quinta-feira, 3 de agosto de 2017

3/8 - Palavra Livre - Davis Sena Filho DE 2/8

Palavra Livre - Davis Sena Filho


Posted: 02 Aug 2017 02:20 PM PDT
Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


A hipocrisia, a mentira e o cinismo são as marcas indeléveis da sociedade brasileira e das autoridades golpistas do Judiciário, do Legislativo e do Executivo, que destruíram a economia do País e a democracia no Brasil. Os corruptos e ladrões deram um golpe para efetivar o atraso e o retrocesso. Um golpe de direita vexatório e humilhante, mas violento contra o povo brasileiro e os interesses do País.

Como os golpistas criminosos não têm argumentos para rebater as verdades e explicar as realidades, suas almas e mentes são inundadas pela hipocrisia, o cinismo e a mentira. Os corruptos e os criminosos, que roubam o Brasil há 517 anos, perderam, definitivamente, a modéstia e a vergonha na cara, e, com efeito, transformaram o País na casa da mãe Joana, porque é assim que se rouba, cada vez mais, para angariar patrimônio e dinheiro, bem como manter a vida de opulência das classes privilegiadas. O Judiciário burguês e conservador é o alicerce principal dos interesses econômicos e políticos das casas grandes, nacionais e internacionais.

O juiz e político Sérgio Moro, do PSDB do Paraná, continua em sua cantilena sistemática, insana e persecutória ao ex-presidente Lula, a demonstrar que tem lado partidário e cor ideológica, sempre à direita e a fazer o trabalho de linha de frente, como um verdadeiro ponta de lança dos interesses dos golpistas, que se aboletaram no Palácio do Planalto de forma ilegítima e violenta.

Moro interfere na política nacional de forma inapropriada e ilegal, pois cometeu crimes e, como autor de ilegalidades e malfeitos, deveria ser punido severamente por seus superiores, os desembargadores e ministros, que por estarem também envolvidos com o golpe, direta ou indiretamente, optaram por cruzar os braços, pois cúmplices da dissolução do Brasil como Nação, que está à deriva, porque dominado e governado por uma quadrilha, que tomou o poder de assalto para escapar da prisão, vender o patrimônio público e impor um programa ultraneoliberal derrotado quatro vezes nas urnas, que concentra renda e aumenta a pobreza e a violência.

Sobre esta nefasta e sórdida realidade que o diga o criador do governo de corruptos, que responde pela alcunha de Eduardo Cunha, o presidiário mais perigoso para os bandoleiros do Planalto, dentre muitos outros criminosos, que podem levar *mi-shell temer à cadeia após o fim de seu mandato conquistado por um golpe de estado inominável e que também teve o apoio dos Estados Unidos. O Cunha ainda não delatou oficialmente, diga-se de passagem... Vale a pena lembrar.

Enquanto Lula tem um juiz parcial, injusto e exclusivo para persegui-lo politicamente e covardemente sem prova alguma, o golpista e usurpador *mi-shell temer tem uma máfia exclusiva em todos os poderes da República para salvá-lo de seus crimes comuns, constitucionais e de lesa-pátria, porque recebe o vergonhoso beneplácito do Judiciário (STF, PF, STJ, PF, MPF e varas de primeira instância) e de parte da sociedade seguidora do pato amarelo e corrupto da Fiesp, que, juntamente com a escória de *temer, tomaram o poder de assalto quando derrubaram do poder a legítima presidente Dilma Rousseff, que recebeu legalmente 54,5 milhões de votos da população brasileira.

Moro é um Torquemada, pois o autor de uma nova literatura jurídica e de tudo o que reza ao Direito, porque, por intermédio do golpe de estado contra a legítima e constitucional presidente Dilma Rousseff, o juiz de província e amante das luzes de ribalta da mídia mais corrupta e golpista do mundo ocidental, o político e juiz tucano bate asas e bica com força e precisão seus adversários políticos toda vez que as circunstâncias e as realidades tratam de impor derrotas e humilhações a seus aliados políticos do Palácio do Planalto. Aliados golpistas e usurpadores, diga-se de passagem, a exemplo de *mi-shel temer e seu bando de delinquentes, a incluir principalmente o PSDB, um dos alicerces do golpe de estado terceiro-mundista.

Toda vez que acontece algo de negativo e que possa prejudicar o desgoverno ilegítimo de *temer ou algum tucano de alta plumagem pego com a mão na botija, a exemplo do senador golpista e megadelato, Aécio Neves, cujos irmã e primo foram presos, a despeito de agora estarem a usufruir de liberdade, mas a usar tornozeleiras, o tucano Sérgio Moro, cuja família é uma das fundadoras do PSDB da cidade de Maringá, imediatamente coloca a funcionar seu relógio político e partidário, que começa a trabalhar pontualmente, com precisão suíça ou inglesa, de forma que transforma as acusações infundadas e inconsistentes contra o ex-presidente Lula como arma política — o lawfare —, palavra inglesa que significa o uso indevido de recursos jurídicos e da lei para fins de perseguição e combate político.

O juiz Sérgio Moro, aquele que jamais colocou um tucano na cadeia, a despeito da corrupção sistêmica praticada por muitos deles, é recorrente em cometer lawfare, com o propósito de desviar a atenção da população quanto à calamidade que é o desgoverno de *temer, presidente ilegítimo e acusado oficialmente de ser ladrão pela PGR em pleno mandato. Toda vez que algo acontece contra os interesses dos políticos do PSDB, do PMDB e do DEM no âmbito político-partidário, o tucano Moro age para causar confusão à população.

Moro e seus asseclas da força tarefa da Lava Jato têm percepção do jogo político e, recorrentemente, desvia sua atenção no que concerne a se concentrar e, com efeito, compreender o que está em jogo neste País, que enfrenta uma crise sem precedentes há quatro anos e que está prestes a deixar de ser uma Nação independente e soberana, pois irremediavelmente nas mãos de entreguistas fundamentalistas do mercado, que desmontam o estado nacional como se fossem abutres e retiram os direitos do povo brasileiro, a jogá-lo de volta aos tempos da República Velha ou do Império. De volta à escravidão...

Ao aceitar mais uma denúncia do Ministério Público contra o presidente Lula, à frente procuradores como Carlos Fernando dos Santos Lima e Deltan Dallagnol, que montaram inúmeras farsas, dentre elas o indescritível e inenarrável, o leviano e mentiroso powerpoint, que denominou, sem provas, o maior político do Brasil, juntamente com Getúlio Vargas, de chefe de quadrilha, sendo que Lula não tem contas no exterior, mal mexe em suas contas no Brasil, assim como teve todos seus sigilos abertos pela Justiça e sua casa e escritório invadidos pela PF, fatos que comprovaram que Lula jamais incorreu em crimes.

Depois de ouvir 73 testemunhas que disseram não saber sobre crimes perpetrados por Lula no que tange ao apartamento do Guarujá, bem como se pronunciou em seu despacho que nada fora comprovado contra o líder trabalhista e de esquerda, o juiz Sérgio Moro, por não ter quaisquer compromissos com a imparcialidade e o sentimento de justiça, resolveu, a seu bel-prazer, como se fosse um ditadorzinho de republiqueta bananeira ou um filhote de Mussolini, condenar o Lula por nove anos e meio de cadeia, sendo que ainda o obriga a pagar em multas mais de R$ 13 milhões, dinheiro que Lula, evidentemente, não tem.

Moro, por ser político de fato e se recusar a atuar com magistrado dedicado apenas aos autos, aplicou multa de R$ 13 milhões porque o número do PT é 13! Perseguição contundente, emblemática, cheia de simbologia, mas, porém, covarde. Moro não é amador e está a cumprir seu dever e compromisso de impedir que Lula seja candidato em 2018, até porque o ex-sindicalista e nordestino é o favorito a vencer a corrida presidencial. Não sei qual é o problema desse sujeito togado, que colocou a Lava Jato a serviço de um golpe sujo, que destruiu a economia do Brasil e nivelou a autoestima do brasileiro ao chão.

Contudo, Moro anunciou aos quatro cantos midiáticos que aceitou outra denúncia sem provas materiais e documentais contra o Lula, desta vez o caso é o sítio de Atibaia, que nunca pertenceu ao ex-mandatário, porque os proprietários do sítio são Fernando Bittar e Jonas Suassuna, sendo que o pai do primeiro, Jacó Bittar, é amigo de Lula há mais de 40 anos. O MPF e o Moro receberam farta documentação da defesa de Lula, que comprovam que o sítio foi comprado com cheque administrativo, modalidade de pagamento que praticamente impede qualquer fraude, além de também provar que as reformas do sítio foram pagas com recursos próprios dos proprietários.

A verdade é a verdade. Portanto, é salutar à dignidade humana que o juiz e político, Sérgio Moro, dê uma olhada, mesmo com má vontade, no título de propriedade arquivado no Cartório de Registro de Imóveis de Atibaia, a despeito de suas convicções sem materialidade, ou seja, sem provas. Moro transforma o Brasil em um Estado fascista. Ao juiz de Curitiba só importa o trabalho para o qual ele foi talhado, como peça forjada por formões. A verdade é que Moro age como farsante e faz política desleal ao perseguir Lula, mas o lugar da Lava Jato é a lixeira da história. Ponto.

O juiz Sérgio Moro, em sua tresloucada decisão sobre o triplex de Guarujá, reconheceu não haver provas que comprovam que o imóvel é de Lula, assim como também sabe muito bem que não há provas de que o sítio de Atibaia é de Lula, como também não comprovará que Lula é dono do apartamento vizinho ao seu ou que a Granero se responsabilizou pela guarda de quinquilharias dos tempos de Lula na Presidência para obter vantagens, assim como nada se comprovará de que o ex-presidente comprou terreno que ele jamais comprou para instalar o Instituto Lula, além de ser uma grande cafajestada ou canalhice a acusação de que o mandatário que saiu do poder com 87% de aprovação popular tenha incorrido em qualquer ilegalidade ou malfeito.

A Lava Jato é uma verdadeira excrecência. Só seria permitida sua existência em um País atrasado, cuja grande maioria do povo é cúmplice de um golpe terceiro-mundista que estuprou a Constituição e mandou para o espaço o Estado Democrático de Direita. Milhões de brasileiros se calaram e silenciaram suas panelas cretinas e hipócritas e  que hoje se mostram apáticos e negligentes, irresponsáveis e levianos, pois permitem que uma quadrilha arrebente com o Brasil e nos transforme em um amontoado de gente, que ocupa determinado espaço geográfico, mas que não têm a mínima noção de nacionalidade, soberania e solidariedade.

A Lava Jato, a despeito das questões positivas, veio mesmo para fazer política e cooperar, criminosamente, para a deposição de Dilma Rousseff, desconstruir o PT e perseguir covardemente e perversamente o presidente Lula. Esta é a verdade histórica. O tempo é a razão. Não há como tergiversar ou embromar sobre tais realidades. A Lava Jato atua como um bureau de investigação à parte do Estado nacional. Faz o quer e o que lhe aprouver, com a aquiescência e a cumplicidade do STF, tribunal que insulta e envergonha o Brasil, pois grande parte da população sabe que os juízes do Supremo permitiram que um ladrão, que virou presidiário, aceitasse o pedido de impeachment (golpe) contra Dilma Rousseff.

Pouco tempo depois da deposição da presidente legítima e constitucional, o ex-deputado Eduardo Cunha foi para a cadeia, coisa que não acontece, de jeito nenhum, com o megadelatado da Lava Jato, o senador Aécio Neves (PSDB/MG), cuja prisão foi três vezes pedida pelo PGR Rodrigo Janot. E nada se faz... E aí, juiz Moro, quando vossa excelência pedirá a prisão do "príncipe" tucano das Alterosas, bem como playboy do Rio de Janeiro? Com a palavra, o tucano juiz Moro. Ah, esqueci, "não vem ao caso!" E que tal ouvir a delação de Cunha e repercuti-la na imprensa de mercado como sempre faz, juiz Moro? Ah, entendi, novamente "não vem ao caso!"

Moro escolhe a dedo as datas para atacar o presidente Lula e mantê-lo sempre na defensiva por meio de Lawfare, a usar politicamente seu cargo muito bem pago com o dinheiro do contribuinte. Quando *mi-shell temer deu fim à CLT com o apoio de ampla maioria do Congresso mais corrupto e conservador da história do Brasil, Moro anunciou a condenação de Lula. Agora, tal juiz de primeira instância anuncia que aceitou a acusação infundada e sem provas do MPF sobre o sítio de Atibaia horas antes de a Câmara decidir se aceita o pedido da PGR, para processar *mi-shell temer e levá-lo a julgamento no STF.

Antes, o juiz cometeu o grave crime de repercutir o diálogo de uma presidente em atividade no cargo com o ex-presidente e após ter dado ordem à PF para terminar os grampos nos telefones de Lula e de Dilma. Ele foi mais além. Mandou gravar o escritório dos advogados de defesa de Lula. Outro crime grave, dentre muitos outros que já elenquei em inúmeros artigos de minha autoria. Crimes graves, que jamais foram punidos pela permissiva e golpista Justiça burguesa deste azarado e atrasado País.

Aqui é a terra de Marlboro, onde todo mundo faz o que quer e como desejar. Trata-se de uma republiqueta bananeira repleta de cucarachas e macaquitos, muitos deles com diplomas de doutorado feito nas coxas, pois o objetivo é apenas ganhar mais e viajar ao exterior como bolsista. Nada no Brasil é sério, pois se trata de uma republiqueta dominada por coxinhas e riquinhos de todos os matizes, que não se importam com nada e não sabem de nada, a não ser ir para Miami fazer compras e a Orlando para lamber as botas do Mickey para dar uma de Pateta.

Moro e sua Lava Jato são partes intrínsecas e indissociáveis do golpe de estado de 2016, queiram ou não, conforme relatará a história, que julgará os "intocáveis" de forma imparcial, ao contrário das ações do desditoso juiz, que tem também em sua conta o desmonte do Estado nacional, a destruição da indústria de base e pesada, além do desemprego de 14 milhões de trabalhadores.

Sérgio Moro é a cara e a alma da direita brasileira, aquela que jamais e em hipótese alguma pensou o Brasil, porque nunca teve projeto de País e sempre quis ser subalterna e subserviente aos interesses dos Estados Unidos, pois, indelevelmente, colonizada. Lula não roubou e a Lava Jato sabe disso, como sempre soube. Oh yes, juiz Moro, we have bananas! É isso aí.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário