3/3 - O Cafezinho DE 2/3

O Cafezinho


Posted: 02 Mar 2019 08:42 PM PST
A congressista estadunidense por Minnesota Ilhan Omar, recusou apoiar uma intervenção militar na Venezuela, e afirma que ela não reconhece o deputado Juan Guaidó como presidente no cargo.
Numa entrevista à “Intercept digitais”, revista estadunidense publicada na quinta-feira, Omar disse “absolutamente não” em resposta a perguntou se ela reconhecia Guaidó como presidente interino da Venezuela.
“O que devemos nos envolver é ter conversas diplomáticas e trazer pessoas para a mesa e ser um parceiro para facilitar isso. Mas estamos ameaçando, estamos ameaçando intervir “
“Acredito na ideia de mudar o governo, porque acredito que mudanças devem ser feitas de dentro, não do exterior”, acrescentou.
Omar salientou ser contrária a planos de intervenção militar em outros países, “pois isso levará à morte de seres humanos”. Segundo a parlamentar, seu país deve cumprir o direito internacional e respeitar a integridade territorial dos países.
“No que deveríamos estar envolvidos (na Venezuela), é ter conversas diplomáticas e trazer pessoas para a mesa e ser um parceiro para facilitar isso. Mas nós estamos ameaçando, estamos ameaçando intervir “, disse a deputada estadunidense Ilhan Omar.
A deputada de origem somali, segue o mesmo conjunto de ideias do senador Bernie Sanders, que refutou o golpe ao anunciar sua aspiração à presidência nas eleições de 2020. Ele também se recusou a reconhecer Guaidó, como presidente interino e pede a Casa Branca suspenda o seu apoio para o golpe na Venezuela.
O post Deputada estadunidense nega reconhecer Guaidó apareceu primeiro em O Cafezinho.
Posted: 02 Mar 2019 02:07 PM PST
*Denise Assis
Há momentos em que o impacto da realidade é tamanho que nos tira o ânimo para fazer o que deve ser feito: escrever. Foi disso que vivi uma vida, foi isto que sempre fiz. Hoje, quando o país mais uma vez se viu diante de um derrame de bílis continental, desta gente que colocou em Brasília alguém que os ensinou e os incentivou a odiar, ficamos acossados, perplexos, doloridos, em estado de letargia. Quer dizer, falo por mim e alguns amigos que deixaram escapar queixas semelhantes.
Eis que Ricardo Kotscho, do alto do seu talento e da sua experiência, moveu as teclas para confessar a mesma dificuldade. Mas foi até o fim. Fez o seu dever de casa, como todos os que vivem da escrita e possuem um espaço para expor ideias e sentimentos. Segui o seu exemplo de determinação e cá estou à frente do meu teclado.
Kotscho, que sempre esteve próximo dos Silva, me trouxe subsídios, descrevendo o que viu lá dentro, no velório. As informações do colega, mais a foto acima, levaram-me a um passado não muito distante e, infelizmente, cada vez mais ameaçador. À medida que lia o seu texto, com o relato do ambiente do velório do pequeno Arthur, veio à minha mente a entrevista que gravei com D. Avelina, mãe de Marilena Villas Boas, a militante do MR-8, morta pela repressão, em uma rua sem saída (Rua Niquelândia) em Campo Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro, na madrugada de 2 de abril de 1971, aos 22 anos.
O corpo de Marilena estava pronto para ser enterrado como indigente, em caixão lacrado, quando uma denúncia anônima avisou à família. Seu pai, o Dr. Feliciano, era médico e na mesma hora partiu para o Hospital Central do Exército (HCE), onde resgatou o corpo da filha para dar-lhe um enterro decente. Durante a conversa com D. Avelina, pude perceber a força daquela mãe, que só deixou aflorar a emoção quando relatou o velório da filha. A família em torno do caixão, cercada por agentes e homens armados de metralhadoras, que com a simples presença os intimidava e os inibia de externar a dor. Ainda assim, Avelina afastou as flores que cobria o corpo da filha, para se certificar do seu estado. Tantos anos depois, relembrou detalhes. Os cabelos, que sempre conservou longos, cortado à faca; os braços cobertos de hematomas e mordidas, as unhas arrancadas.
A cena de intimidação foi repetida no velório de Arthur, um menino de apenas 7 anos, deitado imóvel no caixão, vitimado pela meningite avassaladora que o ceifou da família em horas, não oferecia perigo. O “perigo” estava postado ao seu lado, devastado por uma dor inimaginável. O avô, e ex-presidente, Lula da Silva, de 73 anos, sucumbido pela perda.
Filho de uma analfabeta, desprovido de diplomas, vindo dos cafundós desse país desigual e injusto, ele arrastou espontaneamente para os espaços do cemitério Jardim da Colina, em São Bernardo do Campo, uma multidão calculada em cinco mil pessoas. Ali, no recinto onde jazia o corpo de Arthur, as armas eram alegorias desnecessárias. Vá lá que no seu comboio se justificassem, para dar-lhe “segurança”, mas ali? Onde só havia a família e sua perda?
A multidão foi lá, não para ver “um larápio posando de coitado”, como descreveu o homem de aço, Eduardo Bolsonaro. (Sim, homem. Vamos parar de transformá-los em “meninos”). Esses milhares de cidadãos foram, isto sim, demonstrar a solidariedade e o amor que a “famíglia” que chegou ao Planalto desconhece, porque “mito” o povo constrói e escolhe, não é forjado nas redes sociais.
Os Bolsonaros podem ter chegado lá pelo voto, mas estão impondo ao país o mesmo terror da ditadura, que conteve, pelas armas, as lágrimas de D. Avelina. Só não puderam conter a onda de amor e conforto vindos do pátio do cemitério. Porque a força desses sentimentos desconhece o poder das armas.

*Jornalista
O post Velório do menino Arthur alerta: o terror está de volta apareceu primeiro em O Cafezinho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

24/6 - Reviravolta: STF mantém julgamento de habeas corpus de Lula nesta terça

FONTE: https://www.viomundo.com.br/voce-escreve/reviravolta-stf-mantem-julgamento-de-habeas-corpus-de-lula-nesta-terca.html   Diário d...