quinta-feira, 25 de maio de 2017

25/5 - Blog " DE CANHOTA" de HOJE

De Canhota


Posted: 25 May 2017 09:30 AM PDT
A Greve Geral mostrou a nossa força e, provavelmente, convenceu a Globo a detonar Temer antes que ele caísse pelas mãos do povo. Ontem, a brutal repressão em Brasília contra a manifestação popular mostrou duas coisas diferentes mas convergentes: Temer chamando o Exército para tentar continuar como um aborto de ditador civil. E a ação da base parlamentar golpista e a cobertura da Globo tentando desmoralizar a manifestação pacífica, tumultuada apenas por provocadores e pela repressão, para defender eleições indiretas. A convergência está nas reformas trabalhista e da Previdência, prioritárias em ambos os casos.

Tudo indica que a ditadura tabajara de Temer não vai se sustentar e que ele será afastado da presidência ou pela renúncia ou pelo TSE, no dia 6 de junho. Até lá eles não conseguirão votar as reformas e usarão esse tempo para se entenderem em relação ao nome a ser eleito pela maioria corrupta do Congresso, algo que o cidadão comum já começa a repudiar.

Toda essa desesperada movimentação dos “de cima”, cuja causa principal está justamente no crescimento da mobilização popular nas ruas, torna muito estranha a opinião de setores do PT de imaginarem uma saída da crise por meio das eleições indiretas. Seria uma espécie de negação da nossa acertada decisão de não participar do Colégio Eleitoral em 1985. Caso isso aconteça, o que não acredito, seria a ascensão de um “PT” de centro, de um setor do partido que esteve muitíssimo forte durante os governos Lula e Dilma.

O centro da conjuntura está claro como água. Ou diretas Já ou eleições indiretas para continuarem o golpe e aprovarem as reformas antipovo. Não existe aí terceiro caminho, atalho ou jeitinho “democrático”. Só rua, rua e mais rua, mesmo com toda a repressão. Vamos organizar nova Greve Geral e avançar antes que o inimigo recomponha suas forças.


Val Carvalho é militante histórico do Partido dos Trabalhadores (PT).
Posted: 25 May 2017 07:57 AM PDT
Publicado originalmente no Opera Mundi.


A mídia monopolista e o governo usurpador tratam de inventar sua narrativa sobre a formidável mobilização sindical e popular que tomou conta de Brasilia desde o final da manhã.

Seu esforço é marcar o protesto como bagunça e vandalismo, em manobra para ocultar sua dimensão e propósito.

O que assistimos foram mais de 100 mil trabalhadores de todos os cantos do país marchando para a capital com o intuito de lutar, organizada e pacificamente, contra o governo Temer, as reformas da previdência e trabalhista, por diretas já.

As forças repressivas desde ontem preparavam uma emboscada contra o direito de manifestação dos trabalhadores, armando provocações e se preparando para reprimir o ato como cães selvagens.

Um pequeno grupo de mascarados, infiltrado na marcha, foi escalado ou estimulado para servir de pretexto às cenas de repressão inconstitucional promovidas pela PM do DF e a Força Nacional.

Se não fosse esse o pretexto, outro seria.

O governo estava decidido a reprimir os trabalhadores e demonstrar que ainda controla o monopólio estatal da violência.

Não foi à toa que, rapidamente, depois de suposto pedido do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, logo desmentido pelo próprio parlamentar, Temer promulgou decreto que permite a convocação das Forças Armadas para enfrentar o povo em luta, pela primeira vez desde a redemocratização.

Seria insensatez se homens e mulheres de esquerda, caindo no jogo do governo usurpador e da mídia conservadora, aceitassem discutir a versão de vandalismo e violência que se vende ao país, transformando os black blocs no assunto do dia.

Hoje foi uma data histórica.

Antes de mais nada, porque os trabalhadores ocuparam a capital da república e fizeram ouvir sua voz.

Mas também porque o governo e seus aliados revelam, de uma vez por todas, seu caráter antidemocrático e golpista, ao jogar tropas policiais contra manifestantes, além de acenar com a convocação do Exército.

No mais, não tenhamos ilusões. Como em todo processo golpista, o povo irá lutar e o os usurpadores irão reprimir. Teremos choques, conflitos e tensões gravíssimas.

Onde está escrito, afinal, que resistir à usurpação seria tranquilo como um passeio no parque?


Breno Altman é jornalista e diretor editorial do site Opera Mundi.
Posted: 24 May 2017 04:29 PM PDT
Fala do camarada Vitor Guimarães, coordenador do MTST-RJ, atingido por bomba no rosto durante a repressão na marcha em Brasilia.



Vídeo da Mídia Ninja.
Posted: 24 May 2017 04:08 PM PDT
Nas imagens abaixo, é nítido que a Polícia Militar do Distrito Federal usa armas de fogo contra os manifestantes. Isso é gravíssimo! A PM-DF precisa ser investigada e denunciada aos órgãos internacionais, bem como o Governo de Brasília.

Posted: 24 May 2017 02:47 PM PDT
- O Poder Judiciário está completamente ensandecido. Amplia-se o estado policial no país, com a delação e o grampo entrando por todos os cantos da vida nacional, introduzindo a desconfiança em todas as relações sociais e convertendo o país no paraíso dos criminosos delatores;

- Com Temer ou sem Temer, a camarilha de canalhas comandados pelo estabilishment político-financeiro quer continuar destruindo direitos e a soberania nacional. Levantando uma bola pra debate, pode ser que o governo ilegítimo com essa decisão de acionar as forças armadas para fazer a segurança de Brasília até o dia 31/05, esteja armando para votar a reforma da previdência com a capital sitiada. O problema de acionar as forças armadas em meio a esse caos político é que os golpistas podem ter aberto a caixa de pandora. A ver;

- Não podemos deixar de exaltar a força de organização e mobilização da classe trabalhadora na marcha à Brasília. Foi um ato importante, robusto e que mostrou que não estamos mortos.

Abraços, 
Daniel Samam

Nenhum comentário:

Postar um comentário