sábado, 3 de junho de 2017

3/6 - Pragmatismo Político DE 2/6

Pragmatismo Político


Posted: 02 Jun 2017 01:10 PM PDT
áudio aécio neves tv record
Novos áudios gravados pela Polícia Federal com autorização judicial revelam que Douglas Tavolaro, vice-presidente de jornalismo da TV Record, conversou com o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) e o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral de Governo), para negociar um patrocínio milionário da Caixa Econômica Federal em troca de uma entrevista com o presidente Michel Temer (PMDB).
Douglas Tavolaro é sobrinho do dono da Record, bispo Edir Macedo.
Em uma gravação divulgada em primeira mão pelo portal BuzzFeed, ele fala em “juntar tudo num pacote e sair”.
Em outro trecho, Aécio cobra o ministro Moreira Franco para “entrar no circuito com o cara da Caixa”, e ouve que ele já havia encaminhado a demanda da emissora.
Os diálogos da conversa, que aconteceu no dia 19 de abril, foram grampeados através do celular de Aécio.
Em determinado momento do áudio, Tavoralo diz a Aécio que recebeu ligações do ministro Moreira Franco, mas não atendeu porque achava que seria um pedido de entrevista, e a resposta seria negativa. “Só tem um jeito de sair. Se tiver uma coisa, entendeu?”, dispara o sobrinho de Edir Macedo.
Confira, abaixo, a transcrição dos grampos e, em seguida, ouça os áudios:
Tavolaro – O Moreira me ligou no celular duas vezes. Eu já deduzo qual seja o assunto. Antes de falar com ele, eu queria alinhar com você para entender. Ele ligou para o nosso presidente também e pediu para gente tentar colocar nosso número 1 numas entrevistas. Eles estão agora com essa estratégia de comunicação, de colocá-lo para falar. Eu acho que ele me ligou para me pedir isso. E eu estou muito sem graça de falar com ele. Eu vou ter que passar isso para cima e a situação está parada. Eu não sei você quer ajudar a intermediar isso, ligar para ele..
Aécio – Eu até te mandei uma mensagem ontem.
Tavolaro – Que você ia chamar o pessoal lá
Aécio – É, falei com ele próprio, que isso era um absurdo. Ele até esculhambou o cara, falou que era um idiota, que ia chamar ele aqui hoje ainda para dar o comando. Eu como tinha esse evento aqui, eu acabei não indo a Brasília. Você não tem como empurrar um pouquinho ou pelo menos ouvir o que ele tem para dizer…
Tavolaro – Eu só não dou retorno porque se eu retornar, ele vai pedir.
Aécio – Vai ficar chato para você
Tavolaro – O presidente não vai conseguir fazer. Eu já tenho o retorno, já. Entendeu? O nosso presidente [da Record] aqui não vai conseguir fazer. Só tem um jeito de sair. Se tiver uma coisa, entendeu? Eu acho inteligente a estratégia deles, diminui o impacto.
Aécio – Deixa eu tentar mesmo por telefone intermediar novamente isso e te ligo.
Tavolaro – Se você quiser, na minha opinião, fala como desentendido para saber.
Aécio – Com o próprio Moreira, ne?
Tavolaro – É, como uma intermediação. Eu nunca falei com ele até agora.
Aécio – Eu acho até que nos fortalece realmente mutuamente. Eles ficam sabendo que o canal é aqui e me dá mais força para resolver. Pode ser uma boa estratégia nossa.

O senador mineiro não demora em fazer a “intermediação”. Após oito minutos, ele liga para Moreira Franco.

Aécio – Deixa eu te falar, Moreira. É uma questão que corre no paralelo das questões que você está cuidando. Eu cheguei a falar com o presidente algumas vezes do assunto da Record. Você está a par disso? Do assunto do… número 1 lá.
Moreira – Tratei disso hoje. Já liguei para o Douglas e não consegui falar ainda. Liguei três vezes. Você que é amigo dele…
Aécio – É aquelas coisas que não precisa falar por telefone. Mas você entrou nesse circuito com o cara da Caixa?
Moreira – Já entrei. Entrei hoje. Peça para ele me ligar.
Aécio – Isso vale a pena.

