6/4 - Gervásio Baptista - FAMOSO QUE MORREU

Famosos Que Partiram


Posted: 05 Apr 2019 06:06 PM PDT
GERVÁSIO BAPTISTA
(95 anos)
Fotojornalista

Salvador, BA (19/06/1923)
Brasília, DF (05/04/2019)

Gervásio Baptista foi um fotógrafo nascido em Salvador, BA, no dia 19/06/1923. Registrou alguns dos mais importantes episódios da história brasileira e mundial.

Gervásio Baptista era o fotógrafo mais longevo da imprensa brasileira, em atividade profissional há mais de 70 anos, tendo passado pelas lentes de suas máquinas as personalidades mais importantes da política, da administração pública e privada, da sociedade, do esporte, da indústria, comércio e agricultura. Enfim, as figuras de mais destaque em todas as atividades.

Gervásio Baptista começou sua vida profissional aos 12 anos, fotografando como assistente para o jornal O Estado da Bahia.

Nos anos 50, transferiu-se para o Rio de Janeiro, a convite de Assis Chateaubriand, dono dos Diários Associados, com quem travara contato um ano antes durante visita de Assis Chateaubriand à Feira de Santana, para trabalhar em O Cruzeiro.


Com a criação da revista Manchete, da editora Bloch, participou desde a primeira edição até a derradeira. Foi na revista Manchete que lá que Gervásio Baptista registrou, semana a semana, a construção de Brasília. É de sua autoria a conhecida foto de Juscelino Kubitschek acenando com a cartola para o povo, que estampou a capa da Manchete sobre a inauguração de Brasília e tomou o mundo. Gervásio Baptista afirmava: "Essa é uma das fotos que eu considero mais interessantes na minha carreira". Suas fotos do enterro de Getúlio Vargas, em São Borja, Rio Grande do Sul, também geraram um número especial da revista.

Em seguida foi trabalhar no Palácio do Planalto e foi amigo dos presidentes Juscelino Kubitschek, João GoulartTancredo Neves e Tancredo Neves, de quem sempre foi amigo.

Gervásio Baptista fotografou a história política da República desde Getúlio Vargas aos dias atuais.

Como fotógrafo oficial dos concursos Miss Brasil e Miss Universo, Gervásio Baptista viajou o mundo para retratar a beleza da mulher brasileira no período áureo desses eventos. Fotografou John Kennedy, Richard Nixon, Charles de GaulleFidel Castro, Che Guevara e fez um registro diferenciado da Revolução Cubana. Também deu sua leitura sobre a Revolução dos Cravos, em Portugal. Acompanhou e registrou a queda do presidente argentino Juan Domingo Perón e esteve em Saigon, para registrar a Guerra do Vietnã. Também cobriu sete Copas do Mundo.


Durante a ditadura, teve várias passagens pela prisão, mas por não ter engajamento político. Ele sempre foi libertado rapidamente e sem maiores conseqüências. Em tais ocasiões dividiu cela com o ex-governador de Pernambuco, Miguel Arraes e o advogado e ativista político Francisco Julião, fundador da Liga Camponesa, entre outros.

Fotógrafo oficial de Tancredo Neves, fez, com exclusividade, a última foto do presidente, acompanhado da equipe médica do Hospital de Base do Distrito Federal.

Discípulo de Henri Cartier-Bresson, a quem conheceu pessoalmente. Mesmo depois dos 90 anos, Gervásio Baptista continuou atuante, contratado pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e prestando serviços ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Gervásio Baptista foi citado como decano do fotojornalismo pela Associação Brasileira de Imprensa (ABI).

O Supremo Tribunal Federal (STF) homenageou Gervásio Baptista por 50 anos de dedicação ao fotojornalismo. A mostra, denominada "50 Anos de Fotografia" ocupou o Hall dos Bustos do Supremo Tribunal Federal de 12/03/2008 até 18/04/2008.


Na exposição inaugurada pela presidente da instituição e com a presença da quase totalidade dos ministros da Corte, foram afixadas 45 obras do profissional que tinha a credencial de imprensa número 001 do Palácio do Planalto e era um dos mais respeitados fotógrafos brasileiros.

Além das fotos, foi afixado um texto de autoria de José Sarney em homenagem à exposição:
"Moço com seus 84 anos, armado sempre de máquina e de seu sorriso, trabalhando agora entre os ministros e os grandes advogados, Gervásio é um ícone e exemplo na história da imprensa brasileira"
O ministro Carlos Ayres Britto, presente na exposição, fez questão de manifestar:
"Não estamos homenageando Gervásio, ele é que está nos homenageando. Eu, particularmente, quero muito bem a ele. Tenho uma enorme admiração por Gervásio, esse artista da câmera"

A presidente, ministra Ellen Gracie, ao dar por inaugurada a exposição, teceu largos elogios ao fotógrafo, que ela pessoalmente disse ser sua admiradora e amiga, cumprimentando-o com efusão e carinho.

Gervásio Baptista disse que o maior prêmio que ganhou na profissão foi o convite feito pela presidente do STF, ministra Ellen Gracie, e pelo ministro Cezar Peluso de expor suas fotografias.
"O maior prêmio que eu podia receber de fotografia foi a ministra Ellen apoiar a sugestão que deram, e eu fico feliz com isso, porque se trata de presidente do Supremo Tribunal Federal do País"
Até 2015, Gervásio Baptista atuou no Supremo Tribunal Federal (STF), contratado pela empresa Partners Comunicação Integrada.

Morte

Gervásio Baptista faleceu às 8h00 de sexta-feira, 05/04/2019, aos 95 anos,  em Brasília, DF.

A família aguarda a chegada da filha de Gervásio Baptista, Selma Baptista, que estava em Madri, para só assim definir detalhes sobre o velório. A cerimônia deve ocorrer em Brasília, no Cemitério Campo da Esperança. Em seguida, o corpo será cremado e as cinzas serão levadas ao Rio de Janeiro para serem espalhadas na Baía de Guanabara.
"Ele manifestou em vida que fizéssemos os mesmos procedimentos que fizemos com minha mãe. A ficha ainda não caiu. Mesmo que eu já viesse me preparando há tanto, tanto tempo. Ouvia ele dizer que já estava cansado, que queria muito partir. A gente acha que está preparado, mas, quando a coisa acontece, a gente vê que não estava!"
(Júlio Baptista, filho de Gervásio Baptista)

#famososquepartiram #gervasiobaptista

Nenhum comentário:

Postar um comentário

19/6 - Greenwald e o depoimento de Moro. “Ele disse pouco”

FONTE: http://www.tijolaco.net/blog/greenwald-e-o-depoimento-de-moro-ele-disso-pouco/ Greenwald e o depoimento de Moro. “Ele disse pouco...