terça-feira, 30 de maio de 2017

30/5 - Pragmatismo Político DE 29/5

Pragmatismo Político


Posted: 29 May 2017 06:47 PM PDT
onu condena massacre brasília diretas já temer fora
O Ministério de Relações Exteriores chamou de “desinformado e tendencioso” o comunicado conjunto de imprensa emitido pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) e pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), no qual as entidades condenaram o uso excessivo da força por parte da Polícia Militar para reprimir protestos e manifestações no Brasil. Além disso, os dois órgãos também condenaram a violência policial em operações de segurança no espaço urbano e no marco do conflito de terras.
Para o Itamaraty, as entidades não se “preocuparam com a ameaça à segurança de funcionários públicos e de manifestantes pacíficos sujeitos a violência sistemática”. De acordo com o Ministério de Relações Exteriores, o vandalismo ocorrido em Brasília, durante o ato #OcupaBrasília, foi premeditado. A manifestação que pedia a saída de Michel Temer (PMDB) da presidência, bem como ocorria contra as reformas trabalhista e previdenciária, terminou em pancadaria e prédios públicos depredados. Pelo menos sete pessoas foram detidas e 49 ficaram feridas.
Durante o ato, Temer convocou, por meio de decreto revogado em menos de 24h devido a polêmica, as Forças Armadas, que inicialmente atuaria até o dia 31 de maio na capital. A nota do Itamaraty chama de “leviano” e “fantasioso” o comunicado emitido pelas entidades e diz que os órgãos “querem induzir a crer que o Brasil não dispõe de instituições sólidas, dedicadas à proteção dos direitos humanos e alicerçadas no estado democrático de direito”.
Diante do confronto entre policiais e manifestantes e do uso das Forças Armadas, a ONU ressaltou que é papel do governo garantir a integridade física e os direitos dos manifestantes e impedir medidas que possam gerar uma escalada na violência.
Instamos o Estado brasileiro a redobrar seus esforços para promover o diálogo e proteger o direito à manifestação pacífica”, disse o representante para América do Sul do ACNUDH, Amerigo Incalcaterra. “A manifestação pacífica é uma forma de participação própria das sociedades democráticas, onde as pessoas podem exigir seus direitos humanos e exercer ativamente suas liberdades de opinião e de expressão”, acrescentou.
Os dois organismos condenam todo ato de violência e urgem os manifestantes a exercer seus direitos à livre manifestação de forma pacífica, ao mesmo tempo em que reafirmam que a ação das forças de segurança deve respeitar a todo momento as normas internacionais de direitos humanos”, diz trecho do comunicado emitido.
Além disso, o governo brasileiro diz que o comunicado “beira a má-fé” ao citar o episódio de violência agrária no sul do Pará. “Não tem qualquer relação com os acontecimentos do último dia 24 e que, além disso, já está sendo apurado por autoridade competente no quadro da legislação brasileira”.
Leia íntegra da nota emitida pelo Itamaraty:
Nota à imprensa
O governo brasileiro repudia, nos mais fortes termos, o teor desinformado e tendencioso do comunicado conjunto de imprensa emitido hoje pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) e pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH).
Causa espanto a leviandade com que o ACNUDH e a CIDH fantasiosamente querem induzir a crer que o Brasil não dispõe de instituições sólidas, dedicadas à proteção dos direitos humanos e alicerçadas no estado democrático de direito. A nota afasta-se dos princípios que devem fundamentar a ação desses órgãos, entre os quais o elementar respeito à verdade dos fatos.
Em momento algum os autores da nota se preocuparam com a ameaça à segurança de funcionários públicos e de manifestantes pacíficos sujeitos a violência sistemática e claramente premeditada. Os eventos do último dia 24 de maio foram contaminados pela ação organizada de criminosos que depredaram os prédios dos Ministérios da Cultura, da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura, incendiando alguns, pondo em grave risco a integridade física de pessoas.
A pronta resposta do governo federal, a começar pela retirada em segurança de pessoas da área conflagrada, sempre amparada na Constituição Federal e nos princípios internacionais de defesa dos direitos humanos, garantiu a integridade física de milhares de servidores públicos e de manifestantes pacíficos que foram aterrorizados por atos de vandalismo e agressão premeditada.
Em atitude que beira a má-fé, a nota evoca episódio de violência agrária no sul do Pará, que não tem qualquer relação com os acontecimentos do último dia 24 e que, além disso, já está sendo apurado por autoridade competente no quadro da legislação brasileira. Da mesma forma, o governo brasileiro lamenta que a ação das autoridades de São Paulo, que tampouco guarda relação com o ocorrido em Brasília, seja capitalizada pela nota, cinicamente e fora de contexto, para fins políticos inconfessáveis. O combate ao tráfico de drogas, bem como o apoio a dependentes químicos, enseja atuação da máxima seriedade, que é a marca das reconhecidas políticas públicas brasileiras no enfrentamento ao problema mundial das drogas.
O governo brasileiro atua amparado na Constituição Federal e de acordo com os princípios internacionais de proteção aos direitos humanos. É surpreendente e condenável que nota subjetiva e distante da realidade sacrifique o compromisso de seriedade e imparcialidade de organismos internacionais cuja ação o Brasil apoia e promove.”
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post ONU condena massacre contra manifestantes brasileiros e Michel Temer contesta apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 29 May 2017 06:40 PM PDT
Ato histórico rio de janeiro diretas já 100 mil pessoas
Ato histórico (Imagem: Pragmatismo Político)
O ato que levou mais de 100 mil pessoas à praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, neste domingo (28), para exigir a saída do presidente Michel Temer (PMDB), ganhou destaque na imprensa internacional. Os jornais europeus frisaram o crescente descontentamento da população com o atual governo, que registra menos de 5% de popularidade, e também destacaram a beleza do cenário do protesto que, apesar do mau tempo, congregou manifestantes e músicos em uma pauta única. A mídia argentina registrou a participação de um casal que agora sai unido para protestar contra Temer, ante a polarização das manifestações contra Dilma, que os separava anteriormente.
Com a manchete O grito por novas eleições no Brasil toma a praia de Copacabana, o jornal espanhol El País destacou a participação de estrelas internacional, como o cantor Caetano Veloso e o ator Wagner Moura, reconhecido mundialmente por interpretar o megatraficante Pablo Escobar, na série Narcos. “Um, dois, três, quatro, cinco, mil, queremos eleger o presidente do Brasil“, entoou o ator junto com a multidão.
Também lembrou que o protesto ocorreu em um dos cenários mais conhecidos do país, que, há não muito tempo, registrava mobilizações pela saída da então presidente Dilma Rousseff.
O jornal lembra que a Constituição brasileira prevê a realização de eleições indiretas, caso o presidente seja retirado após decorridos dois anos do mandato, mas ressalta a insatisfação popular com essa possibilidade. “O problema de que não haja candidatos que nos representem, nem agora, nem em 2018, não justifica eleições indiretas“, assinala uma manifestante ouvida pelo jornal.
A BBC destacou que a névoa que encobria a praia de Copacabana não impediu que milhares saíssem às ruas, em protesto tipicamente brasileiro, misturando samba e política, para pedir a saída de Michel Temer.
Os ingleses assinalam a rotina de escândalos, mas destacam que as últimas semanas registraram “tumultos” na cena política após a divulgação dos áudios envolvendo o presidente e um empresário em conversar suspeitas, que deixou “o povo com raiva“. Especialista ouvido pela BBC classificou Temer como um “pato manco”(lame duck, no original), expressão usual que identifica presidente em final de mandato com poderes reduzidos, à espera de um sucessor.
O alemão Deutsche Welle, em sua página em inglês, anotou que artistas se uniram aos manifestantes, com destaque para o vencedor do Grammy Caetano Veloso, para pedir a saída do presidente Michel Temer, que sustenta cerca de 5% de aprovação apenas.
Já o argentino La Nación acompanhou um casal que, no ano passado, saiu às ruas separadamente, ela para pedir a saída da então presidenta Dilma Rousseff, e ele, em sua defesa, e que, neste domingo (28) foram juntos ao protesto, em Copacabana, pela saída do presidente Michel Temer.
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Mais de 100 mil participaram do ato histórico pelas Diretas Já no Rio de Janeiro apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 29 May 2017 10:29 AM PDT
Aécio Neves senadores defenderam inocente corrupção
Aécio Neves e senadores (Imagem: Pragmatismo Político)
Fábio Góis, Congresso em Foco
Entre os rituais do Senado – instituição inspirada na Câmara dos Lordes da Inglaterra e tida como a expressão máxima do Legislativo brasileiro – talvez o mais teatral deles seja os apartes em plenário como oferenda a discursos de senadores sob graves denúncias de corrupção. Só as acusações com potencial destrutivo considerável merecem ser levadas ao púlpito em que já discursaram Rui Barbosa, Darcy Ribeiro, Juscelino Kubitschek, Artur da Távola. Mas, ultimamente, não tem sido bom negócio tecer loas a quem tenta se justificar na tribuna, geralmente com discursos bem pensados e escritos, para dias depois vir a ser desmascarado pelos fatos.
Aconteceu com Demóstenes Torres. Representante do DEM no Senado entre 2003 e junho de 2012, quando foi cassado, o ex-senador era um procurador respeitado no estado de Goiás e representava a mão pesada da lei até virem à tona suas relações nada republicanas com Carlinhos Cachoeira, contraventor conhecido da mesma Justiça que Demóstenes dizia defender.
Na tentativa de se defender das acusações de que atuava no Congresso para, entre outras coisas, defender os interesses do amigo bicheiro, Demóstenes recebeu em plenário nada menos que 44 apartes calorosos de senadores até então confiantes em sua inocência – entre os quais parlamentares respeitados como Eduardo Suplicy (PT-SP), Cristovam Buarque (na época, no PDT do Distrito Federal) e Pedro Simon (PMDB-RS). Deu no que deu: o parlamentar goiano não só foi cassado, mas posteriormente condenado, em 24 de abril de 2013, à pena de aposentadoria compulsória com vencimentos mensais de R$ 22 mil – para muitos, mais um prêmio do que uma sentença judicial. Ele ainda tenta voltar à ativa no Ministério Público de Goiás.
Há menos de um mês, em 4 de abril, o roteiro se repetiu. Fustigado por diversas acusações de corrupção e alvo de seis inquéritos no STF, o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) convocou seus pares para o discurso de defesa e a conhecida rodada de apartes de solidariedade. Na ocasião, contestou com veemência reportagem da revista Veja sobre pagamento de propina da Odebrecht por meio de uma conta em Nova York. Aqui neste compêndio de apartes, o objetivo deste site não é entrar no mérito da matéria jornalística, mas lançar luzes sobre o espírito de corpo que une as excelências.
Campeão de citações de delatores e investigações na Operação Lava Jato, Aécio foi à tribuna do plenário e, a plenos pulmões, anunciou que iria à Justiçapunir os culpados” pelo vazamento de informações sigilosas. “Mostrem o banco, mostrem a conta, e essa farsa ficará desmascarada de forma definitiva!”, desafiou, diante de colegas prontos para aparteá-lo no que já é uma sessão histórica de bravatas e poses para as lentes do Senado.
Reveja o discurso no vídeo:
Resultado: o discurso pela moralidade ruiu definitivamente quando Joesley Batista, dono do Grupo JBS e um dos mais temidos delatores da Lava Jato, gravou conversa em que o tucano lhe pede secretamente R$ 2 milhões. Mas não era um inocente pedido de empréstimo, segundo investigadores da força-tarefa, mas uma trama de corrupção que, enfim descoberta, terminaria por levar a própria irmã e mentora, Andréa Neves, além de um primo, para trás das grades em 18 de maio, onde estão até hoje. O próprio tucano está sob ameaça de prisão, à espera de julgamento do STF a partir de pedido formulado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.
Como este site fez, em 2012, por ocasião do famigerado discurso de Demóstenes, confira abaixo a uma seleção de frases de todos os senadores que defenderam Aécio Neves em plenário. O primeiro foi Paulo Bauer (PSDB-SC), atualmente líder do partido no Senado, que pediu aparte em meio a aplausos para o colega tucano.
A cena durou pouco mais de uma hora e adentrou o horário da ordem do dia, quando são votadas matérias de interesse público em plenário. Aécio discursou entre 16h12 e 16h30 daquela tarde de terça-feira. São 13 senadores a desfilar seu apreço pelo senador mineiro – seis do PSDB, três do PMDB, dois do PSB, um do DEM e um do PPS. Do fim de sua fala ao encerramentos dos apartes (listados abaixo em ordem cronológica), pouco depois das 17h20, transcorreu-se quase uma hora de loas. Vamos a elas.
Paulo Bauer (PSDB-SC)
Vossa excelência, para nós do PSDB, é um político honrado, é um líder nato. E, acima de tudo, um grande companheiro, que merece nossa solidariedade, nosso apoio. Vai continuar tendo o nosso apreço, e acima de tudo, a nossa fidelidade à sua liderança aqui, no Senado, e no nosso partido
Tasso Jereissati (PSDB-CE)
Compartilho da sua indignação, porque, tenho certeza absoluta, para homens sérios, homens de bem, não somente políticos, mas políticos principalmente, não existe nada mais sério, nenhuma acusação, nenhuma derrota mais vil do que ver a sua honra, a sua reputação sendo tentada a ser manchada.”
Antônio Anastasia (PSDB-MG)
A covardia não tem tamanho. Nós, que assistimos ao vídeo dela [Andréa Neves] em especial, tocado de uma emoção genuína, aquilo doeu fundo no nosso coração e na nossa alma. O que é a injustiça! O que é a maldade! A que ponto a maldade humana chegou para fazer isso!
Flexa Ribeiro (PSDB-PA)
Eu diria que sua ida à tribuna para fazer o pronunciamento que fez, para quem o conhece, não seria necessária. Mas vossa excelência vem à tribuna e fala para o Brasil, demonstrando que construiu uma vida de retidão, com caráter, ao longo de toda a sua caminhada. E, através de um momento, de um vazamento seletivo, vem e coloca essa situação que o Brasil inteiro, de forma atônita, vê acontecer ao longo desse tempo todo.”
José Agripino (DEM-RN)
O Aécio Neves cidadão, de hábitos moderados, não tem nada de hábito de homem rico, nem de homem que convive com a opulência, nada disso. Eu digo isso com o sentimento de quem precisa prestar um testemunho no momento de dificuldade que vossa excelência vive, por uma acusação que eu reputo injusta. Um depoimento de uma pessoa que convive há seis anos e conhece o seu dia a dia, que vai à sua casa – você vai à minha casa, eu conheço os seus hábitos, sei qual é o carro que você usa, sei qual é o vinho que você bebe. Não existe nada que o coloque no patamar dos opulentos, dos que convivem com a improbidade. Nada.”
Raimundo Lira (PMDB-PB)
Eu estava saindo domingo [2/abr], em torno de 11h30 da manhã, para a missa, com a minha esposa, Gitana, e notei que ela estava lacrimejando os olhos. E eu disse: ‘Gigi, o que é que está acontecendo com você’? E ela disse: ‘Acabei de ver e ouvir o vídeo de Andréa, irmã de Aécio Neves, e fiquei convencida de que ele foi vítima de uma injustiça’ […] aceite o abraço, a solidariedade e o reconhecimento a vossa excelência, de toda minha família.”
Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE)
Conhecendo a trajetória de vossa excelência, só poderia responder a esse ataque falando da sua vida, das suas raízes. Vossa excelência não é um político qualquer, tem berço, formação, serviços prestados ao seu Estado e ao Brasil. […] Eu não poderia me furtar de trazer essa palavra de solidariedade, de apreço, de reconhecimento, e dizer a vossa excelência: cabeça erguida, peito aberto, para enfrentar as mentiras, as meias verdades, mas também para se afirmar como político, para defender a sua biografia, os seus valores e para que a política não se apequene no nosso país.”
Ataídes Oliveira (PSDB-TO)
Acredito que, depois dessa tempestade, depois dessa dor toda que vossa excelência está passando e a sua família – eu também vi o vídeo da sua irmã Andréa –, depois de toda essa tempestade, virá a bonança, e o joio vai ser separado do trigo.”
Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN)
O que vossa excelência está enfrentando é, certamente, uma perseguição daqueles que não querem vê-lo, novamente, disputando os cargos que sempre disputou – principalmente o mais elevado deles, que foi o da Presidência da República. Fique vossa excelência certo de que esses vazamentos assim feitos, da maneira como o são, não irão denegrir a sua honra, a sua dignidade e o que vossa excelência representa na vida política brasileira.”
Cristovam Buarque (PPS-DF)
Conversando com o senador [Waldemir] Moka [PMDB-MS], aqui ao lado, ele estava dizendo da firmeza como o Aécio traz o assunto – ele demonstra firmeza, que, portanto, é um indicador que tranquiliza seus pares. Eu o felicito por ter trazido o assunto e pela firmeza com que falou e concordo que é preciso abrir tudo, ter transparência, para que não fiquemos todos nós sob essa permanente suspeição.”
Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)
Eu quero apenas destacar o essencial: não existe conta em Nova York e não existe sequer a delação. Veja a que ponto nós chegamos! A resposta enfática que vossa excelência traz da tribuna do Senado é negando, de forma cabal, peremptória e convincente, a existência da conta e, mais do que isso, a inexistência de delação fazendo referência a essa conta, que não é trazida no bojo da matéria. O advogado do suposto delator faz referência clara a esse aspecto.”
Antônio Carlos Valadares (PSB-SE)
Eu quero dizer que votei em vossa excelência para presidente da República. E vossa excelência sabe os adversários cruentos que eu tenho em Sergipe e o quanto se aproveitam desse episódio para incriminá-lo. Mas eu tenho certeza absoluta de que, com vossa excelência levando as provas da verdade contra as acusações que lhe imputam, a Justiça haverá de lhe dar o devido valor, como nós que participamos do Senado e que conhecemos sua família.”
Eunício de Oliveira (PMDB-CE)
Senador Aécio Neves, eu conheço vossa excelência e tenho convicção de que vossa excelência não viria a essa tribuna se não tivesse certeza da injustiça que lhe foi cometida. Então, tenha também a nossa solidariedade.”
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Os 13 senadores que disseram que Aécio era inocente antes da bomba explodir apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 29 May 2017 10:27 AM PDT
estudos identifica psicopatas comem alimentação
Supermercados e bares podem ser lugares ideais para identificar um psicopata. Isso porque o nosso nível de maldade se expressa também através de nossas preferências em comidas e bebidas.
Essa relação entre sabores e personalidade vem de um estudo recente da Universidade de Innsbruck, na Áustria. Das 953 pessoas que entrevistaram, aquelas com as maiores tendências antissociais e sádicas eram as maiores fãs das comidas amargas: chocolate com alta porcentagem de cacau, café, gin, água tônica e frutas cítricas são alguns dos exemplos da “dieta dos psicopatas”.
Durante o teste, os voluntários precisavam avaliar o quanto gostavam de 40 tipos diferentes de alimentos. Em uma segunda etapa, responderam a três questionários psicológicos diferentes.
O primeiro media agressividade. O participante tinha que dizer o quanto se identificavam com frases como “Já ameacei conhecidos” e “Quando provocado, posso bater em alguém”.
O segundo exame é um dos mais famosos instrumentos da psicologia para entender a maldade. É chamado de teste da Tríade da Escuridão e mede três elementos da personalidade que compõe o estereótipo da pessoa ruim, perversa, maligna mesmo.
São eles: maquiavelianismo (“Eu tendo a manipular os outros para conseguir o que quero”), psicopatia (“Sou insensível e indiferente com frequência”) e, por último, o narcisismo (“Quero que as pessoas prestem atenção em mim”).
Por último, os pesquisadores adicionaram ao Trio do Mal o que eles chamaram de “sadismo do dia a dia”. Nesse questionário, perguntava-se ao voluntário o quanto ele concordava com frases como “Tirar sarro das pessoas é especialmente satisfatório quando elas percebem”.
Horrível, não é? Pois as pessoas que tiraram notas mais altas nesses testes, indicando traços de personalidade chamados de “malévolos” e antissociais, também eram aquelas com a maior preferência por sabores amargos.
A relação com a comida amarga era especialmente forte para os psicopatas e sadistas do dia a dia.
Para entender os resultados, os autores da pesquisa olharam para o nosso passado evolutivo. Crianças humanas tem uma preferência clara por comida doce.
Na natureza, isso faz todo sentido – doce é carboidrato, carboidrato é caloria e quanto mais calorias, maior a nossa chance de sobrevivência no mundo selvagem.
Já o gosto amargo dá um alerta para o cérebro, que aprendeu ao longo de milhares de anos a associá-lo a veneno – até seres tão simples quanto ostras têm reações negativas a esse sabor.
Uma das características renomadas dos psicopatas é que eles “não têm medo”. Ou seja, o sistema de alerta do corpo deles não dá um chilique quando identifica ameaças.
Assim, são mais frios em um momento tenso – o que só os torna mais perigosos. Pode ser exatamente por isso que conseguem curtir mais a comida amarga, já que o organismo não rejeita o gosto como faria em uma pessoa “normal”.
Guarde essa informação para a próxima vez que encontrar alguém bebendo uma gin tônica: pode ser tanto um pretexto para puxar conversa quanto um alerta para sair correndo.
Ana Carolina Leonardi, Exame
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Estudo diz que psicopatas podem ser identificados pelo que comem apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 29 May 2017 07:45 AM PDT
texto renata sorrah coxinha aécio
Um texto atribuído à atriz Renata Sorrah disseca as características do ‘coxinha brasileiro’, sobretudo aqueles que defenderam Aécio Neves arduamente em 2014 e agora fingem que não tiveram nada a ver com a ascensão política e eleitoral do tucano nem com toda a corrupção que está sendo revelada relacionada ao senador e ao atual governo.
“Recado para meu amigo coxinha: claro que você não tem bandido de estimação. Você é o próprio bichinho de estimação do bandido. Votou no Aécio, foi pras ruas protestar contra a derrota que sofreu, balançou o rabinho para a aliança dele com Cunha e Temer, fez dancinha pedindo o impeachment da Dilma, rosnou nas redes sociais. E agora, quando a casa caiu, se finge de morto. Bem adestrado”, postou um perfil do Twitter que leva o nome da atriz.
A mensagem viralizou e foi compartilhada milhares de vezes, mas houve quem ficasse irritado.
“Olha aqui, sua vagab***, eu votei no Aécio mas agora não o defendo mais. Não tenho bandido de estimação!”, respondeu uma internauta.
“Cara atriz, vá fazer novela ao invés de falar sobre política. Em 2014 o Aécio era a nossa salvação para tirar do poder a quadrilha que queria instaurar uma ditadura comunista no Brasil. Estude”, desabafou outro.
Pragmatismo Político tentou contato com Renata Sorrah para saber se a mensagem foi mesmo publicada pela atriz, mas o até o fechamento desta nota não obtivemos resposta.

Bárbara Gancia

Um texto publicado na página oficial do Facebook da jornalista Bárbara Gancia também obteve bastante alcance nas redes sociais neste fim de semana. Confira abaixo.
Os eleitores de Aécio se comportam mais ou menos assim:
1) -“Não sou nem de esquerda, nem de direita, sou pelo Brasil!” – (é de direita).
2) -“Não tenho partido, meu partido é o Brasil!” – (vota no PSDB).
3) -“Quero que a corrupção seja combatida no PT, PSDB ou PQP!” – (quer que a corrupção seja combatida apenas no PT. No perfil pessoal, só tem publicações contra o PT. Contra o PSDB ou PQP, nada).
4) -“Não sou coxinha nem petralha, sou brasileiro!” – (é coxinha).
5) -“Quero meu país livre da corrupção!” – (vota em Alckmin há 15 anos).
6) -“PT gosta de sustentar vagabundo!” – (perdeu a escrava doméstica e tá tendo que lavar os pratos).
7) -“PT dá casa pra vagabundo!” – (é proprietário de várias casas para alugar e estão encalhadas).
8) -“Estou indignado com tanta corrupção!” – (segurou o cartaz ‘Somos milhões de Cunhas’).
9) -“Nenhum político presta!” – (é analfabeto político).
10) -“Tempos bons eram os de FHC!” – (é patrão e não paga direitos trabalhistas nem tira nota fiscal ).
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Texto atribuído à Renata Sorrah causa indignação nos ‘coxinhas’ apareceu primeiro em Pragmatismo Político.

Nenhum comentário:

Postar um comentário