sábado, 8 de abril de 2017

8/4 - Reforma da Previdência será rejeitada na íntegra

FONTE:http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/reforma-da-previdencia-sera-rejeitada-na-integra-preve-deputado-governista/



Reforma da Previdência será rejeitada na íntegra, prevê deputado governista

Um dos líderes parlamentares do neoconservadorismo brasileiro, Onyx Lorenzoni defende a cassação da chapa Dilma/Temer, diz que governo não terá força para aprovar reforma nenhuma, elogia Bolsonaro e chama Henrique Meirelles de “incompetente”

Fotos: Sylvio Costa/Congresso em Foco
Orgulho gaúcho: Onyx arregaça as mangas para exibir as duas paixões tatuadas no antebraço
 
O deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) puxa a manga da camisa e, com um sorriso estampado na face, exibe com orgulho as duas tatuagens no seu braço direito: o escudo do Internacional e a bandeira do Rio Grande do Sul, estado que ele sonha governar. Ex-líder do DEM, é hoje minoria em seu partido, mas continua reconhecido como importante influenciador no Congresso. Também é estrela em ascensão nas mídias sociais, onde seu nome é associado ao que alguns chamam de neoconservadorismo.
Você o conhece da televisão e provavelmente já o viu, em debates de propostas legislativas ou em sessões de CPI, nervoso, falando alto, impondo tom dramático às suas intervenções. Mas, em seu gabinete, na noite da última quarta-feira (5), estou diante de um homem amável, que fala com suavidade e estuda com os olhos a reação do interlocutor. Médico-veterinário, nascido em Porto Alegre, aparenta bem menos do que os 62 anos que tem.
Um homem que chega no gabinete do Anexo 4 da Câmara perguntando se Marco Rassier, o solícito coordenador da sua equipe de Brasília, ofereceu água, café e biscoitos ao repórter. À vontade, Onyx começa a soltar o que no jargão jornalístico chamamos de leads. Ou seja, coisas interessantes o bastante para tornarem atraente uma notícia. Geralmente, elas estão no título ou no primeiro parágrafo de uma matéria.
O gravador está desligado quando ele diz que a reforma da Previdência “já foi, acabou”. Também fala, com a cuia de chimarrão sempre por perto, que o cenário mais provável é Michel Temer se manter no Palácio do Planalto até 31 de dezembro de 2018, mas manco, com imagem ruim na sociedade e sem força no Parlamento. Melhor, sustenta o deputado, seria o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassar logo a chapa Dilma/Temer e ser escolhido – “alguém, pode ser qualquer um” – para levar o barco até as eleições presidenciais.
Continua no mesmo tom diante do celular que registra a conversa. Bum! “Temer vem oferecendo o mesmo que a Dilma estava fazendo.” Pamp! “Só está fazendo o jogo do Meirelles, o Meirelles já foi incompetente no governo da Dilma e do Lula. Sonha ser o Fernando Henrique sem ter nada do apelo, da capacidade dele.” Beng! “O governo se comunica mal, já perdeu a guerra da comunicação. Sai na rua e pergunta as pessoas o que elas esperam. Elas não esperam nada. Perdeu o encanto.”
Na entrevista abaixo, você ouvirá o barulho de outros torpedos.

O senhor acredita que o TSE vai cassar a chapa?
Meu palpite é que não vai. Meu desejo não é esse, meu desejo é que casse. Na minha opinião, isso faria bem ao país do ponto de vista político, institucional e econômico, ao contrário do que pensam as pessoas que estão no governo. Tenho obviamente absoluta independência em relação ao governo Temer, por algo que digo desde o dia em que ele assumiu a Presidência: apesar de ter respeito por ele, eu não votei nele em 2014. E a maioria absoluta dos que hoje dão apoio ao governo não votaram nele. Defendi internamente, quando discutimos isso, que o Democratas não entrasse no governo, apoiasse Temer sem ter cargo no governo. Mas como era de se esperar, foi uma posição minoritária no partido, minha e de mais três ou quatro parlamentares que têm essa mesma visão.
Quais?
Caiado, Moroni [DEM-CE], Mandetta… um grupo de parlamentares que imaginava que o Democratas poderia emergir desse processo político como uma grande força de centro-direita, como opção de poder no Brasil. Lamentavelmente, não é isso que a maioria do partido pensa. Então voltamos à velha política, o velho PFL que tinha se livrado do f do fisiologismo nos seus tempos do Democratas, que se recompôs, se reorganizou, viveu no deserto da oposição. Faltou, na minha opinião, visão e ambição. O partido continua com uma visão, míope, de ser caudatário. Como não tenho vocação para ser muleta de ninguém, sempre me posicionei contrário e sempre sonhei e lutei internamente para que o partido tivesse a grandeza que o momento exigia. Nossa tese foi derrotada e hoje fazemos parte da base do governo. Temos a honra de ter um grande ministro, Mendonça Filho. A mudança que ele protagonizou no ensino médio vai, daqui a dez anos no máximo, ser reconhecida como uma das mais importantes já feitas para que o Brasil ganhe competitividade. Competitividade e qualidade a gente não arruma na universidade, arruma no ensino básico e num bom ensino médio. Qualquer dúvida a respeito disso, vai estudar a história da Coreia do Sul.
“Quanto mais o tempo passar, mais vai cair a credibilidade, mais vai cair o apoio da sociedade ao governo”
Não lhe parece ter havido nas últimas votações do Congresso uma certa perda de força, um certo enfraquecimento do governo?
O governo vem sofrendo perda de substância diariamente, quanto mais ele oferece o mesmo do mesmo. As alternativas e soluções que o Temer vem oferecendo são as mesmas que a Dilma estava fazendo, até porque uma boa parte dos técnicos que dão suporte ao governo são os  mesmos, é o mesmo grupo. Em cargos chaves estão as mesmas pessoas. Não está lá o senhor Levy, mas estão os filhotes dele. É o mesmo do mesmo. Está aí a falta de foco do governo, jogou aqui um monte de reformas sem ter uma prioridade. Governo transicional na minha visão tem que ter no máximo uma prioridade. Não pode ter dez. Na minha visão, tinha que ter aprovado uma terceirização como o projeto da Câmara, não esse que puseram lá, muito ruim, e flexibilizar um pouco a legislação trabalhista. Porque o problema do brasileiro hoje é o emprego. Tinha que enxugar o governo. O governo tinha que mostrar para a sociedade que está fazendo sua parte. O governo tem uma coisa maluca, esquizofrênica. Diz por um lado que não tem dinheiro para nada e, por outro lado, diz a quem vai nos ministérios que tem dinheiro pra tudo. Como é isso?
Como é?
Quanto mais o tempo passar, mais vai cair a credibilidade, mais vai cair o apoio da sociedade ao governo. Em um momento em que o governo joga uma reforma da Previdência que ataca as pessoas, ele só está fazendo o jogo do Meirelles, o Meirelles já foi incompetente no governo da Dilma e do Lula. O Meirelles já não foi muito eficiente nos governos anteriores. E o Meirelles sonha ser o Fernando Henrique sem ter nada do apelo, da capacidade de eloquência dele. Esqueça. Henrique Meirelles não existe como candidato pra nada, tem gente no governo que acredita que ele vai ser candidato a alguma coisa, pode ser deputado por Palmas, mais do que isso não vejo condição.
Antes de ligar o gravador, o senhor estava dizendo que a reforma da Previdência tem que ser rejeitada totalmente?
Acho isso porque ela é muito ruim. Bem ou mal, a Previdência urbana no Brasil funciona, é uma das raras coisas do governo federal que funciona. Por que ela funciona? Está aqui o estudo [mostra sobre a mesa documento recente assinado pelos economistas Carlos Eduardo de Freitas e Felipe Ohana]. De 2001 a 2015 nós temos oito anos de déficit e sete anos de superávit, pagando todos os benefícios, isolando o que diz respeito a rural. E se a gente não computar 2016, que é um ano atípico pela contração econômica brutal que o Brasil viveu, nesses 15 anos ela tem, sem capitalização de juros, R$ 45,9 bilhões acumulados de superávit. Esse trabalho [sua mão direita levanta o estudo e o balança freneticamente] mostra que o governo errou. O ministro Padilha vem aqui e diz que a reforma da Previdência é fundamental porque daqui a dois, três anos o governo não terá, por causa da lei do teto que eles mesmos mandaram, capacidade de fazer gastos discricionários. E o governo tem que ter gastos discricionários?
E aí é o feitiço como feiticeiro, não? O governo fez a PEC dos gastos poderia usá-la como argumento para aprovar reformas e agora a própria PEC virou um problema…
Mas tinha que fazer o teto de gastos… o governo se comunica mal, já perdeu a guerra da comunicação.
A guerra da comunicação em relação à Previdência?
A tudo. Sai na rua e pergunta as pessoas o que elas esperam. Elas não esperam nada. Perdeu o encanto.
O senhor não vê possibilidade de recuperação da economia? Pelo menos a inflação caiu, não é?
A minha pergunta é a seguinte: a taxa de juros brasileira é escandalosa hoje. Ela vai descer à metade até o final do ano? Duvido. Não vai! O Banco Central não vai fazer isso, nem o Meirelles vai aceitar que se faça isso, porque vai prejudicar o trabalho da banca. O investimento produtivo vai ficar patinando. Tá todo mundo parado. Empresas grandes fazem um predinho aqui, ninguém tá comprando máquina. Tenta vender uma máquina pra tu ver. Tem um monte de agricultor vendendo máquina.
“Tem que prestar atenção: está se gestando no Brasil um Trump brasileiro”
Qual é a saída?
Na minha opinião, é dar legitimidade ao governo, e isso vai ser só em 2018. A única expectativa que tenho do Temer e do governo Temer é chegar a 2018 sem solavancos. É chegar ao mês de novembro acabou, o assunto não é mais governo atual, é eleição presidencial de 2018.
Mas, se a questão é dar legitimidade, como justificar que o senhor, membro de um partido da base do governo, vote contra o governo em questões essenciais? Uma derrota do governo na reforma da Previdência não seria…
Não vai acontecer nada com o governo. O governo se vale de um terrorismo fiscal, de um terrorismo democrático…
O senhor está prevendo a derrota do governo na reforma da Previdência?
O governo vai ser fragorosamente derrotado. Essa PEC não passa. Vai ser uma derrota enorme, humilhante.
Na reforma da Previdência?
E em todas as reformas que ele mandar. Se o governo Temer enxugasse o Estado, poderia terminar o ano com algum grau de recuperação de imagem. As pessoas cansaram de pagar conta. Esse é o fato. As pessoas cansaram da política atual. Anda e fala com o povo na rua. Nenhum desses que está indicado para presidente o povo na rua fala. Tem que prestar atenção: está se gestando no Brasil um Trump brasileiro.
Bolsonaro?
Vou te dar um exemplo. Estive numa loja aqui no Conjunto Nacional, em Brasília, comprando um micro-ondas. Saí, fui numa loja de móveis. Sou reconhecido por funcionários, começamos a conversar, brincar. Quando vi, eram nove funcionários na porta. E aí começou uma conversa. E um perguntou: Bolsonaro? Digo que é uma boa pessoa, conheço ele, um pouco radical, tem umas ideias de que eu discordo, mas é uma pessoa que respeito. Liderei o Bolsonaro quando fui líder do Democratas em 2008. Comigo ele foi nota dez. Ajudei a trazê-lo para o PFL. Ele ficou conosco dois anos, depois voltou para o PP. Era um problema mais localizado no Rio, ele precisava voltar para o PP. Mas, voltando à loja. E aí começou uma brincadeira, quem vota, quem não vota. Resumo da ópera: dos nove, cinco se mostraram dispostos a votar no Bolsonaro.
Pode ser uma boa pessoa alguém que defende a tortura, a ditadura militar?
Tem certas coisas que eu discordo. Mas o que estou comentando é que há um sentimento na rua de uma mudança radical. Estou prognosticando aqui. Câmara e Senado? Mais de 50% de renovação, uma renovação que nunca aconteceu na história brasileira. Vai ser uma faxina. E no Brasil todo. Anote. Vai ser uma queda impressionante. As pessoas cansaram.
Há possibilidade de repetição de uma aliança PSDB-DEM?
Não sei. No que dependesse de mim, não. O Democratas tem tamanho, estrutura e condição de ter uma candidatura própria a presidente.
ACM Neto é uma opção?
Não, vai ser governador, amadurecer. Tem muita  coisa pela frente ainda. O ACM é o projeto partidário, na minha visão, válido. Vai sair da prefeitura, disputar o governo, deve ganhar o governo da Bahia, amadurecer no exercício do governo para depois…
O senhor tem notícia da emenda que propõe que membros do Judiciário e do Ministério Público sejam excluídos da reforma?
Não. Foram apresentadas 200 emendas.
O senhor é favorável à exclusão?
Claro que não. Por quê? Regra especial, na minha visão, só para a Forças Armadas e as forças de segurança. Porque é inseguro. O resto é regime geral. Eles já têm um salário ótimo. Os novos que estão entrando estão todos no Funpresp, estão todos nivelados já.
“Se a Justiça for... justa, tem que cassar a chapa. É que lamentavelmente no Brasil nem sempre a Justiça é justa”
E o que é possível esperar das reformas política e tributária?
Olha, o governo federal transformou os governadores em gerentes de folha de pagamento. Nos últimos 20 anos no Brasil se trabalhou fortemente para concentrar renda na União e fazer o governador vir de pirezinho na mão, o governador e o prefeito. A União fica com 60,3% do que arrecada. Ele não quer mudar, esqueça. Qual governo que vai fazer reforma nessa vida? A não ser que um candidato a presidente calce o seu programa no compromisso de fazer. E é algo que tinha que ter sido feito há décadas, pegando recursos desse bolo do governo e transferindo para estados e municípios.
E a reforma política?
Alguma coisa acho que vai aprovar, mas acho ruim o processo. Eu voto contra, voto 100% contra o voto em lista fechada. Do jeito que a coisa tá, acho que pode prosperar no máximo cláusula de barreira, talvez o fim das coligações, talvez. O resto não passa nada, não muda não. Reforma política tem que ser uma coisa feita no tempo também. É coisa de futuro, pra valer daqui a dois anos, daqui a quatro, aí faz.
O senhor defendia há pouco a cassação da chapa Dilma/Temer, não é?
De tudo que eu vi na CPI da Petrobras e de tudo que a gente teve acesso, os depoimentos, eu li tudo, a gente tinha acesso ao processo… se a Justiça for [para, dá uma risadinha e retoma] justa, tem que cassar a chapa. É que lamentavelmente no Brasil nem sempre a Justiça é justa.
Vamos dizer que a Justiça tome essa decisão…
… faz uma transição. Acabou. Problema nenhum
A população aceitaria uma eleição indireta?
Mas não tem outro jeito, é a Constituição. É a regra do jogo.
Uma eleição de um presidente pelo Congresso não aumentaria a confusão, a instabilidade política, econômica e social?
Acho que não. Por que haveria de aumentar? Haveria, isto sim, um afastamento do governo de muitas pessoas que hoje têm uma imagem muito ruim diante da população. Poderia até se montar um governo com quadros mais técnicos, zera a pedra, é transicional. É como prefeitura [em que o prefeito é cassado]: o cara pega e leva ali na ponta do dedo, até entregar o mandato. Governo para fazer grandes transformações, reformas tem que estar legitimado pelo voto popular. O governo não é reconhecido como tal, então não adianta. Precisava tirar o PT do poder, precisava tirar a Dilma, porque a tragédia era evidente. Tanto que… vamos lembrar, né?… nós, da oposição, fizemos o impeachment com 145 votos. Eram 145, 142, por aí os deputados de oposição. De onde vieram os votos? Da base da Dilma. O Lula, lá no Royal Tulip [conhecido hotel de Brasília] prometeu o céu, Saturno, Netuno, as estrelas.
O Temer não prometeu também?
Mas isso não foi determinante. O cara recusou os favores oferecidos, foi lá e votou até contra interesse financeiro dele imediato. Porque sabia que a população tava de olho e, se ele não votasse, não ia se reeleger. Quem fez o impeachment foi a sociedade, foram os movimentos de rua, a ação da nova cidadania que nasce das redes sociais. O Brasil tem um fenômeno de nova cidadania. E por isso eu digo que quem hoje está achando que a eleição vai se resolver com pesquisa fraudada e com discursinho, pode esquecer. Quem não tiver conectividade com a população, credibilidade e usar com muita competência redes sociais está fora do rumo. O problema é o seguinte: nós temos um Congresso que é parido em 2014 pelas regras velhas, da velha política. Esse é o problema. E esse Congresso vai vir em 2018 é um Congresso completamente diferente.
Mas o diferente vai dar em Bolsonaro? A gente sai da utopia e vai para a distopia?
Eu não sei se vai dar Bolsonaro. E lá nos americanos?
O senhor achou bom o Trump ser eleito?
Não tenho que achar nada, quem tem que achar bom são os americanos. O problema é o seguinte. Havia a ideia de que lá não tinha espaço para uma alternativa e os americanos chegaram e disseram… cara, nós cansamos da conversa fiada. Nós queremos alguém com nossos valores, alguém que fale a nossa língua, que diga o que a gente quer dizer. Isso está assim no mundo. Certas análises que vejo… o Brasil, por culpa do regime militar, entregou as universidades brasileiras para a esquerda que não foi pra luta armada, essa que é a verdade. Então nós temos uma ação de Gramsci dentro das universidades brasileiras, das escolas médias brasileiras até hoje.
O senhor votaria em Bolsonaro?
Se ele for para o segundo turno e eu não tiver meu candidato, eu votaria. O Brasil precisa mudar. Vai votar em quem no segundo turno? Vai botar Marina? O Ciro? O Lula de novo?
Entre Bolsonaro e Alckmin?
Eu teria uma grande dúvida [diz após ficar vários segundos em silêncio, pensativo] porque Alckmin é um dos melhores gestores públicos que o Brasil tem. Tenho uma profunda admiração e respeito por ele.
E o Doria?
Dória ainda tem que provar bastante.
O senhor iria de Bolsonaro se o adversário no segundo turno fosse o João Doria?
Não sei, aí não sei dizer. Eu quero dizer o seguinte: eu trabalho para que o Brasil tenha um candidato de perfil de centro-direita, que tenha uma formação sólida, um conhecimento para dar resposta ao Brasil, e credibilidade. Este nome, na minha opinião, é Ronaldo Caiado. Há um movimento diferente no Brasil. Se não formos capazes de perceber isso, e essa é minha luta interna no Democratas, e construir uma candidatura viável de centro-direita no Brasil, nós podemos ter uma topada grande. Não acredito que um candidato de centro-esquerda ganhe a eleição. Eu me arrisco a dizer o seguinte. Em todas as eleições desde a democratização PMDB, PSDB e PT, de alguma forma, com vice ou acoplado lá na aliança, todos esses três estavam no segundo turno. Isso não vai se repetir em 2018. Pelo menos um deles vai estar fora. Por quê? Porque há um outro movimento. Então quero um presidente que tenha equilíbrio, maturidade e preparo, mas responda aos anseios da nação por mudança. Eu identifico esse candidato no Caiado. Estou lutando internamente para viabilizá-lo como candidato a presidente. Dependendo da situação, a população pode partir para uma opção mais radical. É muito grave a situação. As pessoas estão cansadas de discurso. Querem mudança, estão dispostas a tudo para mudar.
E a democracia no Brasil? O que significaria uma a eleição de Bolsonaro para a democracia brasileira? Dele que defende coisas tipo entregar um fuzil a cada motorista de caminhão para que ele, a cada tentativa de assalto, mate o assaltante.
Não sei quem orienta ele. Claro que não concordo com isso e não concordo com muito do que ele diz. Mas ele é parlamentar, tem imunidade, pode dar sua opinião…
E defender a tortura, a ditadura, o preconceito? Isso não é pôr a democracia em risco?
É a mesma coisa que o PT fez ao longo de tantos anos. O PT tirou dinheiro dos brasileiros para dar a Cuba. O cidadão brasileiro subsidiou o dinheiro da Odebrecht para fazer o porto de Cuba, para fazer estrada na Bolívia, para fazer aqueduto na Venezuela. Tem uma parcela da sociedade que não aceita, o Bolsonaro representa esse cansaço com a esquerda, que colocou o Brasil nessa situação em que estamos. Mas Bolsonaro… olha, cá pra nós, muito do que ele diz é gênero. Ele foi meu liderado, estou dizendo. Como deputado, não tenho uma queixa a fazer. Tudo que eu combinei com ele, seguiu tudo à risca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário