31/3 - VÍDEO - Quais os cenários possíveis para a Presidência?


                                                                 FONTE:https://youtu.be/PFuMQzS7cM4

Quais os cenários possíveis para a Presidência?

15.191 visualizações
31 de mar. de 2020
976 mil inscritos
INSCRITO
Inscreva-se no canal (https://bit.ly/38Mhx62) e não perca nenhum conteúdo! #JairBolsonaro pode cair? O #impeachment será promovido por uma aliança dos partidos de esquerda com a centro-direita? Ou o #presidente irá optar por uma renúncia? Se ele cair, #HamiltonMourão irá assumir? Ou #Bolsonaro irá preferir resignar-se aos bastidores do poder - ao papel de "rainha da Inglaterra" - enquanto a liderança do país será entregue, informalmente, ao presidente da Câmara, #RodrigoMaia? Em uma nova edição da #TvAfiada, #RodrigoVianna fala sobre as mobilizações políticas pela derrubada de Jair Bolsonaro. Assista!

31/3 - Coronavírus: Trump estuda barrar voos do Brasil

FONTE:https://revistaforum.com.br/noticias/coronavirus-trump-estuda-barrar-voos-do-brasil

                                                

31 DE MARÇO DE 2020, 22H39

Coronavírus: Trump estuda barrar voos

 do Brasil

Presidente dos EUA admitiu preocupação ao 
ser questionado sobre posições de Bolsonaro 
contra o isolamento: “estão com números subindo”
Foto: Alan Santos/PR
O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou nesta quarta-feira (31) que está considerando impedir voos do Brasil para o país como parte das medidas de contenção da pandemia de coronavírus.
Trump apresentou hoje uma previsão de entre 100 e 200 mil mortes, com as medidas de isolamento e contenção (mais de R$ 1 milhão sem as medidas). O presidente prolongou restrições de circulação até 30 de abril e afirmou que o isolamento e o encerramento de atividades de trabalho “é a única alternativa, uma questão de vida ou morte”.
Na coletiva realizada depois desta apresentação, um repórter perguntou se Trump pretende adotar novas restrições de viagem, destacando o Brasil e as recentes declarações do presidente Jair Bolsonaro contra o isolamento e a paralização de setores da economia.
“Estamos observando muitos países e suas posições. O Brasil, por exemplo, você mencionou o presidente… O Brasil não tinha problemas até pouco tempo atrás. Agora estão com números subindo. E, sim, estamos pensando em um veto”, disse Trump. O presidente não deu detalhes de quando será tomada uma decisão e não respondeu se outros países também serão adicionados na lista de bloqueios.
Até o momento, os EUA já proibiram a entrada de voos de mais de 30 países, incluindo toda a área de livre circulação da Europa, Reino Unido e Irlanda. Passageiros que tenham passado por China ou Irã nos últimos 14 dias não podem entrar. Fronteiras terrestres com Canadá e México estão fechadas para viagens não essenciais.
Bolsonaro é conhecido por sua adoração e subserviência constante ao presidente Donald Trump. No início da pandemia, o líder estadunidense também chegou a minimizar riscos e manifestar objeção a uma parada prolongada e ampla da economia. Hoje, os EUA são o país do mundo com o maior número de casos e de mortes por coronavírus.
Trump mudou posições e discurso, seguindo recomendações das autoridades de saúde. Bolsonaro ainda insiste em subestimar a gravidade da pandemia e apostar em soluções sem embasamento científico, como isolamento seletivo e remédios não testados.

31/3 - BLOG CONGRESSO EM FOCO de HOJE




Company logo
 

As Forças Armadas, a democracia e

Bolsonaro. Entenda os bastidores

Company logo
 
 
   
   
   
 
Image
 
 
               
Congresso em Foco
© 2019 - Congresso em Foco. Todos os direitos reservados.
SIG Qd. 01 - Ed. Platinum Office - Lote 385 sala 207 - Brasília-DF - CEP 70.610-410 Tel: (61) 3226-2433


Unsubscribe

31/3 - Governo tenta conter desmoralização por falas de Bolsonaro

FONTE:https://blogdacidadania.com.br/2020/03/governo-tenta-conter-desmoralizacao-por-falas-de-bolsonaro/


Governo tenta conter desmoralização por falas de Bolsonaro

Todos os postsÚltimas notícias
Foto: Reprodução/Jornal de Brasília
Ao levar as coletivas do Ministério da Saúde para o Planalto, como parte do gabinete de crise, Jair Bolsonaro adota uma estratégia para evitar a leitura de que a equipe do ministro Luiz Henrique Mandetta é algo estanque, descolado do governo. Aliás, foi aconselhado a adotar esse modelo para tentar amenizar o impacto negativo não só do passeio de domingo, mas também das declarações da manhã, em que novamente defendeu que todos voltem ao trabalho, num momento em que até Donald Trump se rende à necessidade de isolamento. Veremos até quando isso vai durar. O presidente quer os louros do trabalho desenvolvido pelo Ministério da Saúde, mas quer distância do ônus econômico das suas recomendações, de distanciamento social.
Aliados têm dito que Bolsonaro não se convenceu da gravidade da crise. Primeiro, houve a defesa de uma campanha institucional para que o Brasil voltasse ao trabalho. Não deu certo. Depois, o rascunho de um decreto para determinar o retorno imediato às atividades em todo o país. Não funcionou. A contar pela disposição dele, algo mais virá. O Brasil vive a cada dia a sua aflição.
Não são poucos os ministros que têm apelado a Bolsonaro para refluir nas declarações dissonantes com as de Mandetta. O que o ministro da Economia, Paulo Guedes, fala de público, a favor do isolamento, é voz corrente no primeiro escalão do governo.
As declarações de Bolsonaro só serão tratadas de forma mais contundente no Parlamento, quando o país estiver em condições de voltar à normalidade. Em outras palavras, o Brasil seguirá com crise política em altos e baixos. Ninguém tomará qualquer atitude, até que se resolvam as questões de saúde, e as medidas econômicas tenham alguma resposta a fim de melhorar a vida das pessoas.
Em Londrina (PR), um empresário de 55 anos, que passou a infância e a adolescência em Brasília, começou a sentir dores pelo corpo em 18 de março. Em 20 de março, febre alta e dor de cabeça. Procurou a emergência de um hospital privado três dias depois. Foi mandado de volta para casa, sem teste para coronavírus e qualquer cuidado especial. Preocupado e ainda passando mal, voltou ao hospital dia 25. Aí sim, o tratamento foi diverso. Uma tomografia detectou lesões nos pulmões e, então, foi internado e houve coleta de material para o teste. Ontem, 29 de março, recebeu o resultado: Covid-19.
Esse empresário continua internado. Conta ainda que tem um passado atlético em piscina, alimentação saudável, não fuma, não bebe, não tem hipertensão, diabetes, ou qualquer outro fator de risco. Agora, seu quadro clínico começa a melhorar. “O vírus é violento”, avisa.
Integrantes da cúpula das Forças Armadas cobraram de Bolsonaro uma postura mais afinada com o Ministério da Saúde. Daí o motivo da nota do ex-comandante do Exército, general Villas Boas, que critica ações extremadas, delimita o centro como ponto de equilíbrio e, por tabela, sai em defesa do presidente. Divulgada, ontem, nas redes sociais, coloca Bolsonaro como bem intencionado. A leitura da política é a de que a caserna age para tentar conter o presidente e a crise política.
Dia desses, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) reclamou de um juiz que suspendeu a carreata do “Brasil não pode parar”, referindo-se a um cidadão contra 57 milhões –– o número de votos que seu pai angariou no segundo turno. O problema é que, desses milhões, há muitos que defendem o confinamento e não votaram a favor de Bolsonaro, e sim contra o PT.
O fato de o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, adotar o autoisolamento depois que um de seus assessores testou positivo para o novo coronavírus, foi mais um baque nas atitudes de Bolsonaro, que, com vários colaboradores com resultado positivo, continua nas ruas.
A Câmara fez ontem testes para sessões virtuais. Só tem um probleminha: com 513 deputados, vai ser complicado definir a ordem de uso dos microfones –– e por aí vai.
Obras de fundação de um edifício na região do Park Sul continuavam ontem a pleno vapor.

26/5 - VÍDEO - Bolsonaro incentiva terrorismo no Brasil

FONTEhttps://youtu.be/psWX2a6lEV0 Bolsonaro incentiva terrorismo no Brasil Blog da Cidadania 401 mil inscritos SEJA MEMBRO ...