quinta-feira, 30 de março de 2017

30/3 - O TCE e as contas de Brizola.

FONTE:http://www.tijolaco.com.br/blog/o-tce-e-as-contas-de-brizola-os-moralistas-um-dia-vao-em-cana/


O TCE e as contas de Brizola. Os “moralistas” sem moral um dia vão em cana

alencar
A prisão de cinco dos conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (e o sexto, dos sete, é o delator que os levou à cadeia) não podia deixar de me lembrar de uma das manobras políticas mais sórdidas que vi na vida, antes do que assisti com a manobras do Tribunal de Contas da União contra Dilma Rousseff.
Era o ano de 1995 e Marcelo Alencar, que não seria nada sem que Brizola, em 1984, o tivesse indicado prefeito do Rio de Janeiro – ainda não havia eleições diretas nas capitais – partiu para uma vingança sórdida contra seu criador, tentando se aproveitar da maioria que tinha na Assembleia Legislativa para transformar em rejeição as ressalvas que o Tribunal de Contas do Estado havia feito às contas do último ano do Governo do PDT, dividido entre o próprio Brizola e Nilo Batista.
O ódio a Brizola era tão grande que até mesmo parte do PT se juntou a este golpe sórdido, contra a orientação da direção nacional do partido e de Lula, como registra a correta reportagem de meu amigo Aziz Filho, à época repórter da Folha:
Três dos cinco deputados estaduais do PT (Heloneida Studart, Tânia Rodrigues e Marcelo Dias) votaram contra o substitutivo do líder pedetista, recebendo vaias das galerias.
“O PT do Rio é uma bosta. É a esquerda que a direita gosta”, gritaram os brizolistas, após o discurso do líder do PT.
No entanto, quando o deputado Neirobis Nagae anunciou seu voto a favor de Brizola, conforme determinou o Diretório Nacional do PT, os brizolistas gritaram: “Brizola e Lula, a luta continua”.
Tudo foi uma armação tucana, dirigida pessoalmente pelo então governador Marcello Alencar, através de seu filho, o então deputado Marco Antônio, um dos presos na operação de ontem contra a corrupção dentro do Tribunal de Contas, do qual se tornaria conselheiro, dois anos depois desta nojeira contra Brizola.
O ladravaz Sérgio Cabral, também tucano à época, igual não se furtou (a si ele nunca furtou, e apenas a si) de participar da armação:
O presidente da Assembléia, Sérgio Cabral Filho (PSDB), foi vaiado ao mostrar o voto para as câmeras.


  •  
  •  

Nenhum comentário:

Postar um comentário