O senador em seguida retorna para Douglas Tavolaro.

Aécio – Liguei para ele (Moreira) direto e falei que eu to num constrangimento enorme. Aí eu inverti e falei “liguei para o pessoal lá, até para pedir uma gentileza… dos jornalistas e ele (Douglas Tavolaro) me cobrou com todas as letras, não teve nenhuma resposta ainda de um assunto que eu tratei direto com o presidente e eu imagino que o presidente tenha tratado com você (Moreira) lá na Caixa e não tiveram uma resposta. Aí ele (Moreira) falou ‘é sobre esse assunto que eu quero falar com ele também’. Isso andou? Aí ele (Moreira): andou, tentei falar com ele hoje duas ou três vezes e não consegui. Peça para ele (Douglas Tavolaro) me ligar. E brincou, “vi que ele (Douglas Tavolaro) é seu amigo”. E é mesmo, e está constrangido de ligar para você (Moreira), você pedir outra coisa e ele (Douglas Tavolaro) ia ter que te dizer não. Ele (Douglas Tavolaro) recebe ordens. Tem toda a boa vontade, mas não é o dono. Eu estou com esse compromisso, estou constrangido com eles. Aí ele (Moreira) falou, ‘peça por favor para ele (Douglas Tavolaro) me ligar’. Deixa passar hoje para não parecer tanta ansiedade. E ai você (Douglas Tavolaro) liga amanha de manhã, fala que recebeu o recado. E aí me liga em seguida para ver se é mais uma embromação e se eles realmente entraram no circuito. Eu disse a ele (Moreira Franco) o seguinte: é o assunto Caixa, o assunto paralelo, que nada tem a ver com o que você está tratando.
Tavolaro – Ele tá juntando num pacote. Não tem problema. Se ele juntar o pacote e sair, eu agito o nosso cá, entendeu? Porque eu acho importante a estratégia dele.
Aécio – Eu acho bom que a gente faça esse canal porque eu fico com mais autoridade, inclusive do número 1. E ele vai saber que as coisas só vão andar se for por aqui. Porque ele não vai cobrar, ele vai ficar naquela de que está fazendo para todo mundo. E eu só tenho esse compromisso com você, tenho como priorizar com mais rigor.
(Diálogo de Aécio Neves com Douglas Tavolaro — 19 de abril de 2017, 19h57.)
(Aécio liga para Moreira Franco — 19 de abril de 2017, 20h05)
(Aécio retorna para Douglas Tavolaro — 19 de abril de 2017, 20h07)
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post TV Record aparece em novo áudio envolvendo Temer e Aécio apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 02 Jun 2017 12:28 PM PDT
carta diplomatas michel temer
Mais de 100 diplomatas brasileiros se manifestaram na quinta-feira contra o governo do presidente Michel Temer, cuja baixa popularidade diminuiu em meio a alegações de corrupção que estimularam protestos crescentes para ele renunciar.
Em uma carta aberta intitulada “Diplomacia e Democracia”, os diplomatas criticam o uso da força para conter manifestações e dizem que os líderes do Brasil devem escolher o diálogo em oposição a “tentações autoritárias”. A carta pública foi parar no The New York Times.
A carta surgiu poucos dias depois que o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, comandado por Aloysio Nunes (PSDB), criticou duramente uma declaração das Nações Unidas condenando a violência contra os manifestantes em Brasília no dia 24 de maio.
Nessa manifestação, milhares de pessoas protestaram contra as medidas de austeridade econômica propostas por Temer, incluindo mudanças na previdência e nas leis trabalhistas. Os manifestantes também pediram que ele saísse por causa da investigação de obstrução da Justiça.
A seguir, a carta dos diplomatas:
Nós, servidoras e servidores do Ministério das Relações Exteriores, decidimos nos manifestar publicamente em razão do acirramento da crise social, política e institucional que assola o Brasil. Preocupados com seus impactos sobre o futuro do país e reconhecendo a política como o meio adequado para o tratamento das grandes questões nacionais, fazemos um chamado pela reafirmação dos princípios democráticos e republicanos.
2. Ciosos de nossas responsabilidades e obrigações como integrantes de carreiras de Estado e como cidadãs e cidadãos, não podemos ignorar os prejuízos que a persistência da instabilidade política traz aos interesses nacionais de longo prazo. Nesse contexto, defendemos a retomada do diálogo e de consensos mínimos na sociedade brasileira, fundamentais para a superação do impasse.
3. Desde a promulgação da Constituição Federal de 1988, a consolidação do estado democrático de direito permitiu significativas conquistas, com reflexos inequívocos na inserção internacional do Brasil. Atualmente, contudo, esses avanços estão ameaçados. Diante do agravamento da crise, consideramos fundamental que as forças políticas do país, organizadas em partidos ou não, exercitem o diálogo, que deve considerar concepções dissonantes e refletir a diversidade de interesses da população brasileira.
4. Para que esse diálogo possa florescer, todos os setores da sociedade devem ter assegurado seu direito à expressão. Nesse sentido, rejeitamos qualquer restrição ao livre exercício do direito de manifestação pacífica e democrática. Repudiamos o uso da força para reprimir ou inibir manifestações. Cabe ao Estado garantir a segurança dos manifestantes, assim como a integridade do patrimônio público, levando em consideração a proporcionalidade no emprego de forças policiais e o respeito aos direitos e garantias constitucionais.
5. Conclamamos a sociedade brasileira, em especial suas lideranças, a renovar o compromisso com o diálogo construtivo e responsável, apelando a todos para que abram mão de tentações autoritárias, conveniências e apegos pessoais ou partidários em prol do restabelecimento do pacto democrático no país. Somente assim será possível a retomada de um novo ciclo de desenvolvimento, legitimado pelo voto popular e em consonância com os ideais de justiça socioambiental e de respeito aos direitos humanos.
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Carta inédita de diplomatas brasileiros contra Temer vai parar no New York Times apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 02 Jun 2017 11:17 AM PDT
Alexandre Garcia aquecimento global
Alexandre Garcia, da TV Globo, virou piada novamente nas redes sociais após publicar em seu Twitter oficial um comentário sem sentido sobre o aquecimento global.
Para Garcia, o aquecimento não tem nenhuma relação com a emissão de gases poluentes, como afirmam centenas de estudos e pesquisas acadêmicas.
“Se o Sol não aderir ao Acordo de Paris, não tem jeito. Há bilhões de anos ele é responsável por aquecimentos e esfriamentos da Terra”, escreveu o apresentador, ao comentar a saída dos Estados Unidos do acordo de clima de Paris.
A frase de Garcia lhe rendeu espaço nos assuntos mais comentados do twitter (trends). Confira algumas reações ao comentário de Garcia:
— O que este jornalista e outras antas não conseguem entender é que o aquecimento global recente não pode ser explicado por quaisquer fatores naturais. É causado especificamente pela ação humana e isso está provado.
— Cachaça com pólvora, maconha mofada e saudades do Figueiredo resultam nisso.
— Um global falando sobre o aquecimento global , dá nisso, a culpa cai no astro rei.
— Resumo: ele não acredita no aquecimento global. Eu sempre soube que ele era de extrema direita mas não pensei que fosse de extrema burrice.
— Pelé soube a hora de pendurar as chuteiras. esse filho da ditadura ultrapassou o século 20.
— O que esperar de um bajulador, puxa-saco de ditadores canalhas? Esse é mais um que tem os intestinos no lugar do cérebro e o cérebro no lugar dos intestinos.
— Melhor interpretar o que ele disse. Segundo meu ponto-de-vista, o que ele quis dizer com “Sol” foi “Família Marinho”, verdadeira senhora dos céus e da terra.
— Alexandre Garcia é tão genial que descobriu a roda. Por que ninguém se tocou antes que tudo era culpa do sol?
Em meio a um manancial de críticas e ironias, Garcia recebeu o apoio da colega de profissão Rachel Sheherazade. “Que bom encontrar lucidez no nosso jornalismo-ativista! Há raras exceções como @alexandregarcia, que traz LUZ às obscuras teorias ecoterroristas!”, defendeu a apresentadora.

Aquecimento Global e Acordo de Paris

O Aquecimento Global é descrito na literatura científica como o aumento da temperatura média dos oceanos e da atmosfera da Terra, causado pela queima de combustíveis fósseis e emissão de gases que intensificam o efeito estufa.
As consequências deste processo, alardeiam estudiosos, pode ser o derretimento das calotas polares e submersão de grandes territórios habitados por seres humanos.
O Acordo de Paris é um tratado ratificado em 22 de abril de 2016 por 195 países (Brasil incluído) no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima, que rege medidas de redução de emissão de dióxido de carbono a partir de 2020. O acordo foi negociado durante a COP-21.

Outras polêmicas

Recentemente, Alexandre Garcia se envolveu em outras polêmicas no Twitter. Em fevereiro, ele foi criticado por causa de um tuíte sobre feminicídio. “‘Feminicídio’ é invenção de quem pensa que homicídio é matar ‘hômi'”, escreveu, gerando revolta.
No mês seguinte, ele debochou de uma notícia que dizia que Jane Fonda revelou ter sido estuprada na infância. “E eu com isso?”, comentou o jornalista sobre a notícia.
Antes, Garcia já havia dito que o Brasil só se tornou racista depois que aderiu à política de cotas nas universidades (relembre aqui).
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Alexandre Garcia vira piada após dizer que aquecimento global é culpa do Sol apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 02 Jun 2017 10:39 AM PDT
Daniel Cardoso Tarciso medicina USP
Mesmo após uma série de denúncias e de acusações, Daniel Tarciso da Silva Cardoso conseguiu o registro de médico no Conselho Regional de Medicina de Pernambuco. Não se sabe ainda se ele já está exercendo a profissão.
Segundo o órgão, a concessão do registro seguiu orientação do Conselho Federal de Medicina e foi feita em abril, após ele ter sido absolvido em primeira instância no processo que responde em São Paulo.
Recentemente formado em medicina pela USP, o rapaz é acusado de estuprar várias mulheres e já chegou a ser processado por homicídio.
Antes mesmo que Cardoso colasse grau, o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) havia decidido não conceder o registro de médico a ele. A decisão dos conselheiros se baseou na defesa da sociedade.
Em novembro de 2016, estudantes de medicina da USP protestaram para que Daniel não colasse grau, já que ele havia terminado a carga horária necessária para a colação (relembre aqui).
Na época, a Faculdade de Medicina da USP informou que “o caso está em análise jurídica pela Universidade de São Paulo para verificar se existe a obrigatoriedade de conceder a colação de grau ao aluno após ele ter cumprido integralmente a suspensão que lhe foi imposta”.
Os protestos para que Daniel não colocasse grau ou não conseguisse o registro de médico receberam até o apoio do médico Drauzio Varella, que também é ex-aluno da USP.
Quando acontecem esses casos de estupro, todo mundo acha que a mulher tem uma parcela de culpa, principalmente se ela bebeu. Eu fico chocado com esse tipo de interpretação. Eu já bebi e muitas vezes eu passei do ponto, mas eu nunca fui estuprado. E eu não conheço nenhum homem que tenha sido nesse tipo de situação. Estupro é crime. Esse caso da Faculdade de Medicina é exemplar. Eu acho que essa situação é muito simples. Eu fico muito envergonhado disso acontecer na faculdade em que eu aprendi a ser médico. As pessoas ficam chocadas sabe por quê? Porque nós médicos temos acesso aos corpos dos pacientes. E as pessoas têm que ter confiança de que nós vamos respeitá-las, independentemente do fato de elas estarem bêbadas, drogadas ou anestesiadas. Isso não pode acontecer com médicos de forma nenhuma, especialmente com alunos que cursaram as melhores escolas do país. Esses meninos que fazem essas coisas têm a exata sensação da impunidade”, afirmou, à época, Drauzio Varella.

DENÚNCIA

Em 2012, já cursando medicina na USP, Daniel foi acusado de estupro. Na denúncia apresentada pelo Ministério Público e aceita pela Justiça, a vítima conta que tomou um copo de bebida alcoólica. Daniel colocou uma droga no copo e, logo depois, ela perdeu quase totalmente os sentidos.
A vítima afirmou ainda que Daniel disse que era policial militar e praticava judô, e que ele usou a “absoluta superioridade física” para imobilizar a estudante.
Daniel foi policial militar de 2004 a 2008. Ele foi processado por homicídio depois de matar com oito tiros Danilo Bezerra da Silva em uma briga durante o carnaval, em 2004. A Justiça considerou legítima defesa e por isso ele recebeu uma pena de 1 ano de detenção, que acabou sendo anulada pela Justiça.
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Estudante de medicina suspenso por estupro na USP obtém registro de médico apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 02 Jun 2017 09:25 AM PDT
menina livros salvar foto
A foto de uma menina sendo resgatada de uma enchente agarrada a seus livros viralizou nas redes sociais nesta quinta-feira (1º/6) e comoveu internautas de todo o país.
Rivânia, de 8 anos, e a família foram vítimas dos alagamentos no interiror de Pernambuco, em São José da Coroa Grande, causados pelas fortes chuvas que atingiram o estado nos últimos dias.
Em entrevista a um site local, a avó da garota, Maria Ivânia, disse que quando a enchente invadiu sua casa, ela recomendou que “Ri”, como é conhecida, salvasse das águas o que seria mais importante para ela. A menina, então, correu e colocou os livros (que fazem parte de seu material escolar) dentro de uma mochila, deixando para trás brinquedos e roupas.
De acordo com testemunhas ouvidas no local, Rivânia rezava ajoelhada na jangada no momento do resgate. Ela ficou assim até que todos fossem salvos.
Nas redes sociais, internautas enaltecem a atitude da menina: “A melhor de todas as imagens. Que Deus possa iluminar os caminhos dessa criança, colocando-lhe a fé o amor e a sabedoria. Ela já é uma guerreira”, escreveu um. “As crianças são o futuro desse Brasil! Que Deus te abençoe, e proteja todos os que estão precisando de ajuda nesse momento tao difícil”, disse outro.
O economista Carlos Fernandes publicou, no DCM, um texto em que aborda a tão propalada ‘meritocracia’ a partir de um paralelo entre as vidas de Rivânia e de um menino rico. Leia abaixo:
— De todas as pautas que orbitam as obscuras e desonestas reivindicações da elite brasileira caninamente seguida e bajulada por uma classe média sabidamente preconceituosa, racista e conservadora, seguramente a mais cretina é a que diz respeito à tal da meritocracia.
Não é preciso ser exatamente um gênio nas ciências sociais para entender o absurdo que é impôr metas iguais para pessoas pertencentes a classes sociais tão diferentes sob um regime social, político e econômico tão excludente como o que se perpetuou no Brasil séculos após séculos numa sociedade que, entre outras coisas, manteve sua construção sobre uma estrutura puramente escravocrata.
Os exemplos das desigualdades são imensos e escancarados, mas vergonhosamente teimamos em não querer enxergá-los, muitas vezes por covardia, medo, despeito ou, quem sabe, maldade mesmo. O tema em si é digno de um verdadeiro tratado acadêmico que inevitavelmente nos levaria à conclusão da enorme discrepância do país que pensamos ser para o país que realmente somos.
Como esse espaço não é exatamente o mais apropriado para algo com tamanha pretensão, tenhamos como base a vida que, por si só, cuida de ser didática pelo exemplo.
Tomemos o nosso querido Michelzinho, filho do mais incompetente, odiado e mal avaliado presidente da República que já tivemos desde a redemocratização brasileira.
Michelzinho estuda na Escola das Nações, um colégio internacional localizado num dos bairros mais nobres da capital do país, onde a singela mensalidade gira em torno dos R$ 4.000,00. Michelzinho, em função das mutretagens do pai que ora assume um cargo que a democracia jamais o daria, pode contar com seguranças pagos pelo malfadado contribuinte para irem deixá-lo e buscá-lo sob um cinematográfico esquema de segurança.
Vislumbrado nosso pequeno personagem, tomemos agora o caso de Rivânia, uma criança de 8 anos criada pelos avós, moradora no distrito de Várzea do Una, município de São José da Coroa Grande, zona da mata de Pernambuco.
Afetados pela enchente, a família de Rivânia teve a sua casa inundada e tiveram que sair às pressas sob as condições mais precárias que se pode imaginar. Ao ouvir de sua avó que levasse consigo apenas os seus bens mais importantes, Rivânia salvou o único bem que poderia, no futuro, lhe salvar, seus livros.
Michelzinho e Rivânia representam na mais fria e cruel realidade os extremos de nossa desigualdade. Enquanto Michelzinho possui dois apartamentos milionários em seu nome, Rivânia não sabe sequer onde irá dormir esta noite.
São duas crianças na mesma faixa etária com estilos de vida diametralmente opostas. Mesmo assim, daqui a 20 anos, talvez por uma trágica ironia do destino, Michelzinho, com toda a sua vida estruturada e bem-sucedida, olhará para Rivânia e lhe perguntará com a peculiar empáfia de quem jamais passou necessidade: por que você não se esforçou mais?
Então, vamos falar de meritocracia?
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Foto de menina salvando livros de enchente comove a internet apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 02 Jun 2017 08:22 AM PDT
artistas michel temer
Artistas de vertentes ideológicas distintas se reuniram nesta quinta-feira (1), no Rio de Janeiro, para lançar um movimento que pede a saída do presidente Michel Temer.
O encontro ocorreu na casa de Paula Lavigne, companheira e empresária de Caetano Veloso, e contou com a presença de nomes como Camila Pitanga, Gloria Pires, Marcelo Serrado, Marcio Garcia, Leticia Sabatella, Wagner Moura, Tico Santa Cruz, Dira Paes, Christiane Torloni, Juliano Cazarré, Maria Padilha, além do próprio Caetano.
Curiosamente, Garcia e Serrado, que interpreta o juiz Sergio Moro no longa Polícia Federal: A lei é para todos, apareceram em imagens nos protestos a favor do impeachment de Dilma. Christiane Torloni também sempre votou com candidatos alinhados à direita política.
Wagner Moura e Camila Pitanga, pro sua vez, sempre foram publicamente contra a saída de Michel Temer. Agora, estão todos unidos.
De acordo com o cantor Tico Santa Cruz, as diferenças foram deixadas de lado para pedir a cassação de Temer e “quebrar essa briga superficial entre ‘coxinhas’ e ‘mortadelas’.
“Ontem fizemos uma reunião no Rio de Janeiro com diversas personalidades, artistas, intelectuais de campos diversos da política. Para que pudéssemos debater assuntos importantes para o nosso país. Acima de tudo, para sinalizar a sociedade que precisamos deixar essa RACHA ideológica de lado e voltarmos a conversar de forma respeitosa para pensarmos juntos o Brasil que queremos”, escreveu ele em publicação no Instagram.
“Com isso, desejamos sinalizar à sociedade, aos familiares, às pessoas que brigaram com seus amigos e parentes que agora é hora de nos unirmos por aquilo que temos em comum e deixar nossas diferenças de lado. Concordamos em algumas pautas e em outras, não, mas política é isso! E é isso que a sociedade precisa executar – o DIÁLOGO”, completou o artista.
Assim como ele, a atriz Letícia Sabatella compartilhou uma “nota oficial” elaborada pelos participantes do encontro. “Mesmo com todas as nossas diferenças de pensamentos, provamos que podemos dialogar e nos respeitas uns aos outros. Isso é democracia. Saímos desse encontro com o desejo em comum de ver Temer cassado no próximo 6 de junho para que possamos dar os próximos passos rumo a um Brasil melhor. #TemerJamais”, diz a nota.
Uma publicação compartilhada por @ticostacruz em
com informações de Diário de Pernambuco
O post Artistas pró e contra Dilma unem forças pela saída de Michel Temer apareceu primeiro em Pragmatismo Político.

Nenhum comentário:

Postar um comentário