quarta-feira, 29 de março de 2017

29/3 - Filme sórdido e ideológico contra Lula

Palavra Livre - Davis Sena Filho


Posted: 29 Mar 2017 12:23 PM PDT
Por Davis Sena Filho — Palavra Livre

PAVÕES!

"Antes de tudo e de qualquer coisa, o nome do filme não deveria ser "Polícia Federal — A Lei é para todos", porque se trata de mentira e desfaçatez escabrosas e deslavadas. O nome correto para o filme de Tomislav Blazic deveria ser "Polícia Federal — A Lei é para todos, menos para os tucanos do PSDB e do DEM, os juízes, os procuradores e os políticos golpistas e usurpadores que tomaram de assalto a Presidência da República por intermédio de um golpe bananeiro, mas violento". O nome é longo. Fazer o quê, né? Porém, é o mais correto e muito próximo das verdades e das realidades torpes e nefastas que se vivenciam no Brasil". (DSF)  

A classe média tradicional e irremediavelmente egoísta, conservadora e preconceituosa chegou ao paraíso e se embriagou com o néctar mavioso de Dionísio. Atingiu os píncaros da "fama" sórdida e leviana por intermédio de juízes, procuradores e delegados da PF, que estão a protagonizar a maior farsa policialesca, jurídica e política da história do Brasil, que é retratado no golpe de estado de 17 de abril de 2016.

Golpe terceiro-mundista efetivado e sacramentado quando parlamentares corruptos e de direita resolveram agir pela deposição de uma presidente da República que não cometeu crimes de responsabilidade, constitucional, legítima e que recebeu das urnas 54,5 milhões de votos. Até hoje me pergunto como bandidos podem substituir 54,5 milhões de votos. Não podem, pois ilegítimos. Golpe criminoso, assombroso e deplorável. Inaceitável.

Entretanto não basta toda essa molecagem com dimensões planetárias. Não mesmo... Tem de constar na receita golpista e de direita, além de covardia, perseguição, desrespeito, sabotagem e violência, o tempero do escárnio, deboche, humilhação e a total falta de senso crítico e de civilidade por parte daqueles que tomaram o poder central de assalto e que hoje fazem o que bem desejam, pois a Constituição já se tornou apenas uma lembrança de que o Brasil queria conquistar seus marcos civilizatórios.

O nome do filmete com a maioria de atores contratados que apoiaram o golpe e a vestir, como mostram imagens e declarações, a camisa amarela da CBF corrupta é "Polícia Federal — A Lei é para todos", do diretor Tomislav Blazic. Tal sujeito se recusa, terminantemente, a divulgar os nomes dos financiadores do filme que, segundo os responsáveis, será lançado no mês de julho, que, entre outras cenas, constam imagens das dependências da casa de Lula e dona Marisa Letícia, já falecida, além de mostrar o quarto do casal e a cama onde dormem.

Acintes e covardias sem parâmetros e limites feitos por agentes de estado partidarizados, ideologizados e descontrolados por causa de fama, vaidade, holofotes e irresponsabilidades, pois as irresponsabilidades não causam-lhes problemas e cobranças que possam prejudicá-los profissionalmente e muito menos serem punidos por suas molecagens em forma de meganhagem explícita que remonta o Dops e o DOI-Codi dos tempos da ditadura civil-militar.  

Delegados de almas tucanas que contrariaram as próprias determinações do juiz Sérgio Não Vem ao Caso Moro, do PSDB do Paraná, que determinou aos operadores do Partido da Lava Jato, dentre eles o "intocável" delegado aecista Igor Romário de Paula, que em despacho reconheceu perante o juiz de primeira instância que, apesar da proibição de filmar o sequestro de Lula, tudo foi filmado, bem como não somente filmado, mas cópias  das imagens foram entregues ao diretor repleto de segredos e picardias cujo nome é Tomislav Blazic.

O delegado não será punido, como nunca foi punido o juiz Moro, que divulgou para seus parceiros e associados da imprensa mais golpista e corrupta do mundo ocidental os diálogos entre a presidente da República, Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva — o Nine —, de acordo com informações de como o juiz de província trata o maior presidente que este País já teve, juntamente com o estadista gaúcho Getúlio Vargas — o pai das leis trabalhistas e da industrialização do Brasil.

Será que o Moro pensa que foi algum tucano golpista ou barões da imprensa de suas relações que edificaram o legado de Getúlio? A ignorância dos togados e dos meganhas sobre o Brasil é tanta que eu não duvido nada que eles pensem também que a Petrobras, a Vale do Rio Doce e os ministérios da Saúde e da Educação são também obras da direita escravocrata proprietária da casa grande. Dessa gente se pode esperar tudo ou nada.

A verdade é que as masmorras de Curitiba e da Lava Jato foram abertas para o ôba-ôba agora representado por atores e diretor em filme cujo financiador ninguém sabe quem é, porque realmente não vem ao caso. O que vem ao caso é ferrar com a imagem de Lula em várias frentes políticas, jurídicas e midiáticas, porque até o mundo mineral sabe que o juiz Moro necessita ainda este ano, como os seres vivos precisam de oxigênio para viver, condenar o maior líder da América Latina e um dos mais reconhecidos do mundo para que ele seja impedido de ser candidato às eleições presidenciais de 2018.

Além disso, Lula lidera todas as pesquisas, mesmo a apanhar diuturnamente e há três anos do consórcio golpista de direita. Moro sabe disso. Gilmar e seus colegas sabem disso. Os delegados Leandro Daiello, Moscardi Grillo e Igor de Paulo sabem disso. Os procuradores Carlos Fernando e Deltan Dallagnol et caterva sabem disso. Eles apenas fazem caras de paisagens quanto às suas ações e seus atos dignos de brucutus, que corroboraram, de forma disfarçada como ocorreu no Congresso, para que mais uma ditadura no Brasil fosse implantada e lugar onde as garantias constitucionais não passam hoje de ilusões de que um dia este País tentou ser uma Nação civilizada.

Por sua vez, voltemos ao filme que vai ajudar os togados e meganhas partidários e, com efeito, parciais e ideológicos a publicizar as covardias perpetradas pela Lava Jato, que esses servidores públicos pagos a preço de ouro pelo contribuinte estão a viabilizar. Afinal, os agentes da Lava Jato tomaram o depoimento de 73 pessoas, a incluir como ouvinte dos delatores e presos, além de pessoas sem culpa no cartório que foram intimadas a falar sobre as supostas corrupções cometidas pelo ex-mandatário trabalhista Lula.

O problema é que todos os depoentes, ipsis litteris, afirmaram que nunca ouviram ou souberam de algo ou alguma coisa sobre o Lula ter cometido corrupção ou ter se encontrado com um dos depoentes e testemunhas para tratar de ações e gestos ilegais e criminosos. Veja bem: 73 pessoas, e se houvesse mais, certamente que os togados e meganhas terminariam em um vazio no que concerne a obter provas para colocar o líder popular na cadeia.

Pois esta é a intenção, mas haja powerpoint, convicções, acusações infundadas e perseguições dignas de covardes. Haja também más intenções por parte de policiais, juízes e procuradores, que talvez a partir de julho deste ano se tornem "astros" do cinema ao ponto de se rivalizarem com os atores e atrizes hollywoodianos. Durma-se com um barulho desses.

E não é que o diretor e os atores foram "treinar" nas dependências de órgãos públicos?! O propósito era ver in loco como caminham, se movimentam corporalmente e se expressam os "Intocáveis" do mundo corporativo estatal e que agora são "ilustres" personagens de um filme cujos patrocinadores e financiadores de tão discretos, simples e humildes que são, resolveram, generosamente, não repercutir ao público suas santificadas caridades.

Então tá: todo mundo é idiota! Ué, a sociedade é tratada como idiota pelos políticos golpistas, mídias de mercado e Judiciário politizado. Aliás, não se trata de um filme, pois é uma trilogia, ou seja, três filmes que serão lançados nos anos 2017, ano da quase consolidação do golpe burguês; 2018, ano das eleições presidenciais que podem ser suspensas, porque a direita não vai largar o osso depois de desmoralizar o País perante a comunidade internacional, além de destruir sua economia, bem como 2019 será o ano que o Brasil terá um novo presidente por intermédio de eleições diretas ou indiretas, a se ter um presidente eleito pelo povo ou um ditadorzinho latino-americano eleito, em 2018, pelo Congresso mais irresponsável, conservador e reacionário de toda a história do Brasil.

Será que o diretor Tomislav Blazic tem discernimento do que está acontecer neste república das bananas? Porque, ao observar os autores convidados para representar no filme, trata-se de profissionais que, em sua maioria, apoiaram o golpe cucaracha, com declarações dignas de analfabetos políticos, sendo que alguns participaram nas ruas das micaretas direitistas travestidas de protestos contra a corrupção.

Isto mesmo: contra a corrupção! E aí o que acontece? Esses coxinhas golpistas e tresloucados participam da deposição de uma mandatária acusada de ter cometido crimes de responsabilidade injustamente, porque Dilma Rousseff comprovadamente é honesta, bem como rasgaram 54,5 milhões de votos, sendo que milhões desses votos, indubitavelmente, são de pessoas que os coxinhas despolitizados, colonizados e de direita conhecem, inclusive intimamente, como seus parentes, amigos, colegas de trabalho e até mesmo desconhecidos.

Quem foi para as ruas é tão golpista, arbitrário e autoritário quanto os protagonistas do golpe de terceiro mundo. Os coxinhas celerados e agressivos não se importaram de tomar o poder mesmo ao preço de dividir o País e ter, irremediavelmente a partir do golpe, problemas em suas relações pessoais e interpessoais. Até os dias de hoje as famílias e, consequentemente, a sociedade estão divididas e obrigadas a conviver em um ambiente pesado, hostil e permeado pela intolerância que é o combustível do ódio.

Este é o País do diretor Tomislav Blazic! Ele sabe disso? Porque não é por ser diretor que um sujeito seja politizado ou saiba de maneira macro o que acontece e está em jogo neste País. E o que está em jogo? Respondo: a democracia que somente poder existir por meio de eleições livres e diretas.

No filme, o doleiro Alberto Youssef é preso mais uma vez por causa de sua vida de crimes. Será que o Blazic sabe que o Youssef é doleiro antigo do sistema de arrecadações legais e ilegais do PSDB, muito antes de o PT conquistar o poder central? Será que tal diretor sabe que o juiz Moro, do PSDB do Paraná, e seu parceiro de Lava Jato, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima são personagens centrais de um megaescândalo bilionário chamado de Banestado?

Será que o cineasta sabe que até hoje os ladrões de dinheiros públicos e de dinheiros privados não declarados às autoridades e enviados para contas no exterior, as famosas CC5, até hoje não foram resgatados e que ninguém foi preso, a não ser os buchas de canhões como o Youssef? Para bem informar o cineasta, o doleiro Alberto Yousseff, isca do juiz Moro e Cia já está solto, all rigth? O dedo duro de estimação da PF, do MPF e da Vara do Moro está agora a cumprir regime semiaberto. Youssef ficou apenas três anos preso e foi solto. Ora, vejam só(!), no aniversário da Lava Jato. Parabéns!

Enquanto isso, José Dirceu, que foi severamente punido pela teoria do domínio do fato, está encarcerado em prisão perpétua por decisão monocórdia de um juiz que cometeu inúmeros crimes e é blindado vergonhosamente pela imprensa de negócios privados e por seus parceiros e protetores da PGR, do TRF-4 e do STF.

Esta é a face dura e verdadeira da Justiça burguesa deste País selvagem, onde vicejam injustiças e prendem as pessoas sem suas culpas comprovadas. Em Terra Brasilis, "todo acusado é culpado até que ele prove que é inocente ou resolva delatar". É o fim da picada! Vivemos, sim, em uma ditadura jurídico-midiática disfarçada.

Por seu turno, o filme "Polícia Federal — A Lei é para todos" tem uma coisa boa: vai dar oportunidade aos canastrões da Lava Jato nas telas dos cinemas tupiniquins abarrotados de coxinhas que deram tiros em seus direitos trabalhistas e previdenciários. Os tresloucados comprovaram que não estão nem aí para a corrupção, bandeira que foi usada somente para derrubar a presidente trabalhista, como sempre ocorreu no Brasil, vide Getúlio Vargas e João Goulart.

A PF é canastrona e abre a cadeia para filme partidário e ideológico contra o Lula. Os atores tiveram a entrada franqueada para ver as "jaulas" de Marcelo Odebrecht e Eduardo Cunha. Afinal, o Brasil virou um circo por ser uma bagunça promovida por autoridades dos três poderes, com o apoio dos coxinhas.

Trata-se o filme de libelo direitista e propagandístico em favor da Lava Jato e orçado em R$ 14,8 milhões, até porque a operação de caráter político e midiático precisa ter fôlego até 2018 para que o presidente Lula não seja candidato e, quiçá, torne-se mais um preso e por isto impossibilitado de concorrer às eleições presidenciais.

Tomislav Blazic se diz satisfeito, porque, além de juntar inúmeros investidores para realizar o filme, os contratos têm cláusulas de confidencialidade. Aliás, mais confidencial do que os depoimentos e delações oficiais da Lava Jato que sempre são vazados seletivamente de forma a prejudicar o lado do PT e de suas lideranças e blindar o lado do PSDB e suas lideranças. Bingo! Blazic garante a confidencialidade com mais responsabilidade do que certos varões de Plutarco do Judiciário.
       
Porém, não esqueçamos: a questão primordial são as filmagens da condução coercitiva (sequestro praticado pelo estado contra um cidadão livre) de Lula. O delegado Igor Romário de Paula confirmou ao juiz Sérgio Moro que as filmagens foram feitas contra sua determinação. Não só Lula foi filmado em casa, nas ruas e no aeroporto, como também seu lar foi impiedosamente violado por agentes do estado e operadores da Lava Jato.

Estes fatos por si só seriam objetos de severas punições se o País fosse sério e se o poder público fosse republicano e não apenas se resumir a uma guarda pretoriana que trabalha para defender e proteger os interesses das oligarquias brasileiras, que são, indelevelmente, as mais atrasadas do mundo ocidental que se considera civilizado.

O advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins está de olho, e avisou, em petição, sobre as filmagens: "(...) para que os envolvidos se abstenham de qualquer divulgação das imagens gravadas, preservando o sigilo do material. Reitera igualmente que seja apurada a prática de eventuais crimes decorrentes da violação de deveres funcionais pelos agentes públicos, que tinham o dever de preservar o sigilo do material e eventual participação de pessoas relacionadas ao filme, cujos investidores são mantidos em sigilo." O delegado Igor Romário de Paulo está a ser processo pelo ex-presidente Lula.

Para finalizar, além de o servidor Igor Romário de Paula ter reconhecido que Lula foi ilegalmente gravado, pois Moro determinou que não houvesse gravações, o ator Ary Fontoura, um cidadão que apoiou os movimentos golpistas em prol da deposição de Dilma Rousseff,  participou ainda de eventos nas ruas a se vestir de amarelo e a dar declarações contra Lula e Dilma, conforme se vê na internet.

O ator disse à revista Veja — a Última Flor do Fáscio — o que foi fazer na PF de Curitiba: "Vim sentir o clima da Lava-Jato e assistir às gravações que a PF fez da condução coercitiva do Lula". Isto mesmo. Não é ilusão e nem conversa fiada. Atores tiveram acesso às gravações da prisão de Lula em pleno embate entre o ex-presidente e os agentes da Lava Jato que não conseguem comprovar que Lula tenha cometido um único malfeito em um tempo de três anos. Repito: três anos!


A verdade é a seguinte: como atores reais da Lava Jato, os procuradores, juiz e delegados da PF da Operação Lava Jato são ótimos canastrões. É isso aí.
Posted: 28 Mar 2017 12:35 PM PDT
Por Davis Sena Filho — Palavra Livre

NÃO DÁ! NÃO PODE SER SÉRIO... SÓ NO BRASIL.

i) Eunício Oliveira e sua empresa Confederal devem R$ 8,478 milhões em dívidas com a Previdência Social — à União. Este sujeito que participou de golpe de estado contra a presidente Dilma Rousseff é quem vai fazer as "reformas" previdenciárias, ou seja, junto com seus parceiros de sedição irão escravizar os trabalhadores e os aposentados brasileiros.

ii) Eunício Oliveira é o "Índio", apelido que consta na lista e nas delações dos executivos da Odebrecht.

iii) Cadê os juízes e procuradores varões de Plutarco, da moral e dos bons costumes udenistas e golpistas?

