domingo, 14 de maio de 2017

14/5 - Palavra Livre - Davis Sena Filho DE 12/5

Palavra Livre - Davis Sena Filho


Posted: 12 May 2017 01:35 PM PDT
Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


A revista Veja, da editora Abril, que pertence à famiglia Civita, que foi expulsa da Itália, dos Estados Unidos e da Argentina, para a alegria, o júbilo e o bem maior daquelas respectivas sociedades e nações, até chegar em São Paulo e, por sua vez, aproveitar-se do terreno fértil para se estalar e, com efeito, vicejar suas cafajestadas e infâmias de carácteres criminosos, pois organização que opera suas atividades  de forma francamente fascista e dedicada a moer as reputações daqueles que são considerados pelos donos da Abril e por seus capatazes de confiança como os inimigos a serem destruídos, porque não dançam conforme sua música e não leem de acordo com sua pauta.

E não é que a Última Flor do Fáscio sempre consegue se emporcalhar cada vez mais no lodo imundo das acusações pervertidas, a ter a sordidez e a infâmia como regra de seu jornalismo opressivo e de guerra? Pois é... A Veja sempre consegue se superar quando se trata de jornalismo gangsteriano, que visa, sobretudo, moer reputações, causar danos morais à pessoa atingida pela sua ferocidade desumana, além da ausência total de ética. A Revista Porcaria é pródiga em superar a sua já conhecida vocação para a tirania e a criminalidade que vicejam em suas pautas e em sua páginas.

Sempre a fim de realizar o jogo político sujo e mal cheiroso somente cabível na imprensa marrom, Veja se apresenta às bancas, à internet e aos seus assinantes de perfis e índoles "bolsonaristas" com a capa de sua última edição a chicotear a verdade, os fatos, a realidade e a ética. Mentirosa e incontrolavelmente agressiva, esta porcaria que se autodenomina como a principal revista do País, acusa Lula de ter responsabilizado sua esposa, dona Marisa Letícia, sobre as questões de triplex do Guarujá, que nunca pertenceu à família do ex-presidente. A verdade é que o Lula é acusado de ter o que nunca teve. É surreal, mas no Brasil dos últimos anos os processos de exceção são a tônica, porque os golpistas para garantir o poder precisam dar o golpe dentro do golpe, que se resume, pois primordial, impedir que Lula seja candidato em 2018.

As acusações sobre o apartamento do Guarujá são ridículas, mas perversas, porque causam sofrimento e dolo a quem é acusado de maneira injusta, o que somente é possível em um regime de exceção, a ter a democracia coberta por uma nuvem de fumaça para que os golpista possam realizar seus casuísmos e arbitrariedades. Na verdade, o problema da direita que comete crimes de golpe e de lesa-pátria não é o triplex do Guarujá ou o sítio de Atibaia. Trata-se do governo vitorioso e competente que o Lula realizou, bem como sua liderança natural e seu prestígio internacional incomoda a burguesia dona da casa grande e do status quo. O problema dessa gente é o Lula ser candidato a presidente.

O que está em jogo — os Civita, os jornalistas da Veja e os operadores da Lava Jato sabem disso como ninguém — não é triplex do Lula, que nunca pertenceu ao Lula, além de ser apartamento relativamente pequeno, de classe média e que a imprensa de mercado, golpista e a mais corrupta do planeta faz questão de apresentar o imóvel como se fosse um palacete, pois a intenção é confundir e manipular e, por conseguinte, fazer com que os coxinhas despolitizados, tresloucados e inconsequentes fiquem com raiva e formem juízos de valores que não coadunam com a verdade, mas cooperaram para demonizar o presidente Lula e o PT, partido e candidato favoritos às eleições presidenciais de 2018. E a Veja, o juiz Moro e todos os golpistas de todos os setores e segmentos da sociedade brasileira sabem disso, porque essa gente pode ser usurpadora, cínica e hipócrita, mas não é burra e muito menos ingênua.   

A capa e a matéria sórdidas de Veja denotam, inquestionavelmente, que a Última Flor do Fáscio, os Civitas e os lobos que trabalham em suas redações perceberam, no decorrer do depoimento de Lula ao Juiz Sérgio Moro, do PSDB do Paraná, que não existem provas reais e materiais de que o ex-presidente tenha cometido delitos, malfeitos ou crimes, o que causa grande transtorno e desespero a empresários predadores como os Civita e ao próprio establishment, que é o maior responsável pelo golpe contra o povo brasileiro, que teve seus votos cassados e a presidente legítima e constitucional, Dilma Rousseff, deposta.

Derrubaram criminosamente do poder a mandatária eleita legalmente e democraticamente, que obteve 54,5 milhões de votos. O Brasil encilhado e adequado ao consórcio de direita que tomou a Presidência de assalto é a Banânia, onde vicejam os bárbaros endinheirados e embriagados pelo poder. Eles não se subordinam ao jogo democrático e não respeitam os limites da Constituição e das leis e códigos, porque são golpistas sem votos e que não foram eleitos pela população e mesmo assim impõem um programa de governo ultraneoliberal, que foi derrotado quatro vezes nas urnas. Não se sentem compromissados com o povo, pois assumiram o poder com o apoio das oligarquias e da plutocracia internacional. E retiram direitos e garantias históricos da Nação brasileira.

Veja chafurda em sua própria imundície e exala, em forma de jornalismo, a farsa, a mentira, a perversidade e a total e completa falta de ética por intermédio de seu jornalismo digno de celerados e fanáticos em defesa dos mercados financeiros e do desmonte do Estado nacional. A capa e a matéria de Veja que tentam fazer de Lula um homem leviano, que chegou ao ponto de acusar sua mulher, dona Marisa Letícia, falecida recentemente, é um dos piores exemplos, se não for o pior, do que é capaz a união entre empresários e seus empregados para satanizar impiedosamente um cidadão, no caso o político e líder brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva.

Lula derrotou o Moro politicamente, mas é o juiz que faz o juízo e possui a caneta que poderá determinar a prisão do fundador do PT, afinal o juiz, que se mostrou, seletivo, provinciano e parcial, aparenta não se importar com os fatos e a realidade dos autos dos processos, pois se trata de um julgamento eminentemente político e não jurídico. Moro não é juiz; ele é político e, indubitavelmente, representa interesses alheios à vontade dos 54,5 milhões de brasileiros, que elegeram a presidente deposta Dilma Rousseff e que tiveram de engolir a força o golpe contra seus votos — as soberanias depositadas nas urnas.  

O juiz do Paraná foi de uma leviandade e de uma irresponsabilidade absolutamente questionáveis. Quando ele apresentou documento sem assinatura e outro com rasura o magistrado atingiu os píncaros da insensatez, da desfaçatez e do que imponderável. Não... Absolutamente não é normal. Chego a afirmar que algumas perguntas de Moro ao Lula, que evidentemente teve a cooperação dos procuradores do powerpoint leviano e mentiroso, porque simplesmente mentiroso e leviano, não passaram de provocações a um homem que deveria ser tratado com respeito e consideração por causa de seu passado e de seu presente, que serão honrados pelas páginas da história, independente de seus erros e equívocos humanos.

A condição humana é passível de cometer erros. Qualquer ser humano os comete, sendo que o Lula é o maior presidente da história do Brasil e um animal político ímpar, pois de rara existência. Cometer falhas e erros no decorrer da vida é uma coisa, agora ser taxado de criminoso sem sê-lo por causa de questões políticas, partidárias e ideológicas é outra coisa e bem diferente. Ter de aturar e ter de se defender diuturnamente de vazamentos criminosos promovidos por servidores públicos pagos pelo contribuinte é algo simplesmente inaceitável, não somente para o Lula, o PT e seus milhões de eleitores, mas, sobretudo, para a sociedade brasileira, mesmo àqueles que são contrários ao ex-presidente trabalhista e ao seu partido.

A Veja — a Última Flor do Fáscio — é fascista, portanto de estrema direita. Tal imundície exala o cheiro fétido da miserabilidade humana em toda sua plenitude e eloquência. A capa de Veja é a própria podridão de cores diabólicas. A revista, que não passa de um libelo de fanáticos do mercado de capitais, que depende do dinheiro público do governo golpista do traidor *mi-shell temer e dos governos dos  tucanos paulistas, esmerou-se para ser a mais torpe, sinistra e infame das publicações de direita e autoras do jornalismo de guerra e de opressão.

Veja não respeitou a memória de dona Marisa Letícia, esposa digna de Lula, mãe de cinco filhos, avó de oito netos e bisavó de um bisneto. Bárbaros e selvagens, os donos e os empregados de Veja, que dizem também exercer o ofício de jornalista, tratam da vida como se ela fosse apenas um jogo para ver quem ganha mais dinheiro e, consequentemente, adquirir poder e fartura para viverem iguais a nababos ou paxás ou sultões. Lutam, sobretudo, por dinheiro e tentam pautar todo e qualquer governo, inclusive os eleitos e os que não se submetem aos ditames das pautas e das agendas dos magnatas bilionários de imprensa, como são os casos de Lula, Dilma, Brizola, Jango e Getúlio.

Entretanto, nada importa, pois o País está a vivenciar um regime de exceção que para se transformar totalmente em uma ditadura só falta prender os oponentes do governo, exilá-los ou matá-los. Aqui neste País bananeiro de "elites" provincianas, subalternas, subservientes e que admiram, na maior desfaçatez e pobreza de espírito, seus complexos de vira-latas, só falta para fechar o cerco do golpe o impedimento de Lula concorrer à Presidência e, por sua vez, adiar as eleições de 2018 para o ano de 2020, e olhe lá.

