' e a doença liberal 'antikurrupção-de-uns', nunca 'antikurrupção-de-todos', inflada pela mídia e pela paranoia fundamentalista pervertida dos Moros e Dallanhóis e seus corruptos associados plus CIA e embaixada dos EUA, funcionou muito bem.]

Ainda que os Democratas venham a conseguir derrubar Trump com o complô 'russo', só o farão se pagarem pesado preço em decência e dignidade democráticas. [No Brasil, derrubaram presidenta eleita, e ninguém jamais se preocupou com "preço em decência e dignidade democráticas". Aliás... QUE decência? QUE dignidade democráticas?].

[Nos EUA] Terão fixado um novo perigoso precedente, de interferência ativa da comunidade de inteligência (a CIA) na política doméstica nos EUA [No Brasil, já fixaram o perigoso precedente, de interferência ativa de um juizeco subalterno de Curitiba; de outros zecos-procuradores de Curitiba; e até de zecos-policiais federais... na política doméstica do Brasil. Nem por isso algum ético-aí deu sinais de qquer preocupação...].

E [nos EUA] terão metido o pé ainda mais fundo nos perigosos pântanos de notícias falsas e 'fatos alternativos' [No Brasil, lá vivemos, afundados até o pescoço, comendo merda em forma de notícias falsas e 'fatos alternativos', a cada marolinha 'midiática' no supracitado pântano].

Mas o preço mais alto que a democracia paga, por esse Rússia-gate [também pelo PT-gate] já está sendo cobrado. A Loucura Anti-Rússia [no Brasil, a Loucura Anti-PT] foca a atenção dos cidadãos em algo que Trump não é, ferramenta nas mãos do Kremlin; mas não no que ele realmente é: racista arquiplutocrata pré-fascista e sexista e super militarista inimigo das maiorias – dos pobres e da classe trabalhadora. Gessen reflete sobre o que chama de "a armadilha da conspiração russa" [equivale, no Brasil, à "armadilha da conspiração dos corruptos éticos e/ou dos éticos sem luta de classes"]:

"…as acusações [de complô com a Rússia provavelmente]não derrubarão Trump. Enquanto a Rússia [Moro? os 'procuradores' pastores evangélicos pirados?] continuam a dominar as páginas dos jornais, Trump continuará a fazer guerra aos imigrantes, cortar orçamento de tudo que não sejam os militares, construindo seu gabinete de deploráveis (...) para levar a efeito o que Steve Bannon chama de "desconstrução do estado administrativo". (...) Em seu primeiro discurso como Advogado Geral [Jeff Sessions] prometeu cortar a aplicação de direitos civis e já havia abandonado um caso do Departamento de Justiça contra uma lei discriminatória, sobre ID para eleitores no Texas. Mas só a mentira dele sobre "Rússia" chegou e plantou-se nas grandes manchetes (...).

Imaginem se o mesmo tipo de atenção pudesse ser treinada e mantida para outras questões – como muçulmanos proibidos de viajar. (...)

[No Brasil, Moro DESTRUIU toda a estrutura do governo brasileiro eleito e legalmente empossado, no seu frenesi-loucura suposta 'moralizante' e acobertado pelo STF golpista e pela mídia-empresa & CIA e embaixada dos EUA. Mas só se ouviram vozes realmente indignadas de jornalistas mainstream [e só de alguns, não de todos nem de muitos!], quando Moro prendeu ilegalmente um blogueiro. Não q o blogueiro não tenha de ser defendido. Tem de ser defendido. Mas muito mais defendida tem de ser a democracia brasileira e a presidenta que os brasileiros elegeram. E defender o ministro José Dirceu – exposto a grave risco nas prisões dos golpistas –, então, nem se pode comparar com defender um blogueiro – que já está em casa e de volta ao seu trabalho.]

Trump está nada menos que destruindo as instituições e princípios norte-americanos ao converter a presidência em máquina para gerar lucros para sua família; envenenando a cultura política com retórica de ódio, mentirosa, de subliteratura, minando a esfera pública com ataques à imprensa e aos manifestantes e iniciando o real serviço de desmantelar cada uma e todas as partes do governo federal que exista para qualquer outra finalidade que não seja fazer guerra.

