sábado, 8 de julho de 2017

8/7 - Pragmatismo Político DE 7/7

Pragmatismo Político


Posted: 07 Jul 2017 12:34 PM PDT
pragmatismo político influenciadores digitais
(Imagem: Vencedores de todas as categorias do Prêmio Influenciadores Digitais no palco do Teatro CIEE, em São Paulo)
Na última segunda-feira (3), Pragmatismo Político recebeu o prêmio de veículo de comunicação digital mais relevante em 2017 na categoria ‘Política, Economia e Atualidades’. Dividimos o palco com o Conversa Afiada, do jornalista Paulo Henrique Amorim.
A cerimônia de premiação do Prêmio Influenciadores Digitais 2017 ocorreu no Teatro do Espaço SocioCultural CIEE, no Itaim Bibi, em São Paulo.
O evento, organizado pela revista Negócios da Comunicação, completou seu segundo ano e premiou pelo menos 60 sites em 20 diferentes categorias.
Na categoria ‘Humor’, por exemplo, venceu o excelente Sensacionalista. Em ‘Mídia e Comunicação’, o troféu foi para o Hypeness. Em ‘Saúde’, quem levou foi o médico Drauzio Varella. Os agraciados na categoria ‘Arquitetura e Urbanismo’ foram os colegas do 44 Arquitetura.
Páginas de Cultura, Ciência e Tecnologia, Educação e Inclusão também foram premiadas.
Além da cerimônia de premiação, palestras e painéis de debates ao longo do dia foram comandados por executivos de grandes empresas e agências, como Heineken e Samsung.

Reconhecimento

Diretora comercial e administrativa de Pragmatismo Político, Analyana Bandeira representou o portal no evento da última segunda-feira e relatou a importância de mais um prêmio recebido pelo veículo.
“O que mais me chamou a atenção foi o reconhecimento. Embora lá estivessem representantes de áreas diversificadas, muitas das quais sem relação direta com a linha editorial de Pragmatismo Político, como moda, comportamento, games, arquitetura, turismo, design, entretenimento e tecnologia, essas pessoas nos procuraram não apenas para nos congratular, mas para dizer que eram leitores e admiradores do site”, disse.

Agradecimento

Com mais de 7 milhões de páginas visualizadas por mês, Pragmatismo Político está hoje consolidado entre os veículos da mídia alternativa mais influentes do Brasil.
Em algumas ocasiões, já fomos apontados pelo Monitoramento Digital da USP como uma das páginas mais engajadas nas redes sociais.
A todos e todas que nos acompanham e nos ajudaram a alcançar esse reconhecimento, nosso muito obrigado!
Imagens do evento:
Analyana Bandeira (Pragmatismo Político) e Paulo Henrique Amorim (Conversa Afiada)
Imagem com os vencedores de todas as categorias em cima do palco
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Vencemos o Prêmio Influenciadores Digitais #InfluentMinds 2017 apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 07 Jul 2017 12:33 PM PDT
obama lula g20 o cara
(Imagem: Reunião do G20 em 2009 teve Lula e Obama como protagonistas)
Michel Temer (PMDB) chegou em Hamburgo, na Alemanha, nesta sexta-feira (7) para participar da reunião do G20, grupo que reúne os 20 países mais ricos do mundo.
Em sua primeira declaração pública, o presidente brasileiro disse a jornalistas que “crise econômica no Brasil não existe”. O comentário veio em resposta ao ser questionado sobre a posição do Brasil no G20 em meio à turbulenta crise política e econômica no país.
“Crise econômica no Brasil não existe. Vocês têm visto os últimos dados”, retrucou Temer aos jornalistas. Diante da resposta, uma jornalista questionou: “Não existe crise econômica, presidente?”
“Não. Estamos crescendo empregos, estamos crescendo indústria, estamos crescendo agronegócio. Lá não existe crise econômica”, ressaltou Temer, interrompendo a entrevista e contrariando os dados do IBGE que apontam recorde de desemprego no Brasil sob sua gestão.

Descrédito

A falta de prestígio de Michel Temer no Brasil é também refletida internacionalmente. No encontro do G20 o atual presidente brasileiro está sendo tratado com indiferença pelos principais líderes internacionais e até mesmo por lideranças de países menos expressivos.
Trata-se de um quadro exatamente oposto ao que aconteceu no encontro de 2009, em Londres, quando o então presidente Lula chegou na reunião como protagonista e foi saudado por Barack Obama, que o chamou de ‘o cara’.
Segundo Melvyn Levitsky, ex-embaixador dos EUA no Brasil e professor de Política Internacional da Universidade de Michigan, a falta de legitimidade de Michel Temer e as inúmeras denúncias de corrupção que pesam contra o seu governo o colocam na condição de coadjuvante na reunião do G20 em Hamburgo.
“Por que os líderes das maiores economias do planeta iriam pensar em tratar de acordos de comércio com o Brasil durante o G20 se do lado brasileiro estará um líder suspeito de corrupção, que pode sofrer um processo de impeachment e ser indiciado judicialmente e certamente não disputará as eleições de 2018?”, diz Melvyn Levitsky, embaixador dos EUA no Brasil durante o governo Bill Clinton.
Para James Green, historiador e diretor da Brazil Initiative da Universidade de Brown, “o governo que chega a Hamburgo é identificado com a corrupção e a falta de legitimidade política e representação popular, e isso é claramente percebido pelas lideranças mundiais. Por isso mesmo, é impossível que Temer tenha qualquer importância internacional”.
O historiador diz que o trabalho de projeção internacional, incrementado durante o governo Lula (2003-2010), da imagem do país-continente, com economia diversificada e liderança regional natural e forte, com a defesa de uma atuação independente do Itamaraty, tinha como alicerce o enorme apoio popular dado ao “cara”. Agora o cenário é o oposto.

Repercussão

Nas redes sociais, de maneira mais singela, debochada e objetiva, muitos internautas corroboram com o pensamento dos especialistas em política internacional.
“Michel Temer sempre foi figurante em tudo o que fez, com exceção do golpe aplicado para tirar a ex-presidente. Vai ficar atrás de algum país insignificante como da outra vez. Única que vai fazer sucesso é a Marcela nos shoppings”, criticou um internauta.
“Quando o golpista chegar para a reunião do G20 alguém vai falar para a polícia: “este é o cara”, ironizou outro.
Lula no G-20:
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Brasil deixa de ser protagonista no G20 e vira figurante com Michel Temer apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 07 Jul 2017 12:15 PM PDT
nasa estratégia desviar asteroides terra 2017
A Nasa, agência espacial dos Estados Unidos, prepara uma ambiciosa missão: desviar um asteroide que passará perto da Terra.
O alvo é um asteroide chamado Didymos (“gêmeo” em grego), que conta com um sistema binário, ou seja, dois corpos: o Didymos A tem aproximadamente 780 metros de comprimento, e o Didymos B, um corpo menor que o envolve, tem uns 160 metros.
A previsão é de que esse asteroide passe relativamente perto da Terra, a cerca de 11 milhões de quilômetros de distância, em outubro de 2022 e depois em 2024.
É aí que a Nasa quer colocar em prática a primeira missão para demonstrar uma técnica de deflexão, isto é, de desvio do asteroide para proteger o planeta.
O risco de impacto do asteroide é real, pergunte aos dinossauros“, diz à BBC Mundo Jean Luc Margot, professor de astronomia da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA). “Diferente de outros perigos naturais como furacões, erupções vulcânicas, terremotos, etc, os impactos dos asteroides podem ser evitados com a tecnologia atual.”

Como será a missão?

No momento, a Nasa trabalha no design do Teste de Redirecionamento do Asteroide Duplo (DART, na sigla em inglês).
O DART será a primeira missão da Nasa para colocar na prática o que é conhecido como técnica de pêndulo cinético – bater no asteroide para mudar sua órbita – a fim de defender a Terra de um possível impacto futuro“, explica Lindley Johnson, especialista em defesa planetária da Nasa em Washington.
E, para testar esse novo projeto, que ainda se encontra em uma fase preliminar, os cientistas da agência espacial acreditam que o Didymos é a melhor oportunidade.
Um asteroide binário é o laboratório natural perfeito para esse teste“, diz Tom Statler, cientista do programa do DART, em comunicado da Nasa. “O fato de o Didymos B estar em órbita ao redor do Didymos A faz com que seja mais fácil ver os resultados do impacto e garante que o experimento não mude a órbita da ambos ao redor do Sol.”
Para o professor Margot, a escolha desse asteroide é boa porque ele é relativamente acessível para aeronaves espaciais e é possível medir as mudanças com imagens de radar.

Mais rápido que uma bala

Segundo a Nasa, o DART atingirá o Didymos B, o asteroide menor, “a uma velocidade de 6 km por segundo, nove vezes mais rápido que uma bala“.
Com esse teste, os cientistas poderão avaliar a mudança resultante na órbita de Didymos B ao redor de Didymos A. Isso permitirá determinar as capacidades do impacto cinético como uma estratégia de mitigação de asteroides.
O DART é um passo crítico para demonstrar que podemos proteger nosso planeta de um impacto futuro de asteroides“, diz Andy Cheng, do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins em Laurel, Maryland (EUA), que também participa do projeto.
Segundo o professor Margot, a iniciativa está dentro das capacidades tecnológicas dos Estados Unidos, mas pode enfrentar o risco de cortes orçamentários.
Se os responsáveis pelo orçamento não apoiarem o projeto, poderão ser considerados culpados pela perda de vidas e bens em caso de um impacto grande de um asteroide“, opina Margot.
Analía Llorente, BBC
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Nasa prepara pela 1ª vez estratégia para desviar asteroide da Terra apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 07 Jul 2017 12:15 PM PDT
divida maiores bancos brasil itaú caixa bilhões
Os grandes bancos comerciais do Brasil são destaque entre os maiores devedores com a União. Juntas, as instituições financeiras somam mais de R$ 124 bilhões, de acordo com levantamento realizado pelo Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional (Sinprofaz), divulgado ontem (5). A natureza de tais débitos envolve itens como Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), atividades de seguros, capitalização, resseguros, planos de saúde e previdência.
De acordo com o relatório, do montante, R$ 7 bilhões correspondem à dívida com a Previdência, R$ 107,5 milhões são referentes ao FGTS e R$ 117 bilhões representam o restante. Os dados inspiram críticas à proposta de reforma da Previdência, capitaneada pelo presidente Michel Temer (PMDB). “Existe dinheiro, muito dinheiro. Existe um órgão responsável pela cobrança que está cada vez mais sucateado, porque não existe interesse do governo em que esse dinheiro seja cobrado. Fazer uma reforma na Previdência dizendo que a conta, mais uma vez, tem que ser paga pelo trabalhador é muito delicado”, disse o presidente do Sinprofaz, Achilles Frias.
Os bancos devem R$ 124 bilhões. São recursos do povo. Verbas que poderiam ser investidas em áreas como educação, saúde, segurança pública, infraestrutura e mesmo a Previdência, mas não é cobrada”, continua. A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional possui a área de Estratégias de Recuperação de Créditos para cobrar os valores. Essa dívida pode ser ainda dividida entre situação regular ou irregular. As irregulares correspondem a R$ 82,6 bilhões e representam valores com cobrança ativa em andamento, sem garantia ou penhora de bens em execuções fiscais. Já a dívida em situação regular representa R$ 41,8 bilhões.
Para o senador Paulo Paim (PT-RS), presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Previdência, destinada a investigar o déficit no setor, alegado pelo governo federal para mover a reforma, “os grandes devedores partem pela seguinte linha: devo, não nego e não pago. Eles vão continuar brigando na Justiça dentro dos instrumentos que o processo permite. Infelizmente, não são empresas pequenas. São bancos como Bradesco, Itaú, Caixa, Banco do Brasil. Dívidas de bilhões”.
Frias ainda alerta para a possibilidade de o Estado negligenciar ainda mais tais cobranças. “Essas dívidas, que deveriam ser revertidas para o povo, podem ser privatizadas por projetos existentes no Congresso, de autoria e articulados por parlamentares ligados ao governo. Ou seja, deputados e senadores querem privatizar a dívida da União por meio de securitização, concessão, seja qual terminologia for, para permitir que os bancos que devem R$ 124 bilhões cobrem ou não suas próprias dívidas, deixando a população à mercê e sem esses recursos”, afirma.
Enquanto o governo penaliza o cidadão, tributando severamente os trabalhadores e os pequenos e médios empreendedores por um lado, por outro, permite que os bancos do Sistema Financeiro Nacional fiquem livres de cobranças, e no futuro, com as dívidas privatizadas para eles mesmos, tenham o poder de nem sequer cobrar suas dívidas”, completa. Para o senador à frente da CPI da Previdência, “o discurso que é dado pelo governo é sempre o mesmo, que tem que penalizar o trabalhador mais uma vez, se não o Brasil vai quebrar. Mas eles não cobram os grandes devedores. E querem que a gente não reclame”, diz.
A tabela da dívida do Sistema Financeiro Nacional é pública e pode ser vista aqui.
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Dívida somada dos maiores bancos do Brasil chega a R$ 124 bilhões apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
This posting includes an audio/video/photo media file: Download Now
Posted: 07 Jul 2017 12:00 PM PDT
Brad Pitt iraquiano assassinado Karar Nushi roupas coloridas coladas
Um jovem ator e modelo que está sendo chamado de “Brad Pitt iraquiano” pela imprensa local foi raptado, torturado e brutalmente assassinado devido às roupas coloridas e justas que usava. O corpo do homem foi encontrado abandonado em uma rua movimentada de Bagdá, cidade na qual o fanatismo religioso, seja de matriz sunita ou xiita, está cada vez mais forte.
Karar Nushi estudava no Institute of Fine Arts da capital iraquiana e há alguns anos já era conhecido como uma promessa dos teatros e da televisão do país. Segundo seus amigos do Facebook, o jovem estava se preparando para participar de um concurso de beleza masculino.
Além disso, Nushi havia afirmado nas suas redes sócias recentemente que havia recebido ameaças de morte de grupos religiosos fanáticos, não especificados por ele, pelo seu estilo de vida, seu modo de se vestir e pelos seus cabelos, loiros, compridos e lisos.
O modelo e ator vinha de uma cidade nas proximidades de Bagdá e era xiita, mas em seus discursos e publicações negava o uso instrumental da religião no dia-dia. Em algumas das sua fotos no Facebook, o jovem aparecia posando em lugares de culto e sagrados para a religião muçulmana.
No entanto, as suas roupas eram fortemente criticadas por não serem as que a maioria dos homens do país usa. O corpo do artista foi encontrão no centro de Bagdá com sinais de tortura, mutilação e várias marcas de facadas por todo o corpo.
No domingo (2), seus amigos e parentes já haviam denunciado o desaparecimento de Nushi, cujo corpo foi recebido com silêncio e muitas lágrimas pela família em sua cidade natal.
Nós lembraremos dele sorridente. Nunca fez nada de mal a ninguém. Mesmo se não aprovássemos como ele se comportava, nós o respeitávamos sempre. E o respeitaremos mesmo agora que está morto“, afirma uma publicação de um amigo no Facebook do iraquiano.
ANSA
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post “Brad Pitt iraquiano” é assassinado devido às roupas coloridas e justas que usava apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 07 Jul 2017 11:51 AM PDT
artista campanha sergio zveiter investigar temer fora
Artistas pedem investigação de Michel Temer (Imagem: Pragmatismo Político)
Artistas lançaram vídeo da campanha Estamos de Olho! para pressionar o deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ) por parecer favorável à denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB). Zveiter foi escolhido para ser o relator, na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara, da denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra Temer por corrupção passiva e, em seu parecer, pode recomendar o prosseguimento ou arquivamento da ação.
Caetano Veloso, Alinne Moraes, Tico Santa Cruz, Fernanda Lima, Renata Sorrah, Valesca Popozuda, Rappin’Hood, Jorge Vercillo, Teresa Cristina e Janaína Diniz Guerra também estão “de olho” na decisão do relator Sergio Zveiter.
Não decepcione o povo brasileiro. Aprove esse relatório, coloque a Câmara para votar, e a gente está aqui de olho em você“, diz o cantor e compositor Tico Santa Cruz. “Temer tem que ser investigado“, frisa Valesca.”É ele quem vai fazer o relatório, e é isso que será votado no Congresso“, explica o deputado estadual Marcelo Freixo (Psol-RJ).
A expectativa é que Zveiter apresente sua decisão na próxima segunda-feira (10). O seu relatório deverá ser votado, primeiramente, na CCJ, e depois encaminhado ao plenário da Câmara. São necessários votos 342 favoráveis para que Temer seja afastado da Presidência e o Supremo Tribunal Federal (STF) possa investigar e julgar a denúncia.
Confira o vídeo:
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Dezenas de artistas gravam vídeo: “Sergio Zveiter, estou de olho em você” apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 07 Jul 2017 11:16 AM PDT
choro prisão Geddel Vieira Lima interesse vídeo humilhação
Geddel Vieira Lima (reprodução)
Foi apenas para expôr Geddel Vieira Lima à humilhação ou o vazamento do vídeo da audiência de custódia teve outro propósito?
Preso por obstrução de Justiça, Geddel chorou diante de um juiz da Lava Jato tão logo percebeu que pode ter tomado um xeque-mate.
Participam da audiência, na quinta (6), o magistrado Vallisney Oliveira de Souza, a defesa de Geddel e representante do Ministério Público Federal. No mesmo dia, o vídeo foi vazado à imprensa.
O destaque, em muitos portais, foi o choro de Geddel quando Vallisney indeferiu o pedido da defesa para que ele fosse transferido para a prisão domiciliar, com tornozeleira, entrega de passaporte e qualquer outra medida que fosse necessária.
Mas o vídeo contém outra informação importante para a Lava Jato.
Em até 3 dias, a esposa de Lúcio Funaro, a empresária Raquel Pitta, terá de ser ouvida pela Polícia Federal para confirmar ou negar o depoimento que levou Geddel à prisão.
Após a bomba da delação da JBS cair no colo de Michel Temer, Funaro decidiu acelerar o acordo de cooperação com a Lava Jato e disse aos investigadores que Geddel mantinha conversas “estranhas” com sua esposa, pelo celular.
Na audiência de custódia, Geddel admitiu que, no último ano, conversou com Raquel por mais de 10 vezes, em ligações rápidas e quase sempre de iniciativa dela, sobre “amenidades“. Ele negou que tenha procurado saber de Funaro ou se a família precisava de dinheiro.
Por volta dos 58 minutos do vídeo, Vallisney diz:
O argumento realmente mais forte que levou a decretar a prisão é justamente essa questão dos telefonemas. E esses telefonemas são existentes, embora nao haja certeza do que houve na conversa, se houve influência [de Geddel sobre Raquel, para que ela pressionasse Funaro a ficar de bico fechado]. Ocorre que o quadro parece grave porque temos um preso há mais de um ano [Funaro] e sua esposa recebe telefonema de um investigado de outra investigação [Geddel]. Isso pode prejudicar não só o resultado do processo, mas a própria esposa do investigado, em relação ao estado de ânimo dela.”
Por “estado de ânimo“, o juiz quis dizer que interessa saber se Raquel sentiu “medo” ou qualquer tipo de constrangimento ou coerção nos contatos com Geddel.
O MPF vai mais longe: acha que importa saber como Funaro reagiu ao saber que a esposa era sondada por Geddel, independente do conteúdo das conversas.
Eu vou determinar que a autoridade policial ouça a esposa de Funaro com urgência, para ver o estado de ânimo dela, para que se esclareça o que foi dito. Sem isso, não é possivel decretar as medidas cautelares alternativas. Isso [interrogatório] e a pericia no celular” devem ser feitos no prazo de 3 dias, definiu o juiz.
Em outras palavras, a revogação da prisão preventiva de Geddel depende da mulher de Funaro.
A decisão de Vallisney desagradou gregos e troianos, em níveis distintos.
A essa altura, ouvir essa senhora, Excelência, é obvio que se espera que ela diga que foi intimidada. Ela não fez a notícia de fato, não procurou a Polícia, não procurou o Ministério Público [à época dos fatos]. Mas é obvio que ela vai querer validar a versão do marido“, disparou a defesa de Geddel.
O Ministério Público também demonstrou-se contrariado, pois queria que o prazo fosse maior, de pelo menos 10 dias. Argumentou que não sabe onde está Raquel.
Diante de prazo exíguo, o vazamento do vídeo – de origem desconhecida – pode ser uma maneira de colocar a empresária em contato com tudo o que a defesa de Geddel contesta no depoimento de Funaro, base da preventiva, e fazê-la entender mais rápido o que está em jogo.
Caberá a ela validar o que disse o ex-operador do PMDB – e, assim, ajudá-lo a fechar a delação e manter Geddel preso – ou jogar vinagre nas acusações da Lava Jato.
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post A informação relevante ocultada pelo choro de Geddel apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 07 Jul 2017 11:00 AM PDT
luta pais bebê síndrome trump papa francisco reino unido
Uma comovente batalha judicial dos pais de um bebê britânico em estado terminal acabou envolvendo o presidente dos EUA, Donald Trump, e o papa Francisco.
Charlie sofre de síndrome de miopatia mitocondrial, uma síndrome genética raríssima e incurável que provoca a perda da força muscular e danos cerebrais. Ele nasceu em agosto de 2016 e, dois meses depois, precisou ser internado, onde permanece desde então, no Hospital Great Ormond Street, em Londres.
O serviço de saúde pública do Reino Unido (NHS) explicou que Charlie tem danos cerebrais irreversíveis, não se move, escuta ou enxerga, além de ter problemas no coração, fígado e rins. Seus pulmões apenas funcionam por aparelhos.
O NHS disse que os médicos chegaram a tentar um tratamento experimental trazido dos EUA, mas Charlie não apresentou melhora. Por isso, defende o desligamento dos aparelhos que o mantêm vivo.
Mas seus pais, Chris Gard e Connie Yates – e uma comunidade de apoiadores -, lutam contra a decisão do hospital e pedem permissão para levar o bebê aos Estados Unidos para receber o tratamento experimental diretamente.

Determinação da Justiça

No dia 27 de junho, entretanto, eles perderam a última instância do pedido na Justiça britânica, que avaliou que a busca pelo tratamento nos EUA apenas prolongaria o sofrimento do bebê sem oferecer possibilidade de cura. A Corte Europeia de Direitos Humanos também concluiu que o tratamento “causaria danos significativos a Charlie“, seguindo a opinião dos especialistas do hospital, e orientou pelo desligamento dos aparelhos.
Nesse mesmo dia, um grupo de britânicos se reuniu em protesto em frente ao Palácio de Buckingham, em Londres, em favor da família de Charlie.
No domingo, após a decisão, o papa Francisco pediu que os pais de Charlie possam “tratar de seu filho até o fim“. O Vaticano disse que o papa estava acompanhando o caso “com carinho e tristeza“.
Num comunicado divulgado pela instituição, o papa expressou condolências aos pais de Charlie, dizendo que reza por eles, “na esperança de que seu desejo de acompanhar e cuidar de seu próprio filho até o fim não seja ignorado“.
O hospital pediátrico do Vaticano inclusive se ofereceu para assumir o tratamento do bebê, mas segundo o secretário de Relações Exteriores britânico, Boris Johnson, razões legais impedem a transferência.
A presidente do hospital chegou a conversar por telefone com a mãe de Charlie e comentou que ela “é uma pessoa muito determinada e decidida e não quer ser parada por nada“.
Nesta semana, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, também se manifestou sobre o caso pelo Twitter, dizendo que gostaria de ajudar Charlie a receber tratamento.
Se pudermos ajudar o pequeno #CharlieGard, como nossos amigos no Reino Unido e o papa, ficaríamos felizes de fazê-lo“, escreveu Trump.
Uma porta-voz da Casa Branca disse que Trump não chegou a falar diretamente com a família, mas que membros da administração o fizeram. “O presidente está tentando ser prestativo se isto for possível“, ela afirmou. Não está claro, porém, que tipo de ajuda seria oferecida pelo governo dos EUA.
A repercussão internacional do caso fez com que a premiê britânica, Theresa May, se manifestasse nesta quarta-feira. Ela disse confiar que o hospital onde Charlie está internado “levará em consideração quaisquer ofertas ou novas informações” que possam beneficiar o bebê.

Sem autonomia

Já Chris Gard e Connie Yates se disseram “decepcionados” com o resultado da longa batalha judicial. Eles chegaram a arrecadar 1,3 milhão de libras (R$ 5,5 milhões) num site de financiamento coletivo para custear o tratamento nos Estados Unidos e disseram que iriam doar o dinheiro a uma ONG voltada para a síndrome de miopatia mitocondrial se Charlie não se beneficiar do dinheiro.
Em um vídeo publicado no YouTube, eles afirmaram: “Estamos com o coração totalmente partido, passando nossas últimas horas preciosas com nosso bebê“.
Não podemos escolher se nosso filho vive e não podemos escolher quando ou onde ele morre“, continuaram, lembrando que foram negados os pedidos para que Charlie fosse levado para casa para morrer.
O tratamento experimental não seria capaz de curar o bebê, mas traria esperanças de amenizar os efeitos da doença. Os médicos americanos afirmaram, no entanto, não terem observado melhora em casos tão avançados como o de Charlie.
De acordo com o NHS, quando os pais não concordam com a condução do tratamento de seu filho, o hospital pode recorrer à Justiça para tomar uma decisão, como ocorreu nesse caso. O processo se estendeu por três instâncias até a Suprema Corte britânica, além da corte europeia, todas em favor da unidade de saúde.
Nesse caso, a Justiça baseia sua decisão, diz o NHS, no que é melhor para Charlie. Por isso, mesmo que os pais queiram custear a viagem aos Estados Unidos com o dinheiro arrecado, eles não têm autonomia para isso, uma vez que a Justiça determinou que o tratamento não trará benefícios ao bebê.
BBC
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Luta de pais para manter bebê vivo envolve Donald Trump e o Papa Francisco apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 07 Jul 2017 10:55 AM PDT
razões rejeitar reforma trabalhista governo temer exploração roberto requião
Roberto Requião
10 motivos para rejeitar o projeto de reforma trabalhista:
1. Precedência do negociado sobre o legislado: o trabalhador, como parte fraca, vai se defrontar com o patrão, a parte forte, sem qualquer proteção legal;
2. A destruição da Justiça do Trabalho como instrumento para equilibrar os poderes do trabalhador e do padrão nas relações trabalhistas;
3. A instituição do trabalho intermitente que, na prática, para milhões de trabalhadores, vai liquidar com a obrigatoriedade do pagamento ao trabalhador do salário mínimo;
4. A impossibilidade prática de os novos trabalhadores se aposentarem, sobretudo quando se considera a possível generalização do trabalho intermitente;
5. O enfraquecimento planejado dos sindicatos em termos financeiros com a retirada abrupta do imposto sindical;
6. O enfraquecimento funcional dos sindicados na medida em que não mais se requererá sua presença obrigatória para homologação de rescisões de contratos do trabalho;
7. A generalização da terceirização inclusive em setores empresariais de atividades fins, com inevitável precarização do mercado de trabalho em larga escala;
8. A pejotização generalizada da força de trabalho. Cada trabalhador vai se transformar em uma “empresa”, sem direito às férias, 13º, descanso remunerado, recolhimento do FGTS, desconto para a Previdência. As empregadas domésticas, por exemplo, recentemente reconhecidas como trabalhadoras, serão compelidas à “pejotização”, retornando à condição anterior de trabalhadoras precárias.
9. A jornada de trabalho poderá ser estendida ilimitadamente, pois dependerá da negociação direta entre trabalhadores e empregadores. Em uma circunstância como a de hoje, com quase 14 milhões de desempregados, é de se prever que o trabalhador aceitará jornadas de trabalho estendidas.
10. O projeto admite que mulheres grávidas ou lactentes trabalhem em locais insalubres, dependendo de avaliação sobre tais condições de médicos da empresa.
O dado mais extravagante levantado pelos proponentes da reforma é que ela resultará em criação de empregos. Isso é absolutamente falso. Ao contrário, a reforma é destruidora de empregos formais pois os empregadores não perderão tempo em trocar empregados celetistas por trabalhadores autônomos não registrados na CLT. Em situação de depressão como o Brasil, a retomada do desenvolvimento jamais será feita com precarização do mercado de trabalho. Ao contrário, sempre dependerá do aumento do consumo, que só ocorrerá com o aumento do emprego e dos salários.
Assista discurso no vídeo:
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post 10 razões para rejeitar a reforma trabalhista do governo Temer apareceu primeiro em Pragmatismo Político.
Posted: 07 Jul 2017 10:43 AM PDT
golpe maia temer apunhala presidência dem pmdb
Kiko Nogueira, DCM
Quis o destino que Michel Temer tivesse uma morte política horrível, proporcional a seu nanismo moral, compatível com sua traição à democracia.
Rodrigo Maia, seu fiel escudeiro até ontem, é o golpista do golpista.
A declaração peremptória de Tasso Jereissati na quinta, dia 6, foi combinada com Maia, relata Lauro Jardim no Globo.
O DEM, segundo Lauro, “não quer em momento algum aparecer publicamente como autor de movimentos para derrubar Temer” — como se isso fosse possível.
Se vier essa delação (de Eduardo Cunha) não sei nem quem vai ser citado, quem não vai ser, mas vai ser um semestre terrível para nós”, disse o tucano. “Está na hora de buscar alguma estabilidade”.
Se vier um afastamento pela Câmara, ele (Maia) é presidente por seis meses. Se Temer renunciasse já seria diferente, mas, se passar a licença para a denúncia, aí ele é presidente por seis meses e tem condições de fazer, até pelo cargo que possui na Câmara, de juntar os partidos ao redor com um mínimo de estabilidade para o país”.
Caminhamos para a “ingovernabilidade”.
Temer conseguiu ressuscitar o DEM, um partido de nome fantasia, versão mais meia boca do velho PFL, e será trocado por uma miniatura que promete ao “mercado” fazer o que painho não fez.
Em maio, o presidente da Câmara já tinha colocado a cabeça para fora.
Depois dos protestos que resultaram em quebra quebra em Brasília, Maia cobrou que o chefe “repusesse a verdade” com relação à convocação das Forças Armadas.
Assim foi feito.
Na ocasião, lembrei de Nero, o imperador romano que, segundo a tradição, tocou fogo em Roma e tocou harpa enquanto via as labaredas arderem.
O historiador Suetônio conta que ele foi declarado, quando perdeu seu reinado de terror, inimigo público.
Passou a ser perseguido pela guarda pretoriana, que teve a seu lado até virar um pária.
Fugiu de Roma pela Via Salária com seu secretário Epafrodito. Ao ver um soldado romano se aproximando, Epafrodito não titubeou: ao invés de proteger Nero, o apunhalou nas costas.
As últimas palavras de Nero são famosas: “Que grande artista morre comigo”.
Temer vem falando suas últimas palavras, todas de uma boçalidade impressionante, ao longo desses dias (“Crise econômica não existe”, afirmou em seu passeio solitário no G-20 na Alemanha).
Enquanto isso, o Botafogo lhe crava a lâmina com sua “cara de guri pego na punheta”, na imortal definição de Gregório Duvivier.
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook
O post Golpe dentro do golpe: Maia apunhala Temer publicamente apareceu primeiro em Pragmatismo Político.

Nenhum comentário:

Postar um comentário