segunda-feira, 5 de junho de 2017

5/6 - Portal Luis Nassif

Mensagens de blog - Portal Luis Nassif


Posted: 05 Jun 2017 11:59 AM PDT
 " Polacas, as prostitutas judias "
texto e Direção: Dinho Valladares. 
Elenco: Aline Bourseau, Sofia Kern, Andrezza Leal, Carol Salles, Clarissa Durão, Gisela Plombon, Carolina Garrana e João de Carvalho. 
Dramatização a partir da história de prostitutas que viveram no Rio de Janeiro no século XX. 

Cinco prostitutas estão num prostíbulo a espera de clientes, quando são assediadas por um Caften (cafetão) e resolvem fugir para um lugar melhor. Duração (80 min). Classificação: 16 anos.
O autor faz um paralelo com o famoso texto de becket, Esperando Godot. Cinco prostitutas estão a espera dos clientes e enquanto esperam conversam sobre suas vidas e como chegaram ali. Nessa peça o autor trata as mulheres com todas suas virtudes e defeitos, trazendo uma tri dimensionalidade aos personagens, que não são tratadas como pobres coitadas mas como senhoras dos seus destinos. Até a chegada de um Caften (cafetão) que revela uma traidora entre elas. Mas a história tem nova reviravolta quando chega mais uma polaca com novidades


Teatro SESI CENTRO. Segundas e Terças as 19:30.
Rua Graça Aranha 1 Info. 25634163 
R$ 30. / Promoção para Profissional Sindicalizado R$ 10.
De 12 de junho a 04 de julho

 “Nesse espetáculo dou uma visão diferente a essas mulheres, mostrando um lado ainda não explorado. Tirei a visão infantil, que tenta justificar suas atitudes por forças maiores que a obrigaram a aquela situação. Coloco mulheres com todas as suas qualidades e defeitos. Mulheres que optaram pela prostituição, que não são boas o tempo todo, que sentem prazer e são donas do seu destino, ou seja mulheres contemporâneas e não idealizadas como “bibelots” que foram atacadas pelo “lobo mal” e vitimas do seu destino. Um espetáculo forte para quem tem estomago.” 
Dinho Valladares
This posting includes an audio/video/photo media file: Download Now
Posted: 04 Jun 2017 04:30 PM PDT
Prezados,
Apresento o documento “Brasil e seus Cúmulos do Absurdo”, https://pt.scribd.com/document/350354598/Brasil-e-seus-Cumulos-do-Absurdo , onde estamos, empiricamente, tentando efetuar avaliações, sobre o, concreto, existente, na notícia “Relator concede progressão para o regime semiaberto a Henrique Pizzolato”, http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=345178 , algo que de maneira irrefutável, inquestionável, REFLETE a concreta, AMORALIDADE, consistente, e persistente, nos quatros Poderes Institucionais da “República de Bananas”, presidida por um “Golpista Zé NINGUÉM”, alicerçada por um “Congresso Golpista Ilegítimo”, abençoada por um “Judiciário que Persegue, e Protege, Politicamente”, fiscalizada por um “Ministério Público Cego de um Olho, e Surdo de um Ouvido” (por atuar em uma única direção), razão pela qual, o Brasil, se transformou, apenas e tão somente, em um, “NADA”, que aí esta, o que explica que a Sociedade Brasileira é PREJUDICADA, e ENVERGONHADA, diariamente, de tal forma, ser possível, mesmo que injustamente, alcunhá-la como uma Sociedade de Ignorantes, e uma Sociedade de Alienados, uma Sociedade de Bárbaros, quiçá uma Sociedade de Cruéis.
Logo o cúmulo do cúmulo do absurdo esta no fato de que o Cidadão Ítalo-Brasileiro, Cidadão Brasileiro COMUM sem Direito à Foro Privilegiado, foi processado, julgado, e condenado, por Corte INCOMPETENTE (Duplo Sentido), impedindo o usufruto de 2ª Jurisdição, bem como, teve o Inquérito 2474 da Polícia Federal, que provou que não ocorreu qualquer desvio de dinheiro do Banco do Brasil S.A., razão primeira da acusação do Funcionário do Banco do Brasil Sr. Henrique Pizzolato, portanto, impedindo seu contraditória, e sua ampla defesa.
Logo outro cúmulo do cúmulo do absurdo esta no fato de que CORRUPTOS são DÍGNOS de INDULTO, porque, para a República Federativa do Brasil, apesar de participar de vários acordos internacionais contra a corrupção, são Criminosos que NÃO MATAM, bem como, NÃO UTILIZAM DE VIOLÊNCIA, muito menos, PRODUZEM VIOLÊNCIA.
Abraços,
Plinio Marcos

Nenhum comentário:

Postar um comentário