sábado, 27 de maio de 2017

27/5 - Os Amigos do Presidente Lula DE 26/5

Os Amigos do Presidente Lula


Posted: 26 May 2017 02:39 PM PDT


                     Jornal francês chama presidente de cadáver político, fraco e impopular

A edição impressa do jornal francês Libération desta sexta-feira (26) traz uma matéria intitulada  "Brasil: Temer, o destituidor, prestes a ser destituído".

A reportagem diz que agora é a vez do presidente que articulou o impeachment de Dilma Rousseff passar pela mesma situação, já que está envolvido em suspeitos casos de corrupção.

O diário destaca que 35 mil pessoas pediram sua renúncia na última quarta-feira (24), em Brasília e descreve Michel Temer como "um presidente fraco e impopular" que hoje, segundo ela, é "quase um cadáver político".

Libération afirma que as investigações da operação Lava Jato, que tiraram Dilma Rousseff da presidência podem destituir um segundo chefe de Estado em menos de um ano e lembra que o presidente brasileiro é acusado de corrupção, participação em organização criminosa e obstrução do trabalho da justiça, "situação inédita protagonizada por presidente desde Fernando Collor, em 1992".

Para o noticiário, a decisão de Temer de convocar o Exército para conter as manifestações foi algo "extremo, que fez os brasileiros lembrarem dos anos de ditadura militar". Se o recurso deveria ser uma demonstração de força, ele sobretudo destacou a a fragilidade de Temer.

"Seria essa uma vingança do destino contra o homem que puxou o tapete de Dilma?", questiona o jornal.

As articulações para substitui-lo já começaram até mesmo dentro de seu próprio partido, finaliza Libération.
Posted: 26 May 2017 12:43 PM PDT

O pedido de demissão de Maria Silvia Bastos do BNDES, em meio à grave crise no governo Michel Temer, ou é o início do desembarque ou pode ter como motivação algum fato grave no banco que ela, nesse um ano de comando, não conseguiu apurar e estancar.

 A presidente do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento), Maria Silvia Bastos, pediu demissão do cargo na tarde desta sexta-feira (26), em reunião com Michel Temer, no Palácio do Planalto. Em sua carta a Temer, ela alegou "razões pessoais" para deixar o cargo que ocupou durante quase um ano no comando do banco.

A saída de Maria Silvia Bastos é mais uma das baixas no governo, depois das delações de Joesley Batista, dono da JBS, incriminando Temer. Em pouco mais de uma semana, o governo perdeu os ministros das Cidades, Bruno Araújo (PSDB), da Cultura, Roberto Freire (PPS), e quatro assessores da Presidência da República, entre eles Sandro Mabel (PMDB), Rodrigo Rocha Loures (PMDB) e Tadeu Filippelli (PMDB).

Loures está diretamente envolvido no caso da mala de R$ 500 mil entregue por um executivo da JBS e foi afastado do mandato parlamentar. Já Filippelli foi preso pela Polícia Federal nesta terça-feira (23), acusado de participar de um esquema de superfaturamento nas obras do estádio Mané Garrincha, em Brasília. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário