sábado, 22 de julho de 2017

22/7 - Os Amigos do Presidente Lula DE 21/7

Os Amigos do Presidente Lula


Posted: 21 Jul 2017 11:15 AM PDT


Preso há quase cinco anos, o publicitário Marcos Valério tem o maior interesse de que sua delação premiada avance nas negociações com a Polícia Federal e o Ministério Público Federal. A possível colaboração de Valério preocupa o senador Aécio Neves (PSDB), sobretudo por abranger o período em que o tucano governo o estado de Minas Gerais, e alguns de seus aliados.

Interlocutores afirmam que a delação do publicitário atinge políticos de diferentes partidos, mas que ela tem um foco especial sobre Aécio e o senador Clésio Andrade (PMDB-MG). Em tentativas passadas para firmar delação, Valério reiterou a delação do ex-senador Delcídio Amaral, na qual Aécio é acusado de pedir mais prazo, na CPI dos Correios, para que fossem entregues as informações do Banco Rural para maquiar documentos.

Aécio Neves teria dito, na sede do governo de Minas Gerais, que o tempo extra foi uma estratégia para “maquiar” os dados do Banco Rural que “atingiriam em cheio as pessoas de Aécio Neves e Clésio Andrade, governador e vice-governador de Minas Gerais (na época)”.

Segundo o juiz Wagner Cavalieri, titular da Vara de Execuções Criminais da Comarca de Contagem, que participou do processo de transferência de prisão de Valério, o publicitário é “possuidor de inúmeras informações de interesse da Justiça e da sociedade brasileira sobre fatos ilícitos diversos que envolvem a República”. Como cita políticos com foro privilegiado, o acordo aguarda homologação do STF.

No foco de Marcos Valério estaria o mensalão tucano mineiro, quando recursos de estatais teriam sido supostamente desviados para a campanha à reeleição do ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB). A proposta de delação havia sido rejeitada pelo Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG),

Valério e o Mensalão tucano PSDB

O mensalão mineiro envolve denúncias de peculato e lavagem de dinheiro durante a campanha à reeleição do governador Eduardo Azeredo (PSDB), em 1998. Um dos fundadores do PSDB e ex-presidente da legenda, Azeredo já foi condenado em primeira instância à pena de 20 anos e 10 meses de prisão. Ele entrou com recurso no TJMG e aguarda o julgamento em liberdade.

Marcos Valério é apontado como operador desse esquema. O publicitário já está preso por ter sido condenado na Ação Penal 470, o processo do mensalão, no qual foram condenados políticos do PT, PMDB, PP, PTB e do extinto PL. Valério cumpre pena de 37 anos pelos crimes de corrupção ativa, peculato, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

O publicitário também é réu em processo da Operação Lava Jato, que investiga um esquema de corrupção envolvendo a Petrobras. Ele é acusado de lavagem de dinheiro.A Agência Brasil tentou contato com o advogado de Valério, Jean Robert Kobayashi Júnior, mas não obteve sucesso.
Posted: 21 Jul 2017 10:59 AM PDT


Durante o discurso do Temer na 50ª Cúpula do Mercosul, em Mendoza, na Argentina, nesta sexta-feira (21), o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, não resistiu  as tantas besteiras e histórias nem sempre verdadeiras e acabou dormindo dormiu.

Posted: 21 Jul 2017 09:58 AM PDT

Depois de distribuir R$ 2 bilhões em emendas aos aliados para se livrar da denuncia de corrupção no Supremo Tribunal Federal (STF). Depois de bancar, com dinheiro público,milhares de reais, jantares para deputados e senadores da base aliada, Temer afirmou, na noite de quinta-feira (20), que a "população vai entender" o aumento do imposto sobre combustíveis, anunciado pelo governo federal. As alíquotas do  Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) sobre a gasolina, o diesel e o etanol, sofreu um aumento para compensar as dificuldades fiscais.

O decreto determinando o aumento está publicado na edição desta sexta-feira do Diário Oficial da União. A alíquota subirá de R$ 0,3816 para R$ 0,7925 para o litro da gasolina e de R$ 0,2480 para R$ 0,4615 para o diesel nas refinarias. Para o litro do etanol, a alíquota passará de R$ 0,12 para R$ 0,1309 para o produtor. Para o distribuidor, a alíquota, atualmente zerada, aumentará para R$ 0,1964.
Posted: 21 Jul 2017 10:01 AM PDT

Manifestantes ocuparam   as duas faixas da Avenida Paulista, em São Paulo na noite de ontem.Na Cinelândia, no Rio de Janeiro, e outras cidades e capitais brasileiras, também tiveram atos  nesta quinta-feira (20), em apoio ao ex-presidente Lula, em defesa da democracia e contra  Michel Temer e as reformas trabalhista e da Previdência. Os atos foram organizados por partidos de esquerda e centrais sindicais.

Posted: 21 Jul 2017 03:31 AM PDT



O aumento do imposto do combustível mostra que existe um abismo entre a propaganda do governo e a situação real da economia. Diante dos microfones, o presidente Michel Temer diz que o país voltou aos trilhos. No silêncio dos gabinetes, a equipe econômica admite que as contas estão longe de fechar.

No ritmo atual, seria impossível cumprir a meta de R$ 139 bilhões de deficit. O governo asfixiou a máquina e parou até a emissão de passaportes, mas a arrecadação continuou muito abaixo do esperado. Para tapar o rombo, vai apelar ao remendo de sempre: tungar o contribuinte.

Em nota conjunta, os ministérios da Fazenda e do Planejamento afirmaram que o aumento do imposto do combustível é "absolutamente necessário" para preservar o ajuste fiscal e manter a "trajetória de recuperação da economia brasileira".

Todos sabem que a crise fiscal foi gerada no governo Dilma Rousseff, mas Temer já teve mais de um ano para mostrar resultados. Parte da encrenca atual é fruto da decisão do presidente de conceder aumentos polpudos ao funcionalismo.

Só neste ano, a despesa adicional com salários e aposentadorias de servidores já ultrapassou a casa de
R$ 12 bilhões. Isso não inclui o gasto extra para agradar deputados e barrar a denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente.

Nesta quinta, Temer voltou a vender otimismo e fazer elogios a si próprio. Em solenidade no Palácio do Planalto, ele disse que o Brasil "não parou" e chamou os críticos do governo de "arautos do catastrofismo".

Haja autoestima.

*

Em maio, Sérgio Sá Leitão divulgou foto com um procurador da Lava Jato no lançamento do livro "A Luta Contra a Corrupção". Dois meses depois, ele aceitou convite para ser ministro da Cultura. Vai integrar um governo repleto de investigados e terá como chefe um presidente acusado de corrupção. Por Bernardo Melo

Nenhum comentário:

Postar um comentário