Esse Rússia-gate o ajuda [no Brasil, o PTgate ajuda os golpistas] – seja porque desencaminha as atenções para bem longe de questões reais, documentadas, comprovadas, demonstradas [no Brasil, o PT-gate ajuda os golpistas a desencaminhar as atenções para bem longe das questões reais, documentadas e comprovadas do ataque assassino à CLT, à Previdência Social, ao MST, ao ensino público...]. Nos EUA, o Rússia-gate promove uma teoria de conspiração para remover do governo um 'teórico' conspirador xenofóbico.
[No Brasil, o PT-gate promove uma teoria da conspiração suposta 'ética', para pôr e manter no poder ilegalmente uma gangue de corruptos e ladrões].

Gessen exagera. O que ela chama de "destruição dos princípios e das instituições democráticas norte-americanas" nunca passou de projeto de uma classe dominante 'distribuída' por dois Partidos controlados, que está em andamento desde, no mínimo, os anos 1970s.

[Assim também no Brasil: o governo legítimo e democraticamente eleito do PT-PMDB, agora derrubado por golpe da metade-PMDB contra a metade-PT, nunca passou de projeto de uma classe dominante distribuída por dois partidos. – Isso, aliás, no Brasil, feito muito explicitamente, desde que a ditadura inventou a Aliança Renovadora Nacional, Arena, e o Movimento Democrático Brasileiro, MDB, dois "grupamentos", como diz o Ato Institucional que os criou, não dois partidos políticos. Além disso, alguma diferença que talvez houvesse entre eles, de fundo, foi novamente 'neutralizada' pela "
Carta ao Povo Brasileiro", assinada por Lula, em 22/6/2002, em nome de conseguir a chamada 'governabilidade'. Pode-se dizer portanto que, para obter governabilidade por 15 anos e ao final deles perder tudo... o PT pôs no poder o PMDB-PSDB que o povo brasileiro não elegeu nunca mais, desde findo o governo de FHC, o facinoroso.]

Ao mesmo tempo, Gessen tem de saber que a Casa Branca de Trump não quer desmantelar outras funções de Estado que interessam à direita, além dos militares. Um exemplo, aqui, dentre muitos: a Casa Branca de Trump apoiará a capacidade do Departamento de Segurança Nacional para monitorar, invadir, desmontar e reprimir por todas as vias possíveis os ativistas ambientalistas e lutadores a favor de justiça social.

[No Brasil, dentre as funções/serviços que muito mais interessam à direita que à esquerda, e que os governos do PT-PMDB protegeram, no sentido de "não atacaram", destacam-se os serviços de 'informação' e notícias ao público-eleitor, prestado por empresas privadas ferozmente dedicadas a fazer oposição política a governos eleitos – desde, com certeza, Getúlio Vargas (1930-1964, com interrupções e retornos); e que em 2016 ajudaram a derrubar mais um governo eleito, como já haviam feito em 1964.]

Apesar disso, o argumento de Masha Gessen é muito bem sacado. O esquema da conspiração russa [como a guerra santa dos 'ladrões éticos' e 'juízes' pervertidos contra governo eleito] é armadilha perigosa para políticos de esquerda.

Não derrubará Trump [no Brasil, sim, derrubou Dilma], mas [no Brasil: "e além de ter derrubado governo eleito",] distrairá a atenção das pessoas para que não vejam crimes muito mais graves e desmandos muito mais escandalosos do governo Temer [nos EUA: do governo Trump].

Assim sendo, a estratégia dos Democratas seria "doida"? [No Brasil, a estratégia do tucanato USP-udenista-midiático seria "doida"?] Calma. Não tão depressa.

Não esqueçamos que as questões que "Rússia-gate" [ou PT-gate] marginaliza, incluindo racismo, classismo, ecocídio e o esvaziamento da esfera pública, são todas áreas problemáticas para os Democratas corporativos e imperiais [também no Brasil].

Os tediosos Democratas encharcados de dólares foram sempre profundamente cúmplices dos Republicanos no serviço de criar uma deriva liberal de direita na política dos EUA nos últimos 40 anos.

[No Brasil, não se pode dizer q sejam assim tão "encharcados de dólares", mas com certeza os Humberto Costa, os Tarso Genro, os Haddad, os Cardoso e toda essa 'tendência' do PT, além de toda a 'tendência' que se separou do PT para criar "Rede" & Psol e mais a Martha ex-Suplicy (pelo menos), são, sim, encharcados de neoliberalismo metido a 'ético', e dedicados apagadores da luta de classes, dentro de partido suposto... de Trabalhadores.]

Não se pode esquecer nem por um segundo que a primeira e principal função dessa gente (sempre a serviço de ditadores não eleitos em todos os cantos do mundo e de ditaduras nas quais se casam muito dinheiro e o poder do Império Anglo-sionista) é manter sempre marginalizadas as forças e os sentimentos da esquerda.

O Rússiagate [como também o PT-gate] fazem perfeito sentido para os Democratas do establishment nos mais variados níveis, inclusive no modo como os absolve por terem detonado (nos EUA) as eleições de 2016 (porque "Rússia interferiu e Comey é culpado"), envenenadas por campanha eleitoral horrível, vergonhosa, na qual o establishment só ofereceu candidatos idênticos entre eles, todos com a mesma suja cara neoliberal.

[No Brasil, o PT-gate absolve preventivamente os corruptos do PMDB ("estancar a sangria") do crime por terem detonado as eleições de 2014 (porque há empresas corruptas – novidade?! – que surpreendentemente só começaram a ser corruptas depois da eleição de Lula em 2002, cada vez mais corruptas até o auge da corrupção que teria acontecido a partir da posse da presidenta Dilma?!].

(...) Há ainda um aspecto profundo, macabro, que não se pode deixar de listar aqui: fascistas nacionalistas brancos [nos EUA] JAMAIS SE DEIXARAM ARRANCAR DO PODER pela simples vontade da maioria dos eleitores.

[Absoluta verdade nos EUA e no Brasil. No Brasil, jamais se deixaram expulsar do poder pela simples vontade de eleitores manifestada em urnas: a Fiesp-USP-UDN-SP & famílias 'midiáticas' monopolistas anti-Vargas; e o MDB -> PMDB -> PSDB sempre dedicados inimigos da Constituição Federal de 1988 chamada "da democratização", mas que o governo Sarney (com a ajuda luxuosa dos governos do ex-FHC) impediu que se tornasse efetivamente democratizatória (
Eduardo FAGNANI, 2005, PolÍtica social no Brasil (1964-2002): entre a cidadania e a caridade, Tese de Doutoramento, Unicamp).

Talvez pareça chocante a alguns, mas não vejo a atual matilha de Republicanos no poder aceitando resultados eleitorais que não os satisfaça. [Não pode ser mais verdade para a matilha PMDB-PSDB. Já não aceitaram as eleições de 2014: não aceitarão as eleições de 2018 (se chegarem a se realizar).]

Essa gente não opera 'por eleições'. Eleições não os põem no poder, nem os tiram de lá: essa gente vive à margem do mundo social, como o crime organizado (o que não implica dizer que sejam fracos, pobres ou poucos). Essa gente só pode ser derrubada por grande levante popular que venha debaixo e de fora dos espaços e instituições que eles controlam – como as encenações quadrienais extravagantes que há muito tempo operam como método potentíssimo para marginalizar os cidadãos supostos eleitores.

O Rússia-gate [como o PT-gate 'anti-kurruptos'] e os Democratas-EUA [como muitas das 'tendências' do PT] são invenção para engambelar idiotas e cabeças fracas liberais e progressistas e fazer abortar o ímpeto criador das grandes massas. Talvez já se deva dizer o mesmo também das eleições [nos EUA, como no Brasil-2017 do golpe, sobretudo; e em 2018, provavelmente].*****



Nenhum comentário:

Postar um comentário