sexta-feira, 7 de abril de 2017

7/4 - Ataque à Síria é show de músculos de Trump

FONTE:Castor Filho <castorphoto@gmail.com>


Ataque à Síria é show de músculos de Trump 

Pepe Escobar, 7/4/2017,
Facebook, 10h12 (hora Brasília)

"MUITO intrigado com o que disse o porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia, major-general Igor Konashenkov.

"Baixíssima eficiência em combate, no ataque norte-americano" – como você já leu aqui há algumas horas: só 23 dos 59 postes 'de precisão' Tomahawks acertaram os alvos.

Rússia ajudará a Síria a reforçar suas defesas com um "complexo de medidas" que "protejam as instalações mais sensíveis da infraestrutura síria". Pode ser interpretado como instalar os sistemas S-400s.

Aqueles mísseis Raytheon de mais de $93 milhões cada só destruíram 6 MiG-23s – que estavam em conserto – e NÃO atingiram qualquer outra aeronave.
Não houve dano à pista de pouso e decolagem da base.

Problema é um item chave do qual ninguém falou:
dado o que o Ministério da Defesa da Rússia disse antes para explicar o ataque químico, o ataque norte-americano – cosmeticamente ou simbolicamente –
equivale ao Pentágono dizer que os russos mentiram".
_________________________________

Os EUA dispararam algumas dezenas de mísseis cruzadores contra uma base aérea na Síria controlada pelo presidente Bashar al-Assad, na manhã de 6ª-feira (horário de Pequim) em resposta a um ataque com arma química que teria acontecido antes. O presidente dos EUA Donald Trump disse "não há dúvida de que a Síria usou armas químicas proibidas, violou suas obrigações sob a Convenção para Armas Químicas e ignorou determinações do Conselho de Segurança da ONU."

É o primeiro assalto direto dos EUA contra alvo de Assad em seis anos de guerra na Síria. Em 2013 o governo sírio foi acusado de usar armas químicas e o governo Obama cogitou de atacar o país. Mas a crise acabou por ser superada graças a esforços diplomáticos dos russos.

A nova crise foi disparada por um ataque com armas químicas na Síria, na 3ª-feira, que teria causado mais de 200 mortes de civis, incluindo crianças. Vários países, incluindo EUA, Reino Unido e França imediatamente anunciaram que forças do presidente Assad estariam por trás do ataque, embora o governo sírio tenha rejeitado veementemente a acusação. A Rússia acompanhou a posição do governo sírio. Quando o incidente chegou ao Conselho de Segurança da ONU verificou-se grande divergência de opiniões entre o campo ocidental e representantes russos e chineses.

O ataque militar norte-americano na 6ª-feira aconteceu apesar de não haver qualquer resultado definitivo da investigação por organização internacional, e foi levado a efeito sem resolução do Conselho de Segurança da ONU. O governo Obama agiu muito rapidamente nessa ação – marcando acentuado contraste com o governo que o precedeu.

A decisão de atacar o governo Assad é um show de músculos do presidente dos EUA. Quer provar que tem coragem para fazer o que Obama não ousou fazer. Quer provar ao mundo que não é "presidente empresário", e que usará força militar dos EUA sem hesitar, quando entender que é necessária.

A ação militar dos EUA abre a porta para outros ataques militares diretos contra o governo de Assad, sinal de que a interferência externa na Síria está entrando em rápida escalada. Antes do ataque e hoje [horário de Pequim], as forças de Assad vinham obtendo vantagem muito evidente na guerra, mas a interferência militar estrangeira pode pôr fim ao domínio dos sírios no seu próprio país.

Atualmente, há três forças em luta na Síria: o governo sírio, contra rebeldes e contra o Estado Islâmico. Até aqui o ocidente jamais parou de armar os rebeldes, ao mesmo tempo em que a Rússia apoia o governo do presidente Assad. E forças russas e ocidentais têm atacado alvos do Estado Islâmico.

Os ataques militares norte-americanos podem levar a "desinteligência" [ing. a "falling out"] entre os governos Trump e Putin, pondo fim à "lua de mel", quando os dois lados estenderam ao outro um ramo de oliveira. Reemergirá mais uma vez o conflito entre EUA e Rússia, repetição do mesmo ciclo que se viu no governo Obama, quando o bom entendimento inicial foi convertido em grave oposição.

Nem faz muito tempo, Trump disse que seria idiota atacar ao mesmo tempo o Estado Islâmico e o governo sírio. Agora, ordenou um ataque, permitindo-se bem pouco tempo para refletir antes de decidir. É o primeiro grande movimento de Trump em assuntos internacionais, e deixa a impressão de que a decisão foi tomada às pressas, sem ter sido discutida.

Mais uma vez, o Oriente Médio é posto no centro das atenções. Nem Rússia nem Irã manter-se-ão em silêncio, nem se deixarão ficar ociosamente à margem, aceitando a desinteligência. A guerra na Síria entra em nova fase. Mais refugiados fugirão da região, e a Europa pode vir a ter de pagar o preço.*****



Nenhum comentário:

Postar um comentário