sábado, 15 de abril de 2017

15/4 - Sobre Merkel em Moscou

FONTE:Castor Filho <castorfilho@yahoo.com>


Sobre Merkel em Moscou, semana que vem

13/4/2017, Newsbud

Entreouvido na Vila Vudu:

Sinceramente, cá entre nós e desculpem o mau jeito, mas... Diogo Mainardi, Jucá, Temer, Moro, Aluysio e Meirelles e Odebrecht  e Glogo totalmente não têm importância alguma...

Por outro lado... imaginem se o mundo dependesse de Aluysios para essas negociações por aí, pelo mundo... Tesconjuro!
[pano rápido]
______________________________ _______
 

A chanceler alemã Angela Merkel estará em Moscou em visita oficial, dia 2 de maio próximo, segundo a revista Der Spiegel. Em entrevista à Radio Sputnik, o cientista social Vladimir Olenchenko disse que uma das razões por trás da viagem de Merkel a Moscou é o interesse dela, de não ser deixada à margem da política global.

Para o analista, um dos importantes aspectos da visita de Merkel é fazer-se incorporar ao processo político de tomada de decisões.

"A chanceler teme que se construa diálogo entre Rússia e EUA do qual ela poderia ser facilmente descartada, e que várias importantes questões internacionais se decidam sem ela" – disse Olenchenko à Rádio Sputnik.


Para o especialista, há também outras razões para essa ida de Merkel a Moscou. Dentre as questões mais importantes das relações russo-alemãs, há a reunião de cúpula do G20.

"Primeiro, as relações russo-alemãs. Segundo, Angela Merkel quer saber o que os russos planejam para a reunião do G20, que acontecerá em Hamburg em julho. É questão da mais alta prioridade, porque o primeiro encontro dos presidentes da Rússia e dos EUA deve acontecer naquela reunião.

A terceira razão tem a ver pessoalmente com Merkel. "Merkel é candidata ao cargo de chanceler nas próximas eleições em setembro, e a política externa é especialmente importante para ela" – disse Olenchenko.

De início, se disse que a chanceler Merkel só visitaria Moscou depois de resolvidas as crises ucraniana e síria. Agora, a posição dela mudou completamente – escreve Der Spiegel.

Segundo a revista, diplomatas alemães consideram extremamente perigosa a situação na Ucrânia. Nos meses recentes, a situação no Donbass "deteriorou-se", e a vitória de Trump "embaralhou as cartas da política mundial."

Berlin temia que, depois da eleição de Trump, os dois presidentes, dos EUA e da Rússia ,viessem a decidir tudo "pelas costas" de Merkel.

"Mas Washington decidiu-se por uma linha de tal 'contenção'
contra Moscou que dificilmente aquela solução seria hoje funcional. Agora se trata, não de reaproximação ativa entre EUA e Rússia, mas de silêncio total" – diz Der Spiegel.

Merkel entende que a situação é extremamente grave. Por isso esteve em Washington há três semanas, "para trazer os norte-americanos de volta ao jogo"; agora, irá à Rússia – conclui Der Spiegel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário