quinta-feira, 8 de junho de 2017

8/6 - Alguns links sobre a Grã-Bretanha

FONTE:Castor Filho <castorfilho@yahoo.com>


Theresa May diz "Basta!" – Também achamos! – Basta mesmo! Votem e tirem May do governo britânico

4/6/2017, Moon of Alabama

Alguns links sobre a Grã-Bretanha – ataques do terror e a próxima eleição:

BBC: Rebeldes britânicos atacam a fortaleza de Theresa May em Londres (ing.)

Essa é a manchete que BBC tem obrigação de publicar, ontem como hoje. É assim que noticiam sempre que os "rebeldes" são "sírios", e os ataques acontecem em Damasco. Por que mudou? Mudou por quê? Se não é 'jornalismo objetivo' hoje, por que seria quando os ataques acontecem em Damasco ou na Líbia?!

Sobre o ataque em Manchester, John Pilger pergunta: (art. port.:) 
O que a primeira-ministra sabia? (vídeo, ing.)

Pilger chama a atenção, como nós também chamamos, para o fato de que Theresa May era Secretária de Estado [GB: Home Secretary] quando se levantaram os controles para permitir que takfiris líbios viajassem da Grã-Bretanha para a Líbia, com a tarefa de destruir o país.

Metade daqueles que foram agora voltaram, bem treinados. Um deles matou 22 pessoas em Manchester. Revide contra a decisão pessoal de May, de enviar terroristas conhecidos para fazer as guerras de destruição 'por procuração' em que a Grã-Bretanha envolveu-se. Agora ela diz que há "excesso de tolerância com extremistas". Quem tolerou os extremistas de Theresa May?

A atual secretária de Estado não é melhor que May:
Amber Rudd impede o candidato independente de questionar negócios de venda de armas para sauditas patrocinadores do terrorismo

É a resposta típica de governantes autoritários, quando seus negócios obscuros são discutidos abertamente e a competência daqueles governantes é questionada: mais censura. Theresa May exige que empresas de internet ponham fim aos 'espaços seguros' para ações extremistas, depois do ataque do terror na Ponte de Londres

A Ponte de Londres seria algum web server? Os "espaços seguros" da internet teriam sido usados para atacar a Ponte de Londres? Ou os "espaços seguros" são usados para questionar o lucrativo caso de amor da Grã-Bretanha e May com os sauditas doidos que financiam terroristas na Arábia Saudita e no Qatar? Para mergulho mais profundo leiam Ninguém entende o ISIS se não entende a história do wahhabismo na Arábia Saudita

É proibido saber ou discutir oficialmente a colusão entre May e os patrocinadores do terror: Home Office pode não publicar relatório sobre financiamento de terroristas, ante acusações de que o relatório acusa a Arábia SauditaÉ possível que o inquérito inclua denúncias contra sauditas, com quem o Reino Unido acaba de fechar negócio de licença para exportação de armas no valor de £3,5 bilhões.

Seria péssimo para os negócios reconhecer publicamente que o governo britânico conhece e arma as fontes reais do terrorismo takfiri. Umas poucas dúzias de britânicos ali e ali que morram, em Manchester e Londres, vez ou outra, para manter felizes e ricos os acionistas de BAE Systems e de outros fabricantes britânicos de armas. Jeremy Corbyn pode mudar isso. Já exigiu embargo de armas contra a Arábia Saudita.

Ataque em Londres: Theresa May diz que 'coisas têm de mudar' Primeira-ministra Theresa May: 'Basta' (vídeo, ing.)

Esperemos que os eleitores britânicos concordem. As coisas têm de mudar. Basta! Votem para tirar May do governo britânico. Ponham fim às relações sórdidas com as ditaduras medievais da Península Arábica.

Uma troca de liderança na Grã-Bretanha é
perfeitamente possível, se os jovens eleitores Trabalhistas comparecerem às urnas em grande número. Os britânicos que queiram pôr fim ao terrorismo contra outros povos e contra os próprios britânicos têm de ajudar o mundo a conseguir isso.*****


Nenhum comentário:

Postar um comentário