sábado, 4 de março de 2017

4/3 - BULA Revista


Mississippi: eu, Faulkner e Jack Daniel’s


Leio e releio Faulkner constantemente, é faina para a vida toda. Se vocês não seguem essa dieta, estão perdendo um dos pontos altos da humanidade (Faulkner, aquedutos romanos, decisões da Suprema Corte americana, Capela Sistina, suítes de Bach para violoncelo, filmes de Sergio Leone, Ava Gardner, dribles do Garrincha, essas coisas): o homem vivia meio encharcado no seu estranho Deep South e ainda assim nos deixou uns três ou quatro romances que estão entre os melhores já escritos.

Por Marcelo Franco | Ler no navegador »



Os 10 melhores poemas brasileiros de todos os tempos


Pedimos aos leitores e colaboradores que apontassem os poemas mais significativos de autores brasileiros em todos os tempos, independentemente de gêneros ou correntes literárias a que pertenceram. O resultado não pretende ser abrangente ou definitivo e corresponde apenas à opinião das pessoas consultadas. Por motivo de direitos autorais, alguns poemas tiveram apenas trechos publicados.

Por Carlos Willian Leite | Ler no navegador »



Sem reciprocidade, todo relacionamento vive à beira de um abismo


O amor, não há dúvida, é um combustível e tanto para a imaginação. Mas sonhar por sonhar é executável sozinho. É possível realizar mil feitos sem que haja alguém ao lado e, feliz, dividir a vitória com ninguém além de si. O problema é que não se pode sonhar pelo outro; não se podem responder cartas que o outro recebeu e sequer abriu; não se podem conjugar plurais por quem só pensa singular. Que me perdoem os jovens Verthers, mas amor platônico é um suplício.

Por Lara Brenner | Ler no navegador »




Copyright © 2017 Revista Bula, Todos os direitos reservados.

 Atualize seus dados ou cancele sua assinatura

Email Marketing Powered by MailChimp

Nenhum comentário:

Postar um comentário