quarta-feira, 24 de maio de 2017

24/5 - Os Amigos do Presidente Lula DE 23/5

Os Amigos do Presidente Lula


Posted: 23 May 2017 05:36 PM PDT


A revista britânica publicou nesta terça-feira (23) uma lista com os cinco presidentes com popularidade mais baixa do que a do controverso Donald Trump. O artigo é escrito por Ian Bremer, CEO da consultoria Eurasia.

Bastante polêmico, o presidente dos Estados Unidos tem um índice de aprovação inferior a 40% atualmente, bem menos do que os antecessores dele em seus primeiros meses de governo, mas nada pode ser comparado aos índices de outros políticos do cenário global, como é o caso dos cinco escolhidos pela “Time” – são eles, além de Temer, os presidentes Nicolás Maduro, da Venezuela, Jacob Zuma, da África do Sul, e os primeiros-ministros Najib Razak, da Malásia, e Alexis Tsipras, da Grécia.

Sobre Temer  a revista declarou: “ Temer descobriu que o emprego, que ele agora corre o risco de perder, não é nenhum passeio no parque”.

A revista aponta que as gravações da JBS aumentam a tensão política,  em um cenário que já estava em apuros antes delas virem à tona.

"A desaceleração da economia global e a quebra que acompanhou os preços das commodities atingiram fortemente o Brasil, provocando uma das piores recessões do país. O PIB caiu mais de 7% nos últimos dois anos, o desemprego triplicou, e pelo menos 3,5 milhões de pessoas que tinham sido tiradas da linha da pobreza nos anos de crescimento entre 2004 e 2014 voltaram a cair", diz o analista Ian Bremer. Leia também: A amizade de Temer com os Batista levou Junior Friboi para o PMDB
Posted: 23 May 2017 05:36 PM PDT


O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles falou nesta terça-feira (23) para uma plateia de empresários, no Seminário Financiamento e Garantias para a Infraestrutura, na Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), em São Paulo, e pediu a confiança de diversos setores para a retomada do crescimento econômico.

O curioso é que Meirelles falava diante de um painel que mostrava a empreiteira Odebrecht como uma das patrocinadoras do evento. A Odebrecht está no alvo da Lava Jato por participar de um grande esquema de corrupção, com pagamento de muitos milhões de reais em propinas, e é uma das principais responsáveis a levar a economia do país para o buraco.Leia também: A amizade de Temer com os Batista levou Junior Friboi para o PMDB
Posted: 23 May 2017 05:36 PM PDT

Em grampo, Reinaldo Azevedo chama reportagem da Veja de 'nojenta' e critica Janot para irmã de Aécio. Jornalista diz que divulgação de conversa com fonte fere garantia constitucional de sigilo da fonte. "Andrea estava grampeada, eu não. A divulgação dessa conversa me tem como foco, não a ela"

Passava da meia-noite de quarta para a quinta-feira, 13 de abril. De um lado da linha, está Andrea Neves, irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e presa pela Lava Jato. Naquele momento, os irmãos eram investigados e estavam sendo grampeados pela Polícia Federal, com autorização da Justiça.

Era o auge da delação da Odebrecht: horas antes, o Supremo Tribunal Federal havia divulgado a íntegra das acusações da empreiteira.Um dos políticos mais atingidos era Aécio. Do outro lado da linha, estava o jornalista Reinaldo Azevedo, titular de um dos blogs mais influentes do site da revista Veja.

Ao ser procurado pela reportagem do BuzzFeed, ele anunciou sua demissão da Veja e disse que, como não era investigado, a divulgação da conversa tinha o jornalista, e não Andréa Neves.

"Há uma agressão a uma das garantias que tem a profissão. A menos que um crime esteja sendo cometido, o sigilo da conversa de um jornalista com sua fonte é um dos pilares do jornalismo", escreveu.

A PF não considerou indícios de crimes na conversa realizada entre o jornalista e sua fonte, Andrea Neves. Mesmo assim, as gravações foram anexadas pela Procuradoria-Geral da República ao conjunto de áudios anexados ao inquérito que provocou o afastamento de Aécio e a prisão da irmã. O tom entre o colunista e a operadora do tucano é de cordialidade – o que não é incomum na relação entre jornalistas e as suas fontes.

O assunto é justamente as graves acusações contra Aécio, na delação da Odebrecht. É uma conversa mútua de críticas à Odebrecht, Lava Jato e até à revista Veja, sempre em defesa de Aécio.

Andrea Neves - Tudo bem e você?

Reinaldo Azevedo - Se eu não aguento mais, imagino vocês...



Andrea Neves - Virou uma salada de frutas, um negócio maluco.

Um dos assuntos discutidos é um dos pontos da delação da empreiteira. A acusação de que o empresário Alexandre Accioly, dono da academia Bodytech, emprestou uma conta em Cingapura para Aécio receber propina. O caso foi revelado pelo BuzzFeed. Ele nega as acusações.

Andrea Neves - Aí aparece uma história maluca, que já tinha aparecido um mês atrás mais ou menos naquele site BuzzFeed, dessa conta do Accioly em Cingapura. Que era, em tese, o mesmo dinheiro da minha em Nova York, que é o tal dinheiro da [usina] Santo Antônio. É essa coisa mágica, que ninguém consegue explicar, porque que o Aécio poderia ganhar uma bolada desse tamanho numa obra que é do governo federal. [...]

Com a divulgação pelo Supremo da delação de Henrique Valladares, citada na reportagem de capa, os dois passam então a criticar a revista.

Andrea Neves - Agora, que está acontecendo na Veja, o que o pessoal fez…

Reinaldo Azevedo - Ah, eu vi. É nojento, nojento. Eu vi.

Andrea Neves - Assinaram todos os jornalistas e vão pegar a loucura desse cara para esquentar a maluquice contra mim.

Reinaldo Azevedo - Tanto é que logo no primeiro parágrafo, a Veja publicou no começo de abril que não sei o que, na conta de Andrea Neves. Como se o depoimento do cara endossasse isso. E ele não fala isso.

Andrea Neves - Como se agora tivesse uma coleção de contas lá fora e a minha é uma delas.

Reinaldo Azevedo - Eu vou ter de entrar nessa história porque já haviam me enchido o saco. Vou entrar evidentemente com o meu texto e não com o deles. Pergunto: essas questões que você levantou para mim, posso colocar como se fosse resposta do Aécio?

Andrea Neves - Nós mandamos agora para a Veja uma nota para botar nessa matéria.

Reinaldo Azevedo - Não quer mandar para mim também?

Andrea Neves - Mando.

A irmã do senador e Reinaldo Azevedo começam então a criticar a Lava Jato. Ela afirma que a Procuradoria-Geral da República separou investigações contra Aécio para que ele fosse considerado o campeão de inquéritos.

Andrea Neves - Você tem vários casos, todos juntados. Como eles queriam que o Aécio aparecessem como campeão de inquéritos…

Reinaldo Azevedo - Sim, esse era o objetivo.

Andrea Neves - [...] É inacreditável, é uma covardia.

Reinaldo Azevedo - [...] É incrível, a Odeberecht agora virou a grande selecionadora de quem sobrevive e morre na política. A Odebrecht nunca teve tanto poder. É asqueroso. Me manda esse levantamento, me interessa, sim.

O levantamento citado no diálogo é uma compilação dos inquéritos que, segundo Andrea Neves, mostraria que Janot adotou um critério de caixa dois para os citados e outros para Aécio.

Entre os dias 13 e 14 de abril, foram dois textos publicados pelo jornalista sobre o tucano. O primeiro relata as acusações da Odebrecht e a posição da defesa. Já o segundo texto é em tom similar à conversa com Andrea Neves: "Janot aplica a Aécio critério de exceção, e inquéritos procriam!"

No final do diálogo gravado, há ainda uma crítica a Janot.

Reinaldo Azevedo - A gente precisa ter elementos objetivos de um certo senhor mineiro aí, cuidando da candidatura dele ou à presidência ou ao governo do Estado.

Andrea Neves - Como assim?

Reinaldo Azevedo - O nosso procurador-geral.

Andrea Neves - Você está achando?