E por que digo isto? Porque é perceptível, até mesmo para um coxinha celerado, despolitizado, mas conservador, que a direita estúpida e escravocrata brasileira não dará um golpe de estado travestido de legal e legítimo, como ora está a fazer o juiz Sérgio Moro, para depois largar o osso. Os golpistas vão lutar para permanecer no poder, já que viraram a mesa e sabem que são  tratados como párias de terceiro mundo pela comunidade internacional.

Afinal, eles se arriscaram e não vão deixar o poder por causa de derrota em eleição no ano que vem. Os golpistas, alguns de renome como o ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso, sujaram, indelevelmente, suas biografias e frequentarão as páginas infames da história. Golpistas vão até o fim e só saem do poder quando já em coma pela podridão de seus atos e de suas ações. É o verme a comer suas memórias já na antessala da história.

A Veja, o panfleto de espírito sicário e arrivista, sabe disso e, por seu turno, desrespeitou a memória da mulher de Lula, bem como se intrometeu na relação do casal, que foi casado durante décadas e que se dava bem, respeitavam-se. Quem dá autoridade para que jornalistas escrevam um lixo como o é essa matéria? O que pensam quem são esses jornalistas? Como podem a seus bel-prazeres e à margem de qualquer civilidade e respeito cometerem atos desatinados e dignos de boçais em frenesi ao verem sangue?

Respondo: compreenderam que Lula é maior do que eles pensavam e perceberam que o depoimento do ex-presidente ao Moro se transformou em tiros nos pés do sistema golpista que derrubou Dilma Rousseff e persegue caninamente e covardemente o Lula. Não existem provas, mas, sim, ilações e acusações desprovidas de conteúdos e materialidades. Porém, é preciso impedir Lula, inviabilizar sua candidatura, a não importar que a maioria do povo brasileiro o queira novamente na Presidência. Isto é apenas filigrana e "não vem ao caso", não é doutores Moro e Dallagnol, sendo que este estava ausente do depoimento, porque parece que o Lula gostaria de falar com o "intocável" sobre o powerpoint leviano e mentiroso de acusações frívolas e não fundamentadas, que tiveram apenas a finalidade de desconstruir a imagem do ex-presidente e causar danos à sua integridade moral.

A verdade é que o Brasil está a tratar de seu futuro, que não poderá, de forma alguma, ficar nas mãos de golpistas que tratam os brasileiros como seus inimigos, até porque as ações e atos do governo golpista de *temer são todos contra os interesses do País, do povo, dos trabalhadores e dos aposentados. Não houve uma única ação dos golpistas em prol do desenvolvimento do Brasil e das condições de melhorias nas vidas dos brasileiros. Tudo piorou, além de o governo composto por uma malta de ladinos e sacripantas estar mergulhado em um pântano de corrupção.

A revista Veja conseguiu mergulhar profundamente em seu próprio esgoto, com a capa "A segunda Morte de Marisa". Sem delongas e na maior cara de pau e cafajestada, a matéria de Veja acusa o Lula de "assassinar" a memória de sua esposa. Acusa o Lula ainda de culpar sua companheira de décadas, já falecida, pela compra do triplex do Guarujá, que nunca foi de Lula e de Marisa. Surreal e de uma covardia e molecagem sem precedentes. Nunca vi empresários e jornalistas tão covardes, irresponsáveis e inconsequentes. Simplesmente atroz!  

Como assim cara pálida? O Lula foi coerente e apenas repetiu o que disse em outro depoimento, em março de 2016 quando foi levado coercitivamente pela PF a uma sala no aeroporto de Congonhas e a dona Marisa Letícia estava viva. O líder popular afirmou na época que sua mulher possuía uma cota do imóvel, mas que a opção de compra não foi exercida. Ponto. Qual é o problema? Explico: o problema é que a Veja e os oligopólios privados de comunicação, à frente do linchamento a Globo, estão a criar uma nova narrativa, porque perceberam que não existem provas materiais de que Lula tenha cometido crimes.

Se não tem provas, os celerados e irresponsáveis da imprensa burguesa resolveram partir simplesmente para a demonização de Lula, afinal os coxinhas paneleiros de barrigas cheias e vestidos com a camisa da CBF corrupta não poderiam ficar sem notícias que apostam na demolição moral e política de Lula. É assim que funciona o Lawfare (perseguição jurídica) com o apoio irrestrito da mídia, que julga e condena publicamente o inimigo a ser derrotado ou destruído.

A mídia comercial e privada trata os coxinhas como se eles fossem viciados em drogas pesadas, porque é realmente uma droga o jornalismo de Veja e de suas coirmãs moedoras de reputações e de vidas. Esta droga pesada é composta por mentiras, leviandades, perversidades, irresponsabilidades, golpismo e bandidagem. Veja — a Última Flor do Fáscio — é, sem sombra de dúvidas, o verdadeiro, o genuíno e o autêntico jornalismo de esgoto. Lula vem aí. É isso aí.







Nenhum comentário:

Postar um comentário