Eunício Oliveira é, conforme comprovam suas declarações à Justiça Eleitoral, o segundo senador mais rico da República. O senador do PMDB do Ceará é atualmente o presidente do Senado, além de ser genro de Paes de Andrade, político antigo, ex-presidente da Câmara dos Deputados e um dos coronéis do Ceará, Estado da Federação pródigo em coronelismo político, econômico e social, a ter como exemplo fidedigno o senador Tasso Jereissati (PSDB) e o próprio Eunício Oliveira, além dos já históricos coronéis que dominaram a paisagem política cearense durante décadas, a exemplo dos governadores Adauto Bezerra, César Cals e Virgílio Távora.

Os políticos conservadores governaram o Ceará sob as bençãos da ditadura civil-militar, quando sacramentaram o "Acordo dos Coronéis", que viabilizou a eleição de Gonzaga Mota para governador. Na verdade, tratava-se de três grupos oligárquicos que se revezaram, entre os anos 1960 e 1980 no Palácio da Abolição, sede do governo estadual. Não demorou muito, os três coronéis romperam o acordo firmado e cada oligarquia foi tratar de suas vidas e de seus interesses políticos e econômicos, porque o social nunca fez parte do dicionário da direita brasileira, a proprietária da casa grande e que até os dias de hoje continua a dar golpes de estado e a fazer molecagens contra os trabalhadores e a Nação.

Contudo, o assunto deste artigo é o "sortudo" e "competente" Eunício Oliveira, mais um dos grandes capitalistas deste País de terceiro mundo e, com efeito, atrasado, que vive a enriquecer sob o guarda-chuva do Estado Nacional e dos contribuintes, porque é evidente que os inúmeros contratos milionários de suas empresas são firmados com órgãos, corporações e instituições públicas, desde ministérios, a exemplo do Ministério da Saúde, a bancos, como o Banco Central, o Banco do Brasil, a Caixa Econômica, além do DNIT.

A maioria dos contratos expiram no ano de 2019, quando, convenientemente, termina o mandato do senador. Eunício não dá ponto sem nó. Trata-se de um grande empresário, que atua principalmente nas áreas do agronegócio e da terceirização de serviços por intermédio das empresas Confederal (transporte de valores, vigilância, limpeza etc.), da Corpvs e da Manchester. Só que tem um problema que para o Brasil dos golpistas e usurpadores não é problema, porque nestas bandas vale tudo, não há lei e a bagunça propositalmente é estabelecida, bem como generalizada. Como dizia o poeta Cazuza: "Transformam o País inteiro {golpe} num puteiro, pois assim se ganha mais dinheiro!"

Só que eu ainda não disse qual é o real problema. Então, vamos lá: De acordo com Constituição, os parlamentares (deputados e senadores) não podem realizar negócios ou contratos com o poder público. Porém, especialistas no assunto afirmam que as empresas de Eunício são exceção, por causa do tipo de serviço, mas é obrigatório que o proprietário das empresas se afaste de suas administrações, pois sua participação é vedada ou proibida. Bingo!

É assim: todo mundo é idiota ou burro ou ingênuo ou nasceu ontem ou veio do espaço sideral e, por ser extraterrestre não entende e compreende bulhufas sobre como as sociedades e os donos do poder beneficiam seus privilegiados. Até hoje não compreendo o porquê disso, mas desconfio que gente como o Eunício Oliveira et caterva devem ter acesso direto com Deus, que os ama profundamente, muito mais do que qualquer indivíduo dos estratos populares da sociedade. Por isto que temos miseráveis, muito pobres e pobres de montão. Deus não os ama, por considerá-los burros, feios, incompetentes, preguiçosos e... idiotas.

Só pode ser isto, porque é evidente que o senador do Ceará é dono das empresas e seus contratos bilionários com o poder público tem sua influência, afinal Eunício Oliveira tem muito poder, pois é um dos caciques do PMDB nacional, foi ministro de Estado, líder de governo e hoje é o presidente do Senado e, consequentemente, do Congresso.

Além do mais, o presidente da República, o golpista *mi-shell temer, mesmo a ser um fantoche de banqueiros e de empresas transnacionais, era o vice-presidente e, evidentemente, que esses homens que tomaram o poder de assalto, a exemplo também de Eunício Oliveira, olham e cuidam com muito carinho de seus próprios negócios, afinal a direita luta pelo poder para quê? Mesmo "afastado", quem manda nas empresas de Eunício é o Eunício. Ora bolas!

A Constituição é letra morta, pois foi prostituída, desmoralizada e rasgada por golpistas que se aboletaram como ratos no Palácio do Planalto. Ninguém liga para a Constituição. Ninguém a leva a sério, a começar pelos juízes, procuradores e delegados. Se os operadores do Direito e das leis estão pouco a se lixar, não serão os empresários do porte de Eunício Oliveira, um grande capitalista, que vão se doer ou se preocupar se o Brasil retornou ao século XIX ou à era pré-getuliana.

Eunício Oliveira é exemplo real ou fidedigno da direita brasileira. Veja bem: não somente ele, mas o cito porque o senador e apoiador de golpe terceiro-mundista contra uma presidente constitucional e legítima, que não cometeu crimes, está à frente de toda covardia e perversidade que ocorre no Brasil, que significam o desmantelamento dos direitos sociais, políticos e previdenciários do povo brasileiro e seus milhões de trabalhadores e aposentados, sendo que a maioria é pobre ou remediada.

Eunício é o cara que, como presidente do Senado, vai tocar a entrega da previdência pública aos bancos privados, bem como deve estar muito feliz com a terceirização total dos cargos e empregos, tanto na iniciativa privada quanto na pública. Afinal, ele é um dos maiores empresários no ramo de terceirização. É deplorável a que ponto chegou este País: a raposa a cuidar do galinheiro. Eunício é o dono de várias empresas, que compõem a holding Remmo Participações. O senador tem 99% do controle acionário, segundo sua declaração de bens à Justiça Eleitoral.

Entretanto, o que chama a atenção no Brasil e no mundo racional, ponderado e que tem discernimento de perceber que neste País de "elites" atrasadas, que consideram avanço o retrocesso e comemoram olhar o futuro pelo espelho retrovisor, é que esses golpistas e usurpadores do poder central agem como se nada tivesse acontecido, a fazer, cinicamente e hipocritamente, cara de paisagem. Trata-se de escárnio e deboche. Em um país sério seriam presos ou fuzilados. E por quê? Porque não foi o programa e as propostas de governo deles que foram aprovadas pela maioria dos eleitores.

Estão a implementar no Brasil políticas neoliberais radicais, ao ponto de se tirar tudo da população, destruir a indústria nacional e desmontar o estado brasileiro. São traidores da Pátria, do povo e dos interesses mais importantes e estratégicos do Brasil em todos os segmentos, setores e ramos. É inacreditável e assombroso, pois um pesadelo que parece não ter fim, pois reflete a violência e o desprezo da casa grande escravocrata deste País azarado e atrasado.

Essas pessoas que tomaram o Palácio do Planalto de assalto cometem crimes de lesa-pátria e contra a humanidade, com o beneplácito e a cumplicidade do Judiciário, o que se torna um horror e terror, porque quando juízes, procuradores e delegados escolhem lado, realmente e sem sombra de dúvida, percebe-se nitidamente que o Brasil já vive em uma ditadura civil-empresarial ou jurídico-parlamentar.

A verdade é que quem está a mandar, sem a legitimidade das urnas, são os políticos e os partidos de direita, os empresários, o Judiciário e a classe média coxinha ignorante e analfabeta política, que vai às ruas apoiar a Lava Jato ao tempo que, como se fosse mentalmente celerada, não luta pela queda do governo de *mi-shell *temer, que está a tirar seus direitos previdenciários e trabalhistas, além de combater, pasmem, a Lava Jato, que os coxinhas tanto admiram e se equivocam. *temer e camarilha de lobos devem rir até doer o estômago da burrice e da idiotice dos coxinhas alucinados e violentos.

Todavia, Eunício Oliveira está com a faca e o queijo na mão. É a vitória dos empresários neoliberais e fundamentalistas do mercado. Dos empresários da plutocracia, mas colonizados, submissos e servis aos interesses do governo dos Estados Unidos e de suas empresas transnacionais. O Judiciário, como fizeram os militares de 1964 e como dizia Brizola, segura a vaca para a casa grande mamar à vontade, a transformar o pequeno estado de bem-estar social em um estado diminuto mas patrimonialista, que atende e somente atende às demandas e os interesses da grande burguesia. É o que acontece. Ponto.

Eunício vai "reger" a privatização da Previdência Social. Vai cooperar e muito para que as riquezas coletivas do povo brasileiro sejam canalizadas diretamente para os cofres da iniciativa privada nacional e estrangeira. Tais bárbaros ou selvagens não pensam o País, se recusam a desenvolver o Brasil e negam há séculos a emancipação total do povo brasileiro. Agem e atuam como escravocratas do século XXI e se tornam, irremediavelmente, algozes da Nação perante a história.

Golpistas são criminosos porque tomam o poder sem a autorização do voto. Por causa disto são autoritários e violentos, porque sabem e compreendem que não precisam dar satisfação a ninguém, nem à plutocracia, se ela encher o saco, e muito menos ao povo. Por isto que retiram direitos conquistados há décadas pelo povo brasileiro. Vivem em um mundo paralelo, mas sabem contar dinheiro para seus bel-prazeres, sempre em dissonância com as realidades apresentadas pela verdade dos fatos e dos acontecimentos.

Não se importam com nada porque são isolados como as ilhas, e contam com um sistema de segurança poderoso, de tal forma que podem e se sentem à vontade para cometer quaisquer crimes até mesmo contra a segurança nacional, pois o que importa é o lucro e que o próximo governo popular e de esquerda, se um dia for eleito, não tenha condições de trabalhar em prol do País, porque o Estado ficou mínimo e sem força e poder para realizar políticas públicas desenvolvimentistas, além de fiscalizar e mediar conflitos e interesses não confessáveis de grupos econômicos hegemônicos e monopolistas, assim como useiros e vezeiros em derrubar governos trabalhistas desde 1945.

Então, para finalizar, informemos ao senador golpista Eunício Oliveira, que jamais em sua medíocre carreira política apresentou projeto de lei que beneficiasse a população brasileira ou os trabalhadores, além de ser considerado um péssimo patrão à frente de suas empresas, que a Previdência Social é viável e superavitária. O resto é embuste, mentira e farsa para privatizá-la e, por conseguinte, os banqueiros mamarem em suas fartas tetas.

Então vamos lá: Segundo a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, o déficit da Previdência Social é de R$ 149,7 bilhões no ano de 2016. Entretanto, os grandes devedores da Previdência devem a "bagatela" de R$ 426,07 bilhões, ou seja, a sonegação é três vezes maior do que o déficit tão propalado para que os representantes da burguesia que tomaram o poder de assalto privatizem a previdência pública.

Segundo a Procuradoria, existem mais de 500 nomes entre empresas privadas e públicas, além de fundações, governos municipais e estaduais. Todos devem e não pagam a dívida ao Regime Geral da Previdência Social. O coordenador-geral da Dívida Ativa da União, Cristiano Lins de Moraes, afirmou, isento de dúvidas: "Tem débitos de devedores de vários tipos, desde um pequeno a um grande devedor, e entre eles há muita variação de capacidade econômica e financeira. Também há algumas situações de fraude, crimes de sonegação e esquemas fraudulentos sofisticados. Às vezes, um devedor que aparenta não ter movimentação financeira esconde uma organização que tem poder econômico por trás dele”.

Todo mundo sabe quem deve, mas até agora só foi resgatado pelo poder público 1% do que é devido pelos estados, municípios e empresas de grande e pequeno portes, ou seja, apenas R$ 4,150 bilhões. Trata-se de uma geleia geral e, obviamente, de escárnio, ousadia e nenhum respeito pela sociedade brasileira. São crimes graves cometidos e fica tudo como dantes no quartel de Abrantes.

É a bagunça e a total e generalizada, que coopera, sem dúvida, para a falta de identificação nacional e com o País por parte da burguesia e da pequena burguesia colonizadas e portadoras de um retumbante e inenarrável complexo de vira-lata. Este País é apenas um amontoado de muita gente que vive em um espaço geográfico gigantesco, mas nunca será realmente uma Nação. Jamais! Neste País existem grupos sociais que têm imensa dificuldade de se identificar com sua própria cultura. São alienígenas irrefragavelmente colonizados. E não é necessário explicar ainda mais, não é?

Senador Eunício Oliveira, tome a lista de alguns dos muitos devedores e veja o que vossa excelência, como um megaempresário de pendores golpistas pode fazer em prol do interesse público:

1) Varig - R$ 3,713 bilhões;

2) Vasp - R$ 1,683 bilhões;

3) Banco do Ceará - R$ 1,418 bilhão;

4) TV Manchete - R$ 336 milhões (PS: todas empresas acima estão falidas, mas seus herdeiros e executivos estão vivos e bem vivos);

5) Vale do Rio Doce - R$ 275 milhões;

6) JBS (Friboi) - R$ 1,8 bilhão (PS: o ministro golpista e que "genialmente" afundou a economia, Henrique Meirelles, era conselheiro da JBS);

7) CEF - R$ 549 milhões;

8) Bradesco - R$ 465 milhões;

9) Banco do Brasil - R$ 208 milhões;

10) Itaú/Unibanco - R$ 88 milhões; e

11) Eunício Oliveira/Confederal - R$ 8,478 milhões.

Existem milhares e milhares de empresas sonegadoras e políticos coniventes com seus crimes. Por isto que este País é o paraíso de golpes de estado de todo tipo e espécie, com um povinho de classe média cúmplice daqueles que ferram seus direitos civis. Sandice da classe média conservadora contra si, seus filhos e netos. Vítima a favor do algoz. Síndrome de Estocolmo coletiva. Surreal.

Empregado (classe média) ser parceiro de patrão golpista e que aceita manso como um boi velho e castrado ter seus direitos previdenciários e trabalhistas extintos, além de ser conivente com a entrega das estatais brasileiras a preço de banana por parte de patifes desprovidos de votos e de autoridade, que tomaram o poder de assalto como fazem os bandidos em ruas, comércios e residências é verdadeiramente o fim da picada. Injustificável.

Recolheram-se às suas ignorâncias e insignificâncias, sendo que os políticos que os coxinhas ajudaram a colocar no poder estão a dar-lhes uma sonora e retumbante banana. Eunício Oliveira está de boa, em um paraíso deslumbrante para os que se locupletam com a riqueza produzida por milhões de trabalhadores, porque sem trabalhador para explorar não haverá capital e, com efeito, não existirão capitalistas como o senhor Eunício — um dos coronéis do Ceará e do Brasil.

Os negócios do senador cearense com o Governo Federal chegam a quase R$ 1 bilhão, em contratos com bancos estatais, evidentemente. A iniciativa privada tão badalada pelos especialistas e economistas de prateleiras da Globo e de outros veículos de comunicação, ou seja, os bancos privados jamais emprestariam ou assinariam contratos com as empresas do Eunício Oliveira nesses valores. É por aí: o estado é uma porcaria, conquanto NÃO atenda os interesses da casa grande.


A verdade é que o Estado é uma "porcaria" quando o governante, ainda mais se for trabalhista, resolve desenvolver o País e dar acesso aos pobres a uma vida de melhor qualidade. A iniciativa privada, os empresários e os ricos a-do-ram o Estado, desde que seja patrimonialista e alimente seus benefícios e privilégios. Não é mesmo, Eunício? E a Previdência Social vai para o beleléu. Eunício é o Índio da Odebrecht. Viva o Brasil! É isso aí.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário