30/4 - VÍDEO - Documentário - AI-5 O Dia que não Existiu (Completo)

FONTE:https://youtu.be/QM2eZTaR0Ng

Documentário - AI-5 O Dia que não Existiu (Completo)

1,81 mil inscritos
INSCRITO

30/4 - VÍDEO - Bob Fernandes: COMENTÁRIOS

FONTE:https://youtu.be/MQarECGYgHc

Bolsonaro vê e retransmite live com "tirar ferrugem dos revólveres... esmagar 

mortadelas"... E atira

30 de abr. de 2020
180 mil inscritos
INSCRITO
Quinta-feira, 30 de abril de 2020 AJUDE A FINANCIAR ESTE CANAL: https://www.catarse.me/bobfernandes INSCREVA-SE NO CANAL: https://goo.gl/5jEXsJ CRÉDITOS Direção Geral: Bob Fernandes Direção Executiva: Antonio Prada Edição: Yuri Rosat Câmera: Ana Kaplan Som: Ana Kaplan Arte e Vinhetas: Lorota Música de abertura e encerramento: Gabriel Edé LINKS: MERGULHO NAS REDES BOLSONARISTAS I - https://docs.google.com/document/d/1T... MERGULHO NAS REDES BOLSONARISTAS II - https://docs.google.com/document/d/1b... Este é o canal de Bob Fernandes. Vídeos novos todas terças e quintas, sempre, e demais postagens a qualquer momento necessário.

30/4 - Bolsonaro acionado na Justiça para mostrar provas de fraude nas eleições de 2018

FONTE:https://congressoemfoco.uol.com.br/eleicoes/bolsonaro-acionado-na-justica-para-mostrar-provas-de-fraude-nas-eleicoes-de-2018/

                                         Congresso em foco


Bolsonaro acionado na Justiça para mostrar provas de fraude nas eleições de 2018

O deputado federal Célio Studart (PV-CE) apresentou uma ação popular à Justiça Federal do Ceará pedindo que o presidente Jair Bolsonaro apresente provas de fraudes nas eleições de 2018. Em março, Bolsonaro afirmou em uma palestra dada para apoiadores brasileiros em Miami, nos Estados Unidos, ter “nas mãos” evidências de que deveria ter sido eleito no primeiro turno das eleições de 2018. 
Entre os advogados que representam Studart na causa está  Márlon Reis, um dos idealizadores e redatores da Lei da Ficha Limpa e fundador do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral. O advogado Rafael Estorilio também subscreve a peça. 

“O Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, dirigiu - em mais de uma oportunidade severas críticas ao sistema de votação por meio da urna eletrônica, adotado no Brasil. O Presidente é um detrator contumaz da transparência deste sistema”, diz a petição inicial. 
No último dia 28 de abril, após ser cobrado pela imprensa em frente ao Palácio da Alvorada sobre a apresentação das provas , o presidente limitou-se a dizer que o faria juntamente com um projeto de lei sobre o tema, sem mencionar qualquer data, além de ter alegado não ter obrigação de apresentá-las à imprensa. “Se eu não tivesse [as provas] eu não falaria, meu Deus. Eu sei do peso do que eu falo”, declarou quase 50 dias após a fala nos Estados Unidos. 
“Se o Presidente de fato possui tais provas, estas seriam capazes que colocar sob questionamento todas as eleições realizadas por meio das urnas eletrônicas. No entanto, se não possui elementos para tanto e o faz com fito difamatório ou calunioso, está atentando contra a democracia”, sustentam. 
“Por tais fatos, torna-se imprescindível que o Presidente da República seja devidamente acionado e instado à tutela específica de obrigação de fazer, notadamente trazer aos autos provas e esclarecimentos sobre as acusações ao sistema eleitoral brasileiro”, cobra o deputado no documento.

30/4 - Celso de Mello dá 5 dias para que Sérgio Moro preste depoimento sobre acusações contra Bolsonaro

FONTE:https://istoe.com.br/celso-de-mello-da-5-dias-para-que-sergio-moro-preste-depoimento-sobre-acusacoes-contra-bolsonaro/

                                                   


Celso de Mello dá 5 dias para que Sérgio Moro preste depoimento sobre acusações contra Bolsonaro

Celso de Mello dá 5 dias para que Sérgio Moro preste depoimento sobre acusações contra Bolsonaro
O ministro da Justiça e Segurança Pública do Brasil, Sergio Moro, fala em entrevista coletiva anunciando sua renúncia em 24 de abril de 2020 em Brasília. - AFP
O decano do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Celso de Mello, determinou nesta quinta-feira (30) que o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro preste depoimento à Polícia Federal em até cinco dias para esclarecer as acusações feitas contra o presidente Jair Bolsonaro. Celso de Mello, que considerou “razões de urgência” apontada por parlamentares, havia fixado inicialmente um prazo de 60 dias para a oitiva.
A decisão do decano, de antecipar a realização do depoimento, sinaliza que o inquérito deve ter rápida tramitação na Corte. Uma das vozes mais críticas ao presidente da República, Celso deixa o tribunal em novembro, abrindo a primeira vaga no Supremo para indicação de Bolsonaro. O presidente já manifestou o desejo de indicar um nome “terrivelmente evangélico” para a vaga do decano.
O inquérito foi aberto para apurar as acusações de Moro contra Bolsonaro – tanto o presidente quanto Moro aparecem formalmente como investigados. O ex-ministro acusa o presidente da República de interferência política na Polícia Federal para obter acesso a informações sigilosas e relatórios de inteligência.
Segundo apurou o Estadão/Broadcast, além de troca de mensagens, o ex-ministro da Justiça possui áudios que devem ser entregues aos investigadores.
Conforme o pedido feito pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, o objetivo do inquérito é analisar se foram cometidos os crimes de falsidade ideológica, coação no curso do processo, advocacia administrativa, prevaricação, obstrução de Justiça, corrupção passiva privilegiada, denunciação caluniosa e crime contra a honra.
Em outra ação, Celso de Mello rejeitou nesta quinta-feira um pedido para invalidar as exonerações de Moro e do ex-diretor-geral da Polícia Federal Maurício Valeixo.
Recado. Ao autorizar na última segunda-feira a abertura do inquérito, em uma decisão de 17 páginas – mesmo número de urna de Bolsonaro na eleição de 2018 -, o decano observou que o presidente da República “também é súdito das leis”, apesar de ocupar uma “posição hegemônica” na estrutura política brasileira, “ainda mais acentuada pela expressividade das elevadas funções de Estado que exerce”.
“O presidente da República – que também é súdito das leis, como qualquer outro cidadão deste País – não se exonera da responsabilidade penal emergente dos atos que tenha praticado, pois ninguém, nem mesmo o Chefe do Poder Executivo da União, está acima da autoridade da Constituição e das leis da República”, frisou Celso de Mello.
“Embora irrecusável a posição de grande eminência do Presidente da República no contexto político-institucional emergente de nossa Carta Política, impõe-se reconhecer, até mesmo como decorrência necessária do princípio republicano, a possibilidade de responsabilizá-lo, penal e politicamente, pelos atos ilícitos que eventualmente tenha praticado no desempenho de suas magnas funções”, apontou Celso.
Interferência. Na semana passada, Moro falou com a imprensa após Bolsonaro formalizar o desligamento de Maurício Valeixo do cargo de diretor-geral da Polícia Federal – o ex-ministro frisou que não assinou a exoneração do colega. Segundo Moro, embora o documento de exoneração conste que Valeixo saiu do cargo “a pedido”, o diretor-geral não queria deixar o cargo. O próprio Moro, que aparece assinando a exoneração, afirmou que foi pego de surpresa pelo ato e negou que o tenha assinado.
“Fiquei sabendo pelo Diário Oficial, não assinei esse decreto”, disse Moro, que considerou o ato “ofensivo”. Na visão dele, a demissão de Valeixo de forma “precipitada” foi uma sinalização de que Bolsonaro queria a sua saída do governo.
“O presidente me disse que queria ter uma pessoa do contato pessoal dele, que ele pudesse colher informações, relatórios de inteligência, seja diretor, superintendente, e realmente não é o papel da Polícia Federal prestar esse tipo de informação. As investigações têm de ser preservadas. Imagina se na Lava Jato, um ministro ou então a presidente Dilma ou o ex-presidente (Lula) ficassem ligando para o superintendente em Curitiba para colher informações”, disse Moro, ao comentar as pressões de Bolsonaro para a troca no comando da PF.
Na avaliação de Moro, a interferência política pode levar a “relações impróprias” entre o diretor da PF e o presidente da República. “Não posso concordar. Não tenho como continuar (no ministério) sem condições de trabalho e sem preservar autonomia da PF. O presidente me quer fora do cargo”, acrescentou o agora ex-ministro.

30/4 - VÍDEO - A CATERVA no poder! Cristãos? (...)

FONTE:https://youtu.be/3pfAUXHm54A

A CATERVA no poder! Cristãos? Os Bolsonaro contra a saúde, OMS, ONU,

 Venezuela e a favor do Bispo!

30 de abr. de 2020



137 mil inscritos

INSCRITO
Você não está maluco! Os fatos mais bizarros do mundo acontecem aqui no Brasil! Não há registro de tantos insanos à frente de um governo em tempos de paz! Impressiona a capacidade de criar conflitos e deixar o povo brasileiro extremamente perplexo. Não estamos tendo alucinações. A caterva que governa o país nos aflige o tempo todo. Neste vídeo comentamos o filho 04 (sic)! O Ministro das Relações Exteriores que ataca vizinhos! O Presidente que atua em favor de igrejas de vigaristas (com o dinheiro do povo) Estamos de olho! Mas temos que nos prepararmos para grandes desafios que enfrentaremos. #caterva #bolsonaro #venezuela

07/7 - VÍDEO - Bolsonaro pegou COVID! O empoderamento da ignorância!

FONTE:https://youtu.be/-AnjO8V5axc Bolsonaro pegou COVID! O empoderamento da ignorância! Guedes segue blindado pela  Globo e TVs! 7...