quarta-feira, 7 de junho de 2017

7/6 - Pragmatismo Político DE 6/6

Pragmatismo Político


Posted: 06 Jun 2017 07:26 PM PDT
pesquisa para presidente eleições 2018
O instituto Vox Populi divulgou nesta terça-feira (6) a sua mais recente pesquisa para a eleição presidencial.
O levantamento foi realizado entre sexta-feira (2) e domingo (4) e mostra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como favorito na disputa em todos os cenários avaliados.
O ex-presidente Lula também lidera todos os principais levantamentos divulgados recentemente pelos mais conhecidos institutos de pesquisa.
Relembre as últimas pesquisas:
Abaixo, os dados da pesquisa Vox Populi.
CENÁRIO 1 (Alckmin candidato do PSDB)
Com o governador Geraldo Alckmin como candidato do PSDB, Lula tem 45% dos votos. Jair Bolsonaro (PSC) aparece em segundo lugar com 13%, seguido de Marina Silva (Rede), com 8%. Alckmin e Ciro Gomes (PDT) aparecem empatados com 4%. Brancos, nulos e indecisos somam 25%.
CENÁRIO 2 (Doria candidato do PSDB)
Segundo o Vox Populi, se o postulante do PSDB for o prefeito João Doria, Lula tem 45%, Bolsonaro tem 12%, Marina, 9%, Ciro, 5%, e Doria, 4%.
CENÁRIO 3 (Aécio como candidato do PSDB)

SEGUNDO TURNO E ESPONTÂNEA

Na sondagem espontânea, quando não é apresentado o nome de nenhum candidato, Lula tem 40% dos votos, seguido de Bolsonaro, com 8%, Marina e Sérgio Moro, 2% cada. Em simulações de segundo turno, Lula superaria Alckmin por 52% a 11%, Doria (51% a 13%), Marina (50% a 15%) e o senador afastado Aécio Neves, do PSDB (53% a 15%).
O melhor cenário para Lula, de acordo com a pesquisa, é ter Aécio como adversário. O tucano aparece com 1% das intenções de voto, atrás de Ciro (5%), Marina (9%) e Bolsonaro (13%).

ELEIÇÕES DIRETAS

Ainda segundo a pesquisa, 89% consideram que o novo presidente, em caso de cassação, deveria ser escolhido por eleição direta, número semelhante ao do levantamento anterior (90%), feito em abril. Os que defendem a escolha por via indireta somam 5%.
À pergunta sobre o desempenho de Michel Temer à frente da Presidência da República, 75% dos entrevistados avaliam seu governo como ruim/péssimo, ante 65% da última sondagem. Somente 3% consideram o governo bom/ótimo.
A impopularidade de Temer é maior na região Nordeste, onde 83% apontam seu desempenho como ruim/péssimo. O presidente é mais rejeitado entre as mulheres: a avaliação negativa chega a 77%. Entre os homens, é de 73%.
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Vox Populi divulga nova pesquisa para a eleição presidencial apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 06 Jun 2017 06:04 PM PDT
Luiza Brunet ex-namorado condenado
Luiza Brunet publicou nesta segunda-feira (5) um desabafo após a decisão do Tribunal de Justiça São Paulo de condenar seu ex-namorado Lírio Parisotto a uma no de prisão, em regime aberto, pela agressão feita contra ela no ano passado.
A condenação pronunciada pela juíza Elaine Cristina Monteiro Cavalcanti determina que Parisotto fique dois anos sob vigilância e cumpra serviço comunitário durante doze meses.
Difícil dizer o que sinto. Mas é um dia que me deixa realizada, com o coração pacificado e uma sensação de ter ido no caminho certo. Não foi fácil me expor e conviver com as marcas dessa violência. Mas há algo maior. Este dia dia não é só meu – que atravessei esse doloroso caminho pessoal até aqui e precisei romper tantos medos. É um momento muito maior pelo que significa para tantas mulheres na mesma condição. Não existe aqui a Luiza. Existem mulheres. Existe a minha imensa felicidade pelo funcionamento da justiça. Dessa incrível Lei Maria da Penha. Não se calem mulheres. Vamos mudar essa situação. Não acaba aqui. Vocês me inspiraram sempre com seu apoio e sua força. E o que tenho a dizer se resume a uma palavra: gratidão“, escreveu ela em sua rede social.

Relembre o caso

Luiza revelou no ano passado ter sofrido uma série de agressões de seu então companheiro, o empresário Lírio Albino Parisotto, no apartamento dele, no Plaza Residence, em Nova York, Estados Unidos. De acordo com o colunista Ancelmo Góis do jornal O Globo, a modelo foi vítima violência doméstica no dia 21 de maio de 2016.
A agressão de Lírio, segundo Luiza, começou no restaurante onde eles estavam jantando com amigos. Ao ser perguntado se o casal iria a uma exposição de fotos, Lírio se exaltou. Disse que não iria porque da última vez ele foi confundido com o ex-marido de Luiza, Armando. Daí por diante, ele teria se descontrolado.
“Fui para Nova York acompanhá-lo para o evento Homem do Ano. Saímos do restaurante e pegamos um Uber. Ao chegar ao apartamento, ele me deixou dentro do carro e subiu”, conta.
A atriz relata que subiu logo depois e se sentou numa poltrona, onde os dois sempre fumavam e paravam para conversar. Lírio já estava de roupão e, segundo Luiza, partiu para cima dela, ofendendo-a verbalmente. Logo depois, deu um soco em seu olho, seguido de chutes.
Luiza contou que ele a derrubou no sofá e a imobilizou violentamente até quebrar quatro costelas dela. Ela só conseguiu se desvencilhar depois que ameaçou gritar pelo concierge. Então, trancou-se no quarto e só saiu de lá no dia seguinte, após ter certeza de que ele não estava no apartamento, e voltou ao Brasil:
“Eu sempre tive uma família estruturada e sempre fui discreta em minha vida pessoal. É doloroso aos 54 anos ter que me expor dessa maneira. Mas eu criei coragem, perdi o medo e a vergonha por causa da situação que nós, mulheres, vivemos no Brasil. É um desrespeito em relação à gente. O que mais nos inibe é a vergonha. Há mulheres com necessidade de ficar ao lado do agressor por questões econômicas, porque está acostumada ou mesmo por achar que a relação vai melhorar”, disse.
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Luiza Brunet publica desabafo após condenação do ex-namorado apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 06 Jun 2017 05:11 PM PDT
se nada der certo evento preconceito
Estudantes do terceiro ano do ensino médio da Instituição Evangélica de Novo Hamburgo (IENH), interior do Rio Grande do Sul, realizaram atividades temáticas para representar o que fariam “se nada der certo” nos planos deles para o futuro.
O resultado foi um festival de preconceitos contra várias profissões como garis, borracheiros, vendedoras de produtos de beleza, faxineiras e atendentes de redes de fast food e supermercado. Alguns ainda se vestiram como “bandido” ou “morador de rua”.
Nas redes sociais, muitos manifestaram revolta contra a ideia, incentivada e publicada pela escola em sua página oficial.
“Quer dizer que ter um emprego digno pros alunos desta escola é um fracasso na vida? Que absurdo!”, escreveu uma usuária na página da instituição.
“Se nada der certo, eu fico zombando das profissões dos outros”, publicou outro internauta. “Vocês não têm vergonha de promover um evento classista retrógrado e desrespeitoso desses?”, questionou outro.
“Bom senso mandou beijos para esses alienados. Falta de respeito do caramba!”, comentou uma quarta pessoa.
Em nota, a IENH disse que “em momento algum teve a intenção de discriminar determinadas profissões, até porque muitas delas fazem parte do próprio quadro administrativo e são essenciais para o bom funcionamento da Instituição”. E que o objetivo da atividade era discutir o que aconteceria se os alunos não passassem no vestibular e não “fazer referência ao não dar certo na vida”.
“Atividades como essa auxiliam na sensibilização dos alunos quanto a conscientização da importância de pensar alternativas no caso de não sucesso no vestibular e também a lidar melhor com essa fase”, conclui.
Muitos se recordaram de um caso ocorrido no final de 2015, quando o colégio Marista Champagnat, de Porto Alegre, promoveu um evento semelhante.
Recentemente, a escola retirou as imagens do ar e divulgou comunicado no início da tarde de ontem (5).
“Temas como esse, que confrontam valores e profissões, não são condizentes com a nossa proposta pedagógica, que tem como premissa o respeito às pessoas”, diz o texto.
Confira abaixo algumas das imagens publicadas pela escola sob a temática “se nada der certo”.
RBA
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Alunos de instituição evangélica debocham de garis e faxineiras apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 06 Jun 2017 04:56 PM PDT
julgamento tse michel temer
Na noite desta terça-feira (6), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deu início ao primeiro julgamento da história do Brasil em que uma chapa presidencial pode ser cassada com base na Justiça Eleitoral.
Em meio à mais grave crise política do governo Temer, que está no poder há mais de 1 ano, a Corte tem a responsabilidade de decidir pela procedência de ao menos uma das quatro ações impetradas pelo PSDB contra a chapa presidencial vencedora nas eleições de 2014.
Caso ao menos uma delas seja considerada procedente, Michel Temer pode ser o segundo presidente da República a ser retirado do mandato.
A ironia do processo é que, ao acionar a Justiça Eleitoral contra a chapa vencedora, o PSDB o fez em 2014, quando não poderia imaginar que a presidente Dilma Rousseff seria cassada dois anos adiante, como acabou por aconteceu em 31 de agosto de 2016.
Nesse meio tempo, e sacramentada a queda de Dilma, houve a recomposição de forças no Parlamento e, com o novo comando do Executivo, o próprio PSDB passou à condição de principal partido da base aliada e fiador da política do PMDB de Temer. Ou seja, o partido autor é da ação que pode desalojar do poder o próprio mandatário ao qual é aliado.
ASSISTA AO JULGAMENTO AO VIVO:
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post AO VIVO: O julgamento histórico que pode cassar Michel Temer apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 06 Jun 2017 12:01 PM PDT
decido cala a boca pago salaário danilo gentilli maria do rozário
Gilberto Miranda Junior*, Medium
Que tipo de processo poderia ser movido contra um patrão que se dirigisse assim a um empregado ou empregada? E se, antes de falar assim, diante de uma solicitação por escrito da empregada para explicar o que havia dito anteriormente, o patrão rasgasse o pedido, picasse, chamasse a empregada de “puta”, colocasse dentro da cueca os papéis picados, tirasse os papéis de dentro da cueca e colocasse em um envelope, dizendo:
Chegando minha cartinha, abre ela, tire o conteúdo, sinta aquele cheirinho do meu saco e abra a bunda e enfie bem no meio dela tudo isso que estou mandando para você.
Não se escandalize, caro leitor. Foi exatamente isso que Danilo Gentili fez e falou em um vídeo que tem sido replicado no Whatsapp e no Facebook por ocasião de uma notificação extra-judicial da Câmara dos Deputados para que Danilo explicasse alguns Twitters publicados contra a Deputada que se sentiu caluniada por ele. Ao interpretar o pedido de explicação da Câmara como uma tentativa de censura ao seu “humor”, ele levou ao pé da letra os dizeres de sua camiseta “se você não aguenta uma piada, foda-se” e partiu para o ataque.
Caberia discorrermos sobre aquela velha ladainha acerca dos ‘limites do humor’? Não penso que seja esse o caso. Não parece-me, sob qualquer parâmetro razoável que se possa olhar o caso, como se tratando de humor. Embora procurando ser irônico ou sarcástico, Danilo atacou covardemente uma pessoa, um cidadão, independente da suposta ‘relação de trabalho’ alegada. Danilo ofendeu, chamou de puta, falou para ela sentir o cheiro do seu saco e mandou ela abrir a bunda para enfiar a resposta dele dentro. Afinal, do que se trata isso? Não fossem essas as duas figuras protagonistas do caso, haveria algum tipo de indignação das pessoas? Quem está compartilhando esse vídeo e o transformando em viral parece dar anuência ao que foi feito e comemorar como se Maria do Rosário ou qualquer pessoa realmente merecesse isso. Assim foi, por essas mesmas pessoas, quando Bolsonaro disse que ela sequer mereceria ser estuprada de tão chata, como se alguma mulher, em alguma circunstância imaginável, merecesse.
Não penso que humor ou arte em geral tenha que ter limites. Não pode ter. Mas é notável a indignação causada pela performance da artista que defecou na foto do Bolsonaro e a anuência ou condescendência das pessoas diante do ato abominável e desrespeitoso com Maria do Rosário. Homens parecem gostar ou serem afeitos a mostrar suas genitálias como forma de intimidação, de humilhação ou demonstração de poder. Chamar de humor a total ultrapassagem de qualquer limite de civilidade, parece-me apenas uma forma de mascarar um ódio irracional que certos porta-vozes da classe média tem incorporado e representado sem o menor constrangimento. Mesmo que não se queira defender a Deputada, assistir algo assim (sem que se participe desse ódio irracional) é estarrecedor.
É reservado a todo e qualquer cidadão (inclusive ao Danilo Gentili) o direito a uma representação junto ao Estado para que se peça explicação acerca de afirmações proferidas por alguém sobre sua pessoa. Basta se sentir ofendido e interpretar a ofensa como calúnia ou difamação, tipificações previstas em nossas Leis. Ainda assim não é o ofendido quem decide sobre isso. Há um processo e um julgamento sobre o caso, tendo aquele que ofendeu todo o direito de justificar os motivos da ofensa ou retira-la, independente das sanções que possam advir posteriormente. Ora, onde há censura em impetrar processo legal previsto em Lei a que todos os brasileiros tem pleno direito de exercer? Para Danilo há. Logo, com base nessa distorção interpretativa, ele próprio se deu ao direito de cometer um crime, o de injúria, enquanto protestava contra aquilo que ele interpretava da ação movida pela Deputada.
Mas a questão não é só isso. Ao alegar que, pagando o salário dela, era ele quem teria o direito de mandá-la calar a boca, demonstrou ser um péssimo empregador. Empregadores não devem fazer isso e, inclusive, é passível de processo de assédio o empregador que o fizer. Um deputado não é nosso empregado, embora, obviamente, são nossos impostos que pagam seus salários. Um deputado é um empregado do Estado, contratado com a anuência da população que, à época de sua escolha, entendeu que este defenderia seus interesses. Se não defendeu, não deverá ser reeleito. Se cometeu crime, há leis para investigá-los, puni-los e levá-los a cumprir pena, como no caso do ex-Deputado e Presidente da Câmara Eduardo Cunha. Deputados não são empregados particulares de alguém, a despeito de grandes empresas poderem financiar suas campanhas e colocá-los informalmente como seus empregados particulares. Isso acontece muito, aliás. Mas é contra a lei, diga-se.
Gentili parece entender que Deputados são cachorros particulares de quem os elege: devem levantar, pular, rolar e fingir de morto quando falam com eles. De fato muitos agem assim diante de seus financiadores ou chefes de partido, mas isso é um desvio. Danilo parece achar isso normal e reivindica seu quinhão na aberração política nacional, baseado em uma visão de relação empregado-empregador, no mínimo, anacrônica e, no limite, criminosa.
Congratulo-me com a recente decisão do STJ, cujo relator do caso foi Ribeiro Dantas, ao entender que a tipificação do crime de desacato à autoridade é incompatível com o artigo 13º da Convenção Americana de Direitos Humanos, defendendo, acima de qualquer autoridade pública, o direito inalienável de liberdade de pensamento e de expressão. Muitas denúncias foram coibidas e abafadas por conta de ameaças que colocavam a figura pública acima de seus crimes e delitos. Minas Gerais sabe bem como é isso. Mas ofensa à pessoa é diametralmente oposto disso. A liberdade de expressão não pode sobrepor o direito à dignidade e, nesse caso, parece-me estar tipificado uma das formas do crime contra a pessoa naquilo que a define como tal: sua honra.
Nada disso é sobre limites do humor, autoritarismo ou opressão do Estado sobre o indivíduo, mas sobre dignidade humana e civilidade. A direita raivosa está perdendo o sentido de civilidade e está atropelando direitos individuais em nome de direitos individuais, por que? Muito provavelmente Gentili considera Maria do Rosário menos humana que ele, menos indivíduo que ele, dando-lhe o direito de ofendê-la publicamente através de uma atitude misógina e autoritária, chamando-a de humor. Dessa mesma forma momentos inesquecíveis de barbárie foram cometidos na história da humanidade, sempre que um grupo, uma classe ou mesmo um indivíduo se sentiu superior ou mais humano que outro humano.
É disso que se trata todo esse caso!
*Gilberto Miranda Junior participa do Círculo de Polinização do RAIZ Movimento Cidadanista, é editor do Zine Filosofando na Penumbra e Revista Krinos. Escreve para as revistas Maquiavel, TrendR e Portal Literativo.
[foto: montagem lado a lado, maria e gentili]
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.
O post “Eu decido se você cala a boca porque eu pago seu salário” apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 06 Jun 2017 11:45 AM PDT
jornal britânico questiona lava jato valeu a pena crise brasil
Ainda longe de terminar, a operação Lava Jato já é um marco histórico no combate à corrupção no Brasil, segundo o jornal britânico The Guardian.
Em uma longa reportagem, o jornal recupera a história desde o estopim da operação, em 2014, até as mais recentes acusações que atingem o presidente Michel Temer após as delações da JBS.
Segundo o repórter Jonathan Watts, que assina o texto, a investigação, que partiu de suspeitas sobre doleiros e se estendeu para englobar o coração da Petrobras, da Odebrecht e da vida política do país, vive agora momentos críticos.
Em sua avaliação final, o repórter afirma que a própria independência da investigação está em jogo, com a diminuição dos repasses às entidades responsáveis, que está sendo levada a cabo pelo atual governo de Michel Temer.
Watts avalia: “O Brasil certamente precisava enfrentar a corrupção, que exacerbou a desigualdade e impediu o crescimento econômico. Mas a operação Lava Jato valeu a dor que causou? Ela ajudou a derrubar o PT, mas colocou, em seu lugar, uma administração tão manchada quanto a anterior, só que muito menos disposta a promover a transparência e a independência judicial”.
A Petrobras – a campeã nacional da era Lula – está de joelhos […] Grandes empresas e políticos tradicionais estão desacreditados. Os eleitores sofrem para encontrar alguém em quem acreditar. Não é só a política que está cambaleando, é a própria república”.
No longo prazo, o repórter finaliza, há quem acredite que a Lava Jato vai transformar o Brasil em um país mais justo.
Mas, na análise dele, o risco é que a operação abale de morte a já frágil democracia do país, abrindo caminho para uma “teocracia evangélica de direita” ou um retorno das ditaduras.
Mais importante do que quem cai na Lava Jato, para o The Guardian, é quem entra no lugar.
Luiza Calegari, Exame
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.
O post Jornal britânico questiona se a Lava Jato valeu a pena apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 06 Jun 2017 11:38 AM PDT
doria suspende plano nova cracolândia acolhimento drogados
Em meio à revolta de moradores, a gestão do prefeito João Doria (PSDB) suspendeu o plano emergencial de acolhimento dos usuários de drogas da nova Cracolândia, na Praça Princesa Isabel, centro de São Paulo.
A instalação de 25 contêineres e de um abrigo com banheiros, refeitórios, dormitórios e salas de atendimento médico para atender os dependentes da região havia sido prometida para esta quinta-feira, 1º, mas não saiu do papel nem tem prazo de conclusão.
Na terça, o secretário de Assistência Social, Filipe Sabará, disse ao Estado que a estrutura para atender até 280 viciados estaria “operacional” em dois dias – 150 pessoas nos contêineres que seriam instalados na Rua General Rondon, via vizinha da praça, e 130 no abrigo onde residem ex-moradores de rua, na frente da nova Cracolândia.
Desde quarta-feira, moradores de Campos Elísios protestam contra a instalação dos contêineres em um terreno vazio da Cohab na General Rondon, a uma quadra do acampamento onde até 900 dependentes fumam crack durante todo o dia. “Aqui tem casas e comércios. Se fizerem isso, vai virar mais um ponto de drogas e deixar o bairro sujo e violento”, disse a corretora de imóveis Marina Veron, de 50 anos, vizinha da praça.
Após reunião com os moradores ontem, o prefeito regional da Sé, Eduardo Odloak, disse que o plano dos contêineres está suspenso e será discutido com os secretários de Doria. Já no prédio da Prefeitura do outro lado da praça, que receberia os viciados, os moradores se recusam a mudar para outro abrigo na Mooca, zona leste.
Além de ficar longe, lá são 40 pessoas por quarto. Ninguém quer ir”, disse Márcio Coutinho, de 44 anos. Em nota, a Prefeitura afirmou que “está negociando com os moradores” dos dois locais e não deu prazo para abrir os pontos de acolhimento.
Agência Estado
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.
O post João Doria suspende plano para a nova cracolândia apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 06 Jun 2017 11:00 AM PDT
advogado negro OAB
A OAB/SP realizou nesta segunda-feira (5) um ato de desagravo em favor do advogado Flávio Cesar Damasco, que foi hostilizado e algemado por agentes de segurança da Justiça do Trabalho de SP quando tentava entrar no Tribunal para participar de uma reunião com a desembargadora responsável pelo processo de um cliente.
O episódio ocorreu no TRT da 2ª região em novembro de 2016 e está documentado em 27 minutos de imagens de câmaras de segurança da instituição, divulgadas pelo Estadão.
As imagens mostram o advogado sendo cercado por quatro seguranças e conduzido pelos braços no saguão. Um dos seguranças aparece no vídeo apontando para o rosto do advogado, ao lado de seus colegas, junto à recepção do TRT. A confusão continuou na calçada do tribunal e só terminou no 4º DP, para onde o advogado foi levado após ser algemado pelos seguranças da Corte. Na delegacia, Damasco teria sido liberado ao apresentar a carteira da Ordem.
Damasco havia passado pelo setor de identificação e estava esperando o elevador privativo quando foi abordado por seguranças. Ao ser informado que não poderia utilizar aquele elevador, dirigiu-se ao elevador público do outro lado do saguão.
Enquanto caminhava para lá, foi seguido por um vigia que não acreditou que ele era advogado. De forma inadequada, ele foi comunicado pelo homem que precisava se identificar. “O tratamento dispensado foi hostil, deselegante e mal-educado”, afirmou.
Irritado com a situação, Damasco relata ter dito ao vigia que só iria se identificar se ele pedisse com educação. Ele diz que o vigia respondeu que “não iria pedir com educação coisa nenhuma” e “se não calasse a boca, iria chamar a segurança”. Com a chegada dos seguranças, a situação saiu do controle e os ânimos só se acalmaram no DP.

DENÚNCIA

Apesar do constrangimento de que afirma ter sido alvo, Damasco não foi o autor da denúncia feita à OAB. Esta partiu de uma testemunha, o advogado Luís Carlos Moro, que diz ter acompanhado quase toda a cena sem se identificar para não influenciar os fatos.
Moro afirma ter ficado perplexo com o que viu e ligado na hora para a Comissão de Prerrogativas da OAB. Posteriormente, escreveu uma carta relatando o caso ao órgão e à Associação dos Advogados Trabalhistas de São Paulo.
Segundo Moro, Damasco chegou a mostrar a sua carteira da Ordem aos seguranças no momento em que estava sendo conduzido à força pelo saguão, mas eles não cessaram a abordagem. Em vez disso, perguntaram por que não havia apresentado o documento antes.

RACISMO E PRIVILÉGIOS

Para o conselheiro secional e presidente da AATSP, Lívio Enescu, há indícios de racismo no episódio. “Testemunhas avaliaram que o comportamento dos seguranças não teria sido o mesmo caso o doutor Damasco fosse branco”, contou durante a apreciação o pedido de desagravo. O presidente da Comissão de Direitos e Prerrogativas, Cid Vieira de Souza Filho, também relatou este caso.
O caso de Damasco também deverá ser usado pela OAB para contestar no CNJ o que considera como “privilégios” da Justiça. Para o advogado Marcos da Costa, presidente da OAB/SP, não faz sentido a existência de elevadores privativos para juízes, membros do MP e servidores. Na visão de Costa “nada justifica” também a existência de uma polícia própria do Judiciário, que não se enquadra em nenhum segmento previsto na Constituição: a PF, a PM, a polícia Civil, a Guarda Municipal e as Polícias Rodoviárias.
Segundo o jurista Pedro Serrano, o fato é que um advogado de 60 anos, com idade para ser pai dos seguranças, negro, foi vítima de humilhação pública, violenta e absolutamente ilícita.
“A violência e a descortesia tanto contra advogados como com negros nesses ambientes forenses chega a um ponto de representar absoluta intolerância e ódio das instituições contra cidadãos, que, com seus tributos, ajudam a custear os elevados custos dessas instituições”, afirmou.
com Agência Estado e Migalhas
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Advogado negro é agredido e algemado após ser impedido de usar elevador no TRT apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 06 Jun 2017 11:00 AM PDT
Ranking cidades mais violentas brasil nordeste
Ranking das cidades mais violentas (Imagem: Pragmatismo Político)
A cidade de Altamira, no Pará, lidera o ranking dos municípios mais violentos do Brasil, formulado pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública com dados de 2015.
O cenário retratado pelo estudo, segundo os autores da pesquisa, acabou evoluindo para a crise de segurança pública que estremeceu o país no início do ano. De acordo com o estudo, essa crise é resultado direto da incapacidade dos governos em planejar, propor e executar políticas minimamente efetivas para a área.
Em 2015, 59.080 morreram vítimas de homicídios no Brasil — o que equivale a 28,9 mortes a cada 100 mil habitantes.
Isso significa que, a cada três semanas, 3,4 mil pessoas foram assassinadas no Brasil – um número maior do que a quantidade de mortos nos 498 ataques terroristas que aconteceram nos cinco primeiros meses de 2017.
A taxa mostra uma nova acomodação nos níveis de homicídios no país, que passaram da faixa de 48 mil a 50 mil até 2007 para um novo nível de 59 mil a 60 mil em 2015.
No geral, houve uma redução no número de assassinatos na região Sudeste, uma estabilização no Sul, e, por outro lado, um grande crescimento nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.
Desta vez, além da publicação do estudo, o Ipea anunciou o lançamento do site Atlas da Violência, que vai trazer dados e estatísticas sobre violência urbana no país.

Municípios mais violentos

O índice do Ipea leva em conta a taxa de homicídios mais o número de Mortes Violentas com Causa Indeterminada.
Em Altamira, essa taxa ficou em 107, o que quer dizer que houve 107 mortes para cada 100 mil habitantes.
A presença dessa cidade no topo do ranking pode ser explicado pelos baixos índice de desenvolvimento humano (IDH) e renda per capita, mas não só: há o fenômeno de crescimento econômico desordenado, provocado pela construção de Belo Monte.
Em segundo lugar no ranking, aparece Lauro de Freitas, na Bahia, com incidência de 97,7 homicídios; seguida por Nossa Senhora do Socorro, em Sergipe, e São José do Ribamar, no Maranhão.
A primeira capital do ranking é Fortaleza, no Ceará, em 13º na lista. Entre os 30 municípios mais violentos, há três da região Sul e um da região Sudeste: todos os outros estão no Nordeste, Centro-Oeste ou Norte do país.

Veja o ranking das 30 cidades mais violentas do Brasil:

Posição Estado Cidade Taxa
1 PA Altamira 107
2 BA Lauro de Freitas 97,7
3 SE Nossa Senhora do Socorro 96,4
4 MA São José de Ribamar 96,4
5 BA Simões Filho 92,3
6 CE Maracanaú 89,4
7 BA Teixeira de Freitas 88,1
8 PR Piraquara 87,1
9 BA Porto Seguro 86
10 PE Cabo de Santo Agostinho 85,3
11 PA Marabá 82,4
12 RS Alvorada 80,4
13 CE Fortaleza 78,1
14 BA Barreiras 78
15 BA Camaçari 77,7
16 PA Marituba 76,5
17 PR Almirante Tamandaré 76,2
18 BA Alagoinhas 75,7
19 BA Eunápolis 75,1
20 GO Novo Gama 75
21 GO Luziânia 74,7
22 PB Santa Rita 74,1
23 MA São Luís 73,9
24 GO Senador Canedo 73,7
25 PA Ananindeua 70,2
26 GO Trindade 69,8
27 CE Caucaia 69,8
28 PE Igarassu 69,4
29 ES Serra 69,2
30 BA Feira de Santana 68,5

Luiza Calegari, Exame
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.
O post O ranking das 30 cidades mais violentas do Brasil apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 06 Jun 2017 10:14 AM PDT
Roy Larner Londres ataques
Roy Larner bebia em um bar quando os ataques começaram no último sábado
Roy Larner enfrentou três terroristas e sobreviveu durante os ataques que aconteceram em Londres no último sábado. Agora, a mídia londrina o trata como o “Leão da London Bridge”.
Larner, de 47 anos de idade, bebia em um bar chamado Black & Blue quando os terroristas invadiram o local com facas. Em um ato de coragem, o homem partiu para cima dos suspeitos para evitar um massacre.
Durante a luta, ele foi esfaqueado diversas vezes no peito, na nuca e nas costas enquanto defendia os demais clientes do local. As informações são do The Guardian.
Larner, torcedor do pequeno time de futebol Millwall, foi levado para a UTI do hospital St. Thomas e sobreviveu. A condição dele, de acordo com os médicos, é estável. O curioso é que a torcida de seu time é conhecida como uma das mais violentas da Inglaterra – e ele bradou o nome do Millwall durante o ocorrido.Em entrevista publicada no site Unilad, o “Leão da London Bridge” relembrou o momento da luta.
“Eles tinham facas longas e começaram a gritar sobre Allah. Em seguida, gritaram: ‘Islã, o Islã, o Islã’. Como um idiota, eu gritei de volta para eles. Eu dei alguns passos na direção deles e disse: ‘Foda-se, eu sou Millwall’. Então, eles começaram a me atacar. Eu estava na frente deles tentando combatê-los. Todo mundo correu para a parte de trás”, conta.
“Estava sozinho contra três e por isso me machuquei tanto. Apenas eu tentando segurá-los com minhas mãos. Fui esfaqueado e oito vezes. Eles acertaram minha cabeça, peito e as duas mãos. Havia sangue por toda parte. Eles estavam dizendo, ‘Islã, Islã!’. Eu disse novamente, ‘Foda-se, eu sou Millwall!’ Foi a pior coisa que eu poderia ter feito como eles continuaram me atacando”, completou.
Um grupo criou uma campanha para levantar dinheiro e ajudar o novo herói na recuperação. Em questão de poucas horas, foram arrecadados mais de R$ 24 mil.
Roy Larner pode ser condecorado pela coragem demonstrada durante os ataques.
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Homem que lutou com 3 terroristas fica conhecido como “Leão da London Bridge” apareceu primeiro em Pragmatismo Político.

Nenhum comentário:

Postar um comentário