Reinaldo Azevedo - Ôxi.. fiquei sabendo que está tendo conversas. Eu só preciso ter gente que endosse isso de algum jeito. Ter um pouco mais de elementos concretos. Que ele está, está. Presidência talvez não, mas o governo de Minas, sim.

Andrea Neves cita, em tom de chacota, a presidente do Supremo Tribunal Federal, Carmen Lúcia. Ela é mineira.

Andrea Neves - Vai disputar com a Carminha (risos).

Reinaldo Azevedo - Ah, deve ser né. Sua prima (risos).

A conversa se encerra.

No dia seguinte, a Polícia Federal registra novo diálogo. A gravação, contudo, registra uma conversação truncada, com as vozes dos dois se sobrepondo, logo no início da chamada. Reinaldo Azevedo e Andrea Neves declamam poemas um para o outro.

Primeiro, o jornalista cita o poeta Cláudio Manoel da Costa. “É um poema lindíssimo que ele fala justamente de uma coisa que eu constatei quando fui a Belo Horizonte. A cidade cercada de montanhas. E aí ele diz assim: essas montanhas poderiam ter endurecido o coração. Mas não, tiveram efeito contrário".

Andrea Neves declama então um trecho que havia decorado na infância: "Bárbara bela, do Norte estrela, que o meu destino sabes guiar, de ti ausente, triste, somente as horas passo a suspirar".

De repente, Andrea Neves corta o papo: "Reinaldo, posso te ligar num segundo? É que nós estamos com um problemão agora com o Jornal Nacional..."

Procurado, Reinaldo Azevedo anunciou que pediu demissão de Veja. Reportagem do site Buzzfeed
Leia também: A amizade de Temer com os Batista levou Junior Friboi para o PMDB
Posted: 23 May 2017 10:46 AM PDT

Filippelli, preso nesta manhã, é presidente do PMDB-DF. O vice dele é Odilon Aires, condenado a 9 anos de prisão na Pandora semana passada.Filipelli,  dividia sala com Rocha Loures
A nora de Tadeu Filippelli, ex-assessor especial do presidente Michel Temer, também trabalha para a Presidência da República. Desde 19 de julho do ano passado, Ericka Nogueira Filippelli é secretária de Articulação Institucional e Ações Temáticas da Secretaria de Políticas para Mulher, vinculada à Presidência. Ela é casada com Roberto, filho do ex-governador do DF e um dos principais articuladores de Temer.

Na manhã desta terça-feira, 23, Filippelli foi preso pela Polícia Federal na Operação Panatenaico, que investiga organização criminosa na fraude e desvio de recursos das obras de reforma do Estádio Nacional Mané Garrincha para a Copa do Mundo de Futebol de 2014.(Coluna Estadão) Leia também: A amizade de Temer com os Batista levou Junior Friboi para o PMDB

Posted: 23 May 2017 05:36 PM PDT

Deputado ligou para o cerimonial da Presidência e confirmou embarque junto com a comitiva cerca de duas horas após receber o dinheiro

o início da noite do dia 28 de abril, o deputado federal afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) recebeu uma mala com R$ 500 mil de um dos delatores da JBS, em uma pizzaria de São Paulo, como mostraram as últimas revelações da operação Lava Jato, feitas na semana passada.

Por volta de duas horas depois, ligações interceptadas pela Polícia Federal, com autorização judicial, mostram que o próprio Loures ligou para o cerimonial da Presidência da República e pediu para embarcar, junto com a comitiva de Michel Temer, para um compromisso em São Paulo. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do Palácio do Planalto.

A viagem de Loures e Temer aconteceu, de acordo com informações do portal Uol, no dia 30 de abril. O fato chama a atenção dos investigadores porque, segundo Joesley Batista, o deputado afirmou, em uma das gravações feitas pelo empresário, que era um emissário do presidente.

Rodrigo Rocha Loures e Temer são alvos de um inquérito que tramita no STF (Supremo Tribunal Federal) que apura a suposta prática de obstrução de Justiça e corrupção passiva. Na semana passada, uma decisão do Supremo afastou Loures de seu mandato como parlamentar.

Loures é suspeito de ter recebido propina da JBS para viabilizar nomeações e operações de interesse da companhia. Temer, por sua vez, é suspeito de ter indicado Loures ao empresário Joesley Batista para que ele intercedesse em favor de Joesley em assuntos de interesse do grupo. Ambos negam envolvimentos nos esquemas de corrupção.Leia também: A amizade de Temer com os Batista levou Junior Friboi para o PMDB
Posted: 23 May 2017 09:48 AM PDT

O ex-senador Delcídio do Amaral contou nesta segunda-feira (22) que prestou depoimento ao Departamento de Justiça Americano (DOJ) neste ano para responder questões relacionadas à Petrobras e à Operação Lava Jato. O relato foi feito na tarde de segunda, durante audiência na 13ª Vara Federal de Curitiba. Delcídio depôs como testemunha de acusação em um dos processos que envolvem o ex-presidente Lula

De acordo com o ex-senador, o depoimento foi solicitado pelo DOJ diretamente ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) brasileiro e aconteceu em Campo Grande. "Eu simplesmente mostrei ao longo da audiência que o processo que eu respondo é por obstrução de Justiça, então eu não tinha os detalhes que a própria Operação Lava Jato já investigou, já tomou conhecimento", relatou.

Delcídio também disse que achou "estranho" que representantes do governo norte-americano não tenham aparecido na sessão que, segundo ele, estava "esvaziada". Ele contou que o depoimento foi acompanhado apenas por um juiz, um representante do Ministério Público Federal (MPF) e por advogados da Petrobras.

Ainda segundo o ex-senador, as perguntas feitas durante o depoimento abordavam assuntos sobre os quais ele já havia respondido na delação premiada celebrada com o MPF. "Todos nós ficamos numa saia-justa danada nessa audiência, porque afinal de contas ninguém entendeu direito porque aquilo aconteceu lá em Campo Grande", afirmou.

O relato de Delcídio foi feito após a defesa de Lula perguntar se ele havia celebrado algum acordo judicial com autoridades norte-americanas. O ex-senador revelou detalhes do depoimento solicitado pelo DOJ, mas negou que tenha feito qualquer acordo.

Defesa de Lula protesta

No fim da tarde desta segunda-feira, pouco depois da audiência em Curitiba, a defesa de Lula emitiu uma nota assinada pelo advogado Cristiano Zanin Martins. No texto, ele afirma que as informações relativas ao depoimento de Delcídio ao DOJ estavam restritas ao conhecimento do MPF e da Petrobras.

"Sonegadas, portanto, à defesa, revelando a existência de um aparente processo paralelo, que veio a público apenas em função dos questionamentos feitos", diz a nota.

Martins afirma, ainda, que a audiência desta segunda-feira "provou o caráter frívolo da acusação, que é parte de uma estratégia de lawfare com o único objetivo de prejudicar a atuação política de Lula".

O depoimento prestado pelo ex-senador Delcídio do Amaral em Curitiba é parte do processo em que o MPF acusa Lula de receber vantagens indevidas da Odebrecht. A força-tarefa afirma que o ex-presidente foi beneficiado na compra de um terreno para a construção do Instituto Lula e de um apartamento no mesmo edifício onde ele vive, em São Bernardo do Campo.

Na mesma audiência, foram ouvidas mais duas testemunhas de acusação: o ex-executivo da Toyo Setal, Augusto Ribeiro; e o ex-presidente de Engenharia da Camargo Corrêa, Dalton Avancini. Leia também: A amizade de Temer com os Batista levou Junior Friboi para o PMDB
Posted: 23 May 2017 10:02 AM PDT


Caberá à PGR avaliar se pede ao Supremo para investigar o deputado do PSD. 

As investigações da Polícia Federal (PF) na Operação Panatenaico – que prendeu na manhã desta terça-feira (23) os ex-governadores José Roberto Arruda e Agnelo Queiroz – apontam que o deputado federal Rogério Rosso (PSD-DF) também recebeu dinheiro desviado das obras da reconstrução do estádio Mané Garrincha, em Brasília.

Em 2010, o parlamentar do PSD comandou o governo do Distrito Federal por oito meses em um mandato tampão após a renúncia de Arruda por conta dos desdobramentos da Operação Caixa de Pandora.

Em razão de Rosso ter foro privilegiado como deputado federal, as apurações envolvendo o deputado do Distrito Federal na Operação Panatenaico foram encaminhadas à Procuradoria Geral da República (PGR). Caberá ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, avaliar se pede ao Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar o parlamentar do PSD.

A operação é baseada nas delações premiadas de executivos da construtora Andrade Gutierrez. Os delatores revelaram que foi montado um esquema de corrupção para desviar recursos das obras do Mané Garrincha, que foi uma das sedes da Copa do Mundo de 2014.Leia também: A amizade de Temer com os Batista levou Junior Friboi para o PMDB

A PF diz que a reforma do estádio pode ter sido superfaturada em cerca de R$ 900 milhões. A obra, que estava orçada inicialmente em R$ 600 milhões, acabou custando cerca de R$ 1,575 bilhão.

O estádio de Brasília foi reerguido com dinheiro da Terracap, a empresa pública responsável pela gestão do patrimônio imobiliário do Distrito Federal.

Posted: 23 May 2017 09:43 AM PDT

O deputado Rocha Loures (PMDB-PR) entregou à Polícia Federal, em São Paulo, a mala dos R$ 500 mil da JBS.

O parlamentar, aliado do presidente Michel Temer (PMDB), foi flagrado na noite de 24 de abril, em São Paulo, saindo apressado do estacionamento de uma pizzaria nos Jardins, carregando uma mala preta com R$ 500 mil em dinheiro vivo. Agentes da Polícia Federal o seguiam e o filmaram.

As imagens mostram Rocha Loures desconfiado, olhando para os lados, em direção a um táxi que o aguardava na Rua Pamplona, com o porta-malas aberto.

Rocha Loures teve a prisão pedida pela Procuradoria-Geral da República. O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, negou a prisão do aliado de Temer, mas decretou seu afastamento do mandato. Leia também: A amizade de Temer com os Batista levou Junior Friboi para o PMDB

Posted: 23 May 2017 10:08 AM PDT


Interceptação telefônica feita pela PF registra conversa de Fred, primo preso do senador tucano, na qual ele fala sobre o aeroporto de Cláudio, em Minas
Uma interceptação telefônica feita pela Polícia Federal no mês passado flagrou uma conversa de Frederico Pacheco de Medeiros, primo do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG), na qual ele sugere a interlocutor que a chave do aeroporto de Cláudio, município do centro-oeste de Minas Gerais, estaria com um segurança de Aécio.
O aeroporto começou a ser construído pelo governo de Minas durante a gestão de Aécio em uma área que pertencia a um tio-avô seu. A obra foi concluída em 2010, quando o tucano já havia deixado o governo. Ao custo de R$ 13,9 milhões, a pista fica próxima a uma fazenda da família Neves.

Em uma ligação de 13 de abril, interceptada pela PF, Fred diz a um interlocutor não identificado que a chave do aeroporto estaria com o segurança de Aécio.

“Se o Duda tá descendo no avião alguém vai abrir o portão pra ele ou não?”, pergunta o interlocutor não identificado. “Sim, já deve ter aberto… ele já deve ter saído e já deve ter fechado”, responde Fred. “E quem que é essa bênção de pessoa?, continua o interlocutor. “Deve ser o segurança do Aécio”, diz Fred. “Ah, ele tem a chave?”, insiste o interlocutor. “Deve ter.. tô imaginando na condição de alguém for lá abri-lo…Eu não sei nem se vai, mas deve…Passa lá na porta”, conclui Fred.

O diálogo consta de um relatório da Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado da PF que foi anexado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ao pedido de abertura de inquérito contra Aécio no Supremo Tribunal Federal (STF) no âmbito da Operação Patmos, a partir da delação premiada feito pelo grupo JBS.

O primo de Aécio foi preso na quinta-feira passada, 18, após ser filmado buscando uma mala com R$ 500 mil em propina da JBS, supostamente a pedido do senador.

Quando o caso do aeroporto de Cláudio foi revelado, em 2014, Aécio admitiu usar as pistas do local quando visitava a fazenda da família na região, mas disse desconhecer o fato de que a chave do portão ficava com sua família. O local é administrado pela prefeitura de Cláudio.

À época, o aeroporto ainda não tinha homologação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o que só ocorreu em 2016. Um ano antes, o Ministério Público de Minas Gerais já havia decidido arquivar a investigação sobre a construção do aeroporto alegando que não havia irregularidades nem desvio de finalidade na obra. Estadão,Leia também: A amizade de Temer com os Batista levou Junior Friboi para o PMDB
Posted: 23 May 2017 05:36 AM PDT


Preso na última semana depois de ser flagrado pela Lava-Jato carregando malas de dinheiro da JBS para o senador Aécio Neves (PSDB-MG), Frederico Pacheco é primo distante do tucano. Mas a relação de confiança e a cumplicidade estabelecida em mais de 20 anos com o parente sempre o colocou no círculo mais íntimo dos Neves. Nos anos 90, Pacheco era sócio do então marido de Andrea Neves em uma empresa de comunicação, relação que se fortaleceu quando virou secretário parlamentar na Câmara dos Deputados presidida por Aécio (2001 e 2002).

A eleição do tucano ao governo de Minas, em 2003, elevou-o ao cargo de secretário-adjunto de Estado, sob tutela de Danilo de Castro, o principal operador político dos anos Aécio. Esteve no cargo até 2006, quando assumiu o posto de secretário-geral do governador (2007-2010). Sua função era cuidar da agenda do tucano.

Dados oficiais apontam que seu salário no governo variou entre R$ 7,5 mil e R$ 10 mil. Mas ele, segundo O Globo apurou, enriqueceu plantando eucalipto no norte de Minas e sendo beneficiário de um programa do próprio governo, na mesma época em que era secretário de Aécio.


Pacheco recebeu de graça mudas, insumos e assistência técnica para plantar eucalipto em sua fazenda por meio de uma ONG credenciada no estado para realizar projetos de reposição florestal, financiados por isenção fiscal da indústria madeireira.

Em seu primeiro ano no cargo, ele investiu R$ 33 mil na compra de um terço de fazenda da Agropecuária Rancho do Campo, localizada em Minas Novas, na região do Vale do Jequitinhonha. Dez anos depois, ele vendeu por R$ 2,4 milhões sua participação a um grupo de investidores.

A ONG Apflor, que plantou eucalipto de graça na fazenda, funcionava no mesmo de endereço de outra empresa de Frederico, a Tropical Timber Agro-Florestal, que também investiu na produção de eucalipto. O gestor da ONG, Ricardo Vilela, confirmou ter realizado projetos de reposição florestal na fazenda de Pacheco. Segundo ele, os investimentos da ONG em várias propriedades implicaram em renúncia fiscal para empresas equivalente a R$ 29 milhões, entre 2004 e 2010.

No seu período no governo, Pacheco adquiriu outras cinco propriedades rurais, algumas delas em sociedade com Frederico Lodi, dono da Topus Construtora, fornecedora do governo de Minas. Entre 2005 e 2013 a empresa recebeu R$ 61 milhões em contratos com o estado. Lodi não retornou os contatos do GLOBO. Pacheco comprou ainda, no período, pelo menos 1,4 mil cabeças de gado, investiu em café e na aquisição de terrenos em Cláudio (MG), sua terra natal. Lá ele construiu fazenda vizinha à de Aécio Neves, com cave e campo de futebol. O defensor de Pacheco, Ricardo Ferreira de Melo, informou não se posicionar sobre o cliente, por não conhecer nem mesmo “a decisão que decretou a custódia cautelar".

Em 2011, Aécio passou o bastão à Anastasia e Pacheco virou diretor de gestão empresarial da Cemig, estatal de energia. Coordenador financeiro de Aécio na disputa de 2014, cuidava de questões práticas e de logística, principalmente envolvendo dinheiro.

Em raro momento de aparição em frente às câmeras, Pacheco aparece cantando ao lado de Aécio, em uma roda de viola, a música preferida do tucano, “Tocando em frente”, de Renato Teixeira. Gravado em 2006. O Globo Leia também: A amizade de Temer com os Batista levou Junior Friboi para o PMDB




Nenhum comentário:

Postar